Crítica: Cuba Jazz

Jazz, música cubana e história

“Cuba Jazz” é com certeza uma experiência incrível! Especialmente para os adoradores do gênero. O documentário é bem desenvolvido em conteúdo e forma. Destaca-se pela sua qualidade na montagem. Em apenas 85 minutos, agrada literalmente os amantes de jazz e a todos que se interessam pela cultura cubana deixando um gostinho de “quero mais” no final. O filme mescla com sucesso música e imagem de maneira fluida: uma feliz e elaborada seleção de repertório somada a uma escolha genial e variada de cenas do cotidiano de Havana. O centro da cidade, seus bairros da periferia pobre, o povo, os músicos…

Em princípio, é um documentário sobre um estilo musical ainda pouco conhecido do grande público: o jazz cubano. E talvez isso se deva a mistura de sonoridades e ritmos pelos quais Cuba é tantas vezes lembrada, sendo assim confundido com outros gêneros. Porém, o Jazz Cubano é um estilo independente das outras formas de musicalidade cubana.

O filme nos mostra a pobreza de Cuba sem romantizá-la ou estereotipá-la. É a simplicidade nua e crua. Um lugar pobre mas feliz e emancipado. Não vemos um cenário de angústia pós-apocalíptico apesar da miséria. E talvez seja essa a missão deste documentário: nos mostrar a verdade e desafiar nossos sentidos e nosso imaginário sobre uma Cuba que não existe. O povo cubano é o grande atrativo de seu país, e Cuba Jazz faz um tributo aos cubanos.

A câmera passeia pelo povo e pelas ruas captando cenas da vida, do comportamento e da cultura. E nos revela um lado de Cuba nunca antes tão bem ilustrado. O fato é que todos nós temos uma opinião pré concebida sobre Cuba. E, para nossa surpresa, Cuba é sim um país normal! Não é aquela ilha mítica de felicidade e libertação.

Os depoimentos dos entrevistados revelam um lugar fechado, proibido e nada tem a ver com a “ditadura” cruel tão falada por todos. Aliás, os depoimentos demonstram diversos aspectos do seu povo, do caráter de leveza, generosidade e alegria permanente no dia-a-dia. Obviamente, os cubanos também tem seus conflitos.

Os cubanos são um povo alegre e musical e sempre enfrentaram as piores dificuldades com criatividade e dança. A mensagem que o documentário nos deixa é a de superação de um país que persiste em pé, cantando e dançando. 

Em pouco tempo de tela, “Cuba Jazz” nos mostra uma visão completa de um povo e nos estimula a aprender um pouco mais, não só sobre o jazz e a música cubana mas, sobre o comportamento cultural e social desse povo. É impossível falar de música cubana sem avaliar as influências de suas fronteiras, os problemas com as barreiras políticas e culturais e a relação complicada com os Estados Unidos. E o filme é feliz ao tocar nesses assuntos de maneira leve e nada didática, inclusive ao falar das influências do jazz norte-americano e a resistência dos músicos para preservar um estilo considerado “cultura do inimigo”.

E para isso o roteiro lança mão de entrevistas, narrações, imagens, muita música e citações de textos e autores célebres sobre o lugar. Os diretores Max Alvim e Mauro di Deus acertaram em cheio na abordagem de todos os aspectos inerentes à cultura cubana.

Para os consumidores de Jazz, vale a pena assistir a esse documentário por vários motivos: o filme fala sobre a herança musical dos tempos de escravidão em Cuba mostrando a sua evolução histórica, passando pelo afrocubajazz dos anos 20 e 30 e o cubop de 40 e 50. Para os que não consomem jazz, vale a pena assisti-lo por se tratar de uma cultura de interesse universal e que sempre despertou a curiosidade de todos.

É um filme deliciosamente bem feito e extremamente rico!


Por Thiago Pach

Crítica: Cuba Jazz
8.5Pontuação geral
Votação do leitor 0 Votos
0.0