A primeira temporada da série “Cardinal” acabou e muita gente perdeu esse grande suspense policial. Já renovada para mais duas temporadas, ela é uma adaptação dos livros de Giles Blunt “Os mistérios de John Cardinal”.

A história narra a vida de John Cardinal (Billy Campbell) que é perseguido pelo seu passado em diversos frontes: um crime novo parece estar relacionado a um antigo assassinato não resolvido e uma investigação é feita sobre suas misteriosas ações no passado ainda como detetive por Lise Delorme (Karine Vanasse).

Dirigido por Daniel Grou, é clara uma linguagem bem estudada, única e profunda do gênero policial e detetivesco. A escolha de Billy Campbell (The Killing) é muito certeira, dado seu excelente papel na outra incrível série policial “The Killing”.  Karine Vanasse (“Revenge”, “X-Men: Dias de um Futuro Esquecido”), apesar da grande diferença de altura (algo que também ocorreu em “Arquivo X” com Dana Scully), mostra-se uma policial e personagem fortes, não caindo em clichês do universo feminino hollywodiano. Ambos são personas mais profundas que o que quase toda a tevê procura representar e suas questões pessoais são mais trabalhadas e originais. No fundo, houve uma preocupação em não “agradar” o público com questões que sua maioria poderia vivenciar, mas com novas.

Há uma batalha ética em cada episódio e de certa forma aprofunda uma questão simples, mas que não se explora ou se toma como auto-evidente em outras séries e filmes: a responsabilidade pelo mal. Se adentra uma camada a mais nesta discussão na questão: como comer, descansar ou dormir sabendo que há um assassino incansável a solta? A pergunta em si parece simples, mas “Cardinal” aprofunda sua questão. Quando você é responsável por impedir o mal de investir uma vez mais, como viver – no sentido amplo da palavra – sem culpa?

A aposta da estética. Como em “True Detective” – a primeira temporada – com as grandes filmagens nos pântanos e em “The Killing” com as cenas citadina da chuva e abandono, a aposta da CTV para esta série canadense é sua floresta branca. E poucas vezes tal metáfora ou mesmo fotografia coube tão bem em uma história/personagens. Nesse ambiente, não se encontra perdido por estar numa floresta – comum signo daqueles que fogem da cidade, talvez como em “A Bruxa” -, mas a imensa branquidão de tudo ao seu redor; quando tudo é indiscernível. Isso é a perdição, o labirinto de todas as cores.

São seis episódios que sintetizam uma boa história sem prolongas ou fatos desnecessários. O diretor Daniel Grou guarda o melhor para o final com uma incrível cena de perseguição policial, porém com a balança pendendo para o grande suspense ao invés da ação desenfreada, como na segunda temporada de “True Detective”. A renovação quase imediata da série, já mostra que veio para ficar. E, se puder manter sua qualidade, já sabemos que não haverá nenhum arrependimento.

Por Paulo Abe

Show Full Content
Previous Peer Gynt retorna a São Paulo
Next Confira a lista e celebre as 10 mulheres mais influentes na história da música

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close