Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Meu Corpo é Político

Marginalizados, mas jamais invisíveis

A transexualidade entende-se pela condição onde o indivíduo possui uma identidade de gênero que se difere daquela que é designada em seu nascimento. Tentando simplificar, ela consiste em não se reconhecer com o corpo físico pelo qual nasceu. A partir disso, essas pessoas passam a lutar para se reconhecerem de maneira diferente a que lhes são impostas. É essa batalha diária, de afirmação e aceitação que “Meu Corpo é Político”, de Alice Riff,  expõe como longa documental.

No silêncio urbano da periferia de São Paulo, vemos o dia nascer. Com ele vamos conhecendo nossos protagonistas, sem que ressoem uma palavra sequer. O ponto inicial do filme não é apresentar diretamente seus personagens. O objetivo é trazer à tela o cotidiano rotineiro que qualquer pessoa, de qualquer cor, gênero, religião, sexualidade e etc, costuma ter. Ao todo, temos quatro protagonistas que conduzem a narrativa. Fernando Ribeiro é um homem trans que tentar ter sua identidade reconhecida pelo estado. Giu Nonato é uma mulher trans que entre suas atividades está a fotografia de nu artístico como empoderamento contra os padrões de beleza. Paula Beatriz é a primeira mulher trans a ser diretora de uma escola do estado de São Paulo. Linn Santos, conhecida como Mc Linn da Quebrada, uma cantora e performer queer.

Cientes e conscientes de seus corpos e ideologias pessoais, os três rostos “desconhecidos” se unem a Lin para ressoar a importância de suas presenças. Ao ler a frase anterior, pode até soar como um narcisismo, mas a proposta da produção é bem diferente e distante disso. De maneira naturalista, na maior parte da produção, vemos aqui o nascer de um longa sobre sororidade trans. Se analisarmos bem, são pouquíssimas produções de alcance que abordem tal tema. Seja na ficção ou nos documentários.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Com o argumento de Heverton Lima e roteiro e direção de Alice Riff, o longa se traduz mais em imagens do que em palavras. O fato de não colocarem seus protagonistas para dialogarem com a câmera já o faz ser interessante. Dessa maneira acompanhamos o cotidiano de cada um, fazendo que com eles nos conquistem numa relação interpessoal, onde somos meros observadores daquela verdade. Perceber a forma com que os terceiros, ao fundo, observam os corpos socialmente marginalizados, configuram com perfeição o título “Meu Corpo é Político”. O visível incomodo e/ou deslumbramento e até mesmo curiosidade em conhecer essas personas devido seus corpos propagam a verdadeira narrativa.

O documentário de fotografia naturalista e chapada feita por Vinícius Berger traz uma dialética interessante dentro da proposta. Contudo, ele se perde quando tenta ser didático. Embora pudesse vir a ser esclarecedor aos menos esclarecidos sobre os problemas sociais que interferem na vida de uma pessoa trans, ele o faz perder sua força. As cenas que eram para ser cotidianas, são realizadas dentro de um contexto que eles vivem e revivem todos os dias e ao trazê-los a tela faz sua autenticidade e veracidade, embora real, não tenha as emoções verossímeis.

Na produção também é possível enxergar uma proximidade estética para telefilme. O que não é negativo para ele, em específico. Pelo fato do projeto ter sido contemplado com recursos para a produção na chamada Pública BRDE/FSA – Prodav TVs Públicas, em 2014, lhe dão uma outra possibilidade de propagação. Contudo, ele tem uma estética e proposta bem diferente do programa “Liberdade de Gênero” exibido pelo canal GNT. Talvez isso faça com que a produção tenha seu próprio tom sobre a luta pela expressão como pessoa, artista e ativista. Outro paralelo comparativo com a produção é o excelente “Corpo Elétrico, de Marcelo Caetano, no qual Linn também faz parte. Assim como ele, “Meu Corpo é Político” é cativante por suas personas que se afirmam, que usam sua imagem para transgredir a sociedade, dentro de um cenário que marginalizado e periférico.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Ao final da sessão, além de uma ótima reflexão social, a produção ainda consegue nos deixar o desejo de ver mais. Tal fato pesa à ela de maneira positiva e negativa. Positiva por nos instigar a compreender e conhecer não só os protagonistas, mas as demais pessoas trans que nos passam despercebidas. E negativa, por, por exemplo, nos apresentar pouco sobre histórias tão cativantes, como a da Paula Beatriz, que podemos dizer ser a menos aproveitada. De qualquer forma, suas belas cores visuais e seu lirismo orgânico torna o longa mais uma produção necessária para exposição, debate e empoderamento.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Reader Rating0 Votes
0
7.5
Written By

Paulo Olivera é mineiro, Gypsy Lifestyle e nômade intelectual. Apaixonado pelas artes, Bombril na vida profissional e viciado em prazeres carnais e intelectuais inadequados para menores e/ou sem ensino médio completo.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Filmes

Longa de Gustavo Rosa de Moura ainda tem no elenco grandes nomes como Karine Teles, Mariana Lima, Du Moscovis e Jessica Ellen. Estreia 21 de julho nos...

Filmes

De 11 a 18 de maio o Cinesesc recebe a 10ª edição da Mostra Tiradentes | SP. Dentre os destaques, serão exibidos os filmes premiados...

Filmes

O serviço de streaming revela as primeiras imagens de séries e filmes e anuncia as próximas produções nacionais A Netflix entrou em 2022 com...

Crítica

A primeira adaptação da obra de Mauricio de Sousa em live-action com “Turma da Mônica: Laços” foi uma grata surpresa para os fãs dos...

Advertisement