Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Raya e o Último Dragão

Raya E O Último Dragão
Imagens e vídeo: Divulgação/Walt Disney Studios

É bom assistir uma história que independe de um lugar comum dentro do seu gênero para se mostrar relevante. No caso de “Raya e o Ultimo Dragão”, o incomum já começa pela divulgação do longa, bem menor do que poderia ser para algo de tão boa qualidade e, seguido disso, a sua história que, acompanhando tramas como “Moana” e “Frozen”, traz uma protagonismo feminino forte e independente. Além de conseguir trabalhar de forma boa um viés cultural implicado a história.

Para abordar os aspectos da produção, é preciso apresentar a premissa que se baseia na cultura do sudeste asiático. Na trama apresenta o mundo de fantasia de Kumandra, que é uma nação dividida após séculos de disputas pelo ultimo fragmento de magia de dragão. Dragões estes que deram sua própria vida para defender a humanidade de um mal que transformava todos em pedra. Mas, após ser traída, Raya, uma das protetoras do ultimo fragmento de magia de dragão vê o mal ser novamente liberto e voltando a assolar toda a nação. A partir desse momento ela precisa buscar esperança em uma lenda sobre o ultimo dragão que poderia ser a única salvação da humanidade, ou um motivo para a união da mesma.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Raya E O Último Dragão
Imagens e vídeo: Divulgação/Walt Disney Studios

O primeiro aspecto a ser notado no longa é claramente o cultural e, se há algo que costuma ser relevado atualmente é como produções americanas, principalmente da Disney, se apropria de histórias e culturas que não são suas para produzir longas estereotipados. Nota-se que em “Raya e o Ultimo Dragão”, há um esforço para ser respeitoso com a cultura ao mesmo tempo que não é forçado um estereotipo nos personagens, trazendo algo mais leve e bonito de se assistir.

Também temos uma animação visualmente muito interessante. Com muitos frames bonitos e que se apropria bem da história apresentada para trazer isso no aspecto visual.

Outro fato que não pode deixar de ser citado é o desenvolvimento da protagonista que ganha nuances bem interessantes e motivações fortes, algo que nem sempre vemos em uma animação. Assim como acontece com o desenvolvimento da antagonista, que na verdade, é apresentada, desde o início, como alguém que não é de todo mal e sim com bons ideais, mas que não toma atitudes corretas para alcança-los.

Raya e o Ultimo Dragão
Imagem: Divulgação/Walt Disney Studios

Em questão do roteiro, nota-se uma dose bem calculada de humor, drama e desenvolvimento dos personagens a partir do diálogo. E, no final, uma reviravolta na escolha do que ocorre pode surpreender o espectador.

Por fim, não podemos deixar de falar na mensagem que “Raya e o Último Dragão” traz. O filme consegue abordar de forma sensível o que pode provocar a ganância e a maldade humana, e como isso é prejudicial para aqueles que praticam o mal e os que estão a sua volta.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Então, para aqueles que estão buscando uma boa diversão para toda a família, além de um longa otimista e que passa um mensagem muito agradável, confira sem medo “Raya e o Último Dragão”.

Raya E O Último Dragão
Crítica: Raya e o Último Dragão
Sinopse
Há muito tempo, no mundo de fantasia de Kumandra, humanos e dragões viviam juntos em harmonia. Mas quando uma força maligna ameaçou a terra, os dragões se sacrificaram para salvar a humanidade. Agora, 500 anos depois, o mesmo mal voltou e cabe a uma guerreira solitária, Raya, rastrear o lendário último dragão para restaurar a terra despedaçada e seu povo dividido. No entanto, ao longo de sua jornada, ela aprenderá que será necessário mais do que um dragão para salvar o mundo – também será necessário confiança e trabalho em equipe.
Prós
História agradável
Boa abordagem da cultura asiática
Mensagem passada com clareza e de forma sensível
Animação com selo de qualidade Disney.
Contras
A antagonista é uma personagem tão interessante, que seria legal vê-la ainda mais na história.
4
Nota
Written By

Cursando Produção Cultural atualmente, sempre foi apaixonado por cinema e decidiu que de alguma forma trabalharia com isso. Tendo como inspiração Steven Spielberg e suas histórias que marcaram gerações, escreve, assiste, lê e aprende, para um dia produzir coisas tão grandes e que inspirem pessoas como um dia ele o inspirou.

2 Comments

2 Comments

  1. Pingback: "Wonka": Timothée Chalamet séra o jovem Willy Wonka | Woo! Magazine

  2. Pingback: Crítica: Luca | Woo! Magazine

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

A Disney dos anos 90 produziu animações que marcaram uma geração. Desde o final da década de 30 a Walt Disney Studios produz filmes...

Filmes

“My Little Pony : A New Generation” é o título oficial da nova versão da animação clássica Então, mais uma animação clássica ganhará uma versão...

Filmes

Rachel Zegler, de “Amor, Sublime Amor” será a protagonista do novo live-action de “Branca de Neve” A Walt Disney Studios está desenvolvendo o mais...

Advertisement