Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Ema

Imagem: Divulgação/ Imovision

Imagem: Divulgação/ Imovision

Não é de hoje que o cinema chileno vem chamando a atenção dos cinéfilos mundo afora. Para citar o sucesso mais recente, basta lembrar do poderoso “Uma Mulher Fantástica”, estrelado pela mulher trans, Daniela Vega e dirigido por Sebastián Lelio, que levou o Oscar de melhor filme internacional em 2018. Agora, ao puxar na memória, é fácil lembrar de “No” – lançado em 2012 – dirigido pelo mesmo Pablo Larraín que entrega em 2020, “Ema”, o tema da análise deste texto. Portanto, para começar, é preciso dizer que o novíssimo longa de Larraín (disponibilizado por um dia na plataforma de streaming, Mubi) não chega ao nível de obra prima de “No” ou mesmo de “Uma Mulher Fantástica”, mas é um ótimo exemplar de umas das cinematografias mais significativas que há na atualidade.

A história do filme é sobre a Ema do título, interpretada por Mariana Di Girolamo (em boa atuação, mas sem grandes destaques), uma dançarina que se casa com Gastón (Gael García Bernal), o coreografo do grupo de dança da qual ela faz parte. Os dois, por causa da infertilidade do homem, adotam um garoto para, após um ano, devolvê-lo ao lar de adoção quando um acidente causado por  ele queima metade do rosto da irmã de Ema. Ao se desfazer do filho, o casal entra em um mundo de conflitos e decepções, que são caracterizados pelas agressivas discussões que começam a ter, e que são acompanhadas de perto pela câmera expressiva de Larraín. Câmera essa que se entrega quase totalmente à sua protagonista, que vai revelando gradualmente seu plano de formar novamente uma família, começando por recuperar o filho adotado por outras pessoas.

No entanto, a forma como Ema age para reformular sua vida é um tanto quanto anárquica, já que pretende transgredir todas as convenções sobre sociedade, família e relacionamentos. Uma amostra de suas intenções é dada logo no início do longa quando ela queima um sinal de trânsito com um lança-chamas. A cena começa mostrando o fogo consumindo o farol que está exibindo sua fase vermelha restritiva. Logo depois, luzes verdes localizadas na parte de baixo do objeto em chamas são acessas, revelando que os limites e as leis não são mais válidos para ela. Inclusive, durante a trama, a luz verde do fotógrafo Sergio Armstrong banha os ambientes e os personagens nos momentos de transgressão das relações sociais, amorosas ou sexuais.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Imagem: Divulgação/ Imovision

Outras cores também fazem parte da paleta de Larraín e Armstrong, e servem para que o espectador mais atento consiga decifrar uma personagem que busca uma forma libertária de relacionamento envolvendo várias pessoas que se amam. O vermelho, por exemplo, é usado nos momentos de tensão, de destruição, ou, do contrário, nos de criação, como nas apresentações onde Ema dança à frente de um vídeo do sol projetado em detalhes. O sol criador e destruidor – já que seus raios são essenciais para a vida, mas que também podem destruí-la – é a representação dessa mulher vagando entre a culpa e o amor. Essa projeção ainda muda a tonalidade de cor do sol, deixando-o totalmente azul, quando Ema se sente rodeada de cumplicidade e liberdade na dança com seus amigos, ou quando dorme com vários de seus amantes. A maquiagem, o figurino e os cenários são outros que ganham um colorido intenso e que envolvem Ema durante a execução de sua arte, bem diferente do tom apagado e triste da escola onde ela dá aula e é hostilizada pelos colegas professores.

Ema” segue em suas quase duas horas de duração apresentando uma explosão visual e estética, principalmente para falar sobre relacionamentos a partir da ótica fora do comum de uma personagem que tem a verdadeira marca feminina impressa em si. Ou seja, a marca da liberdade para ser ou não ser mãe, para fazer sexo e se apaixonar com e por quem ela quiser, independente do gênero, sem qualquer amarra. Tudo cabe unicamente a Ema e a todas as outras mulheres representadas lindamente por ela.

Vídeo e Imagens: Divulgação/Imovision

Advertisement. Scroll to continue reading.

Written By

Formou-se como cinéfilo garimpando pérolas nas saudosas videolocadoras. Atualmente, a videolocadora faz parte de seu quarto abarrotado de Blu-rays e Dvds. Talvez, um dia ele consiga ver sua própria cama.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Exibido na Seleção Oficial de Cannes 2020, “Slalom – Até O Limite” aborda de maneira sensível temas relacionados à saúde mental no esporte Um...

Crítica

O cinema independente norte-americano vem há anos entregando algumas obras que superam em muito as produções vindas da midiática Hollywood. Sem depender das regras...

Filmes

Todos os filmes ruins estrelados por Nicolas Cages durante a última década fizeram com que os cinéfilos e seus fãs esquecessem que ele é...

Filmes

Mark Wahlberg é a estrela de “Joe Bell”, filmes que passou pelo Festival de Cinema de Toronto, e que estreia em 23 de julho...

Advertisement