Se você pudesse ter um desejo qualquer seu realizado, o que escolheria? Mas, e se esse desejo custasse sua liberdade, você ainda realizaria o desejo? Difícil a escolha? Este é apenas um dos questionamentos que “Madoka Mágica” passa ao espectador durante toda obra. Durante os episódios, a história mostra que lutar como garotas mágicas contra o mal não é uma maravilha ou mesmo uma sequência de cores e coreografias a cada ataque. Apresenta que lutar contra qualquer traz prejuízos à mente e ao corpo. Logo, Madoka não é sobre garotas mágicas, não é sobre lutar contra o mal, não é sobre transformações, não é sobre amores da juventude. Madoka Mágica é sobre a vida, os medos da juventude, as escolhas e as perdas.

Antes, para poder entender o impacto que a obra trouxe nas produções dos animes, é preciso saber o que é o próprio gênero. “Mahou Shoujo Madoka Mágica” ou “Puella Magi Madoka Mágica” ou simplesmente “Garotas Mágicas“. “Madoka Mágica” é um anime do estilo Mahou Shoujo. Para quem não conhece, esse gênero é o mesmo de animes como “Sailor Moon”, “Sakura Card Captors”, “Corrector Yui”, entre outras, e consiste na história de garotas que ganham poderes e usam roupas diferentes para combater o mal. Neste tipo de anime, há alguns elementos que são bem comuns: as garotas são seguidas de criaturas fofinhas, se apaixonam por um cara e sempre fazem coreografias para se transformar ou usar uma técnica. Os cenários são sempre compostos de muita cor e o figurino é um diferencial. Os Mahou Shoujo são muito fáceis de serem identificados porque eles se parecem muito.

Sinopse

Um dia, a garota de 14 anos chamada Madoka Kaname tem um sonho onde vê uma garota lutando sozinha contra um monstro imenso em um mundo destruído. No dia seguinte, já na escola, ela descobre que a garota de seu sonho chamada Homura Akemi se transferiu para sua sala. Mais tarde, quando sai para fazer compras em um shopping com suas amigas, Madoka ouve uma voz pedindo socorro, e encontra Homura perseguindo uma pequena criatura chamada Kyubey. Madoka e sua amiga Sayaka Miki escapam levando Kyubey consigo, mas ficam presas em uma realidade paralela onde tudo é distorcido e monstros estranhos espreitam, mas são salvas por uma garota chamada Mami Tomoe.

Kyubey então explica a Madoka e a Sayaka que no mundo existem bruxas, criaturas horrendas e não humanas que comem humanos (tanto literal quanto figuramente) e influenciam pessoas a se suicidar e cometer assassinatos, dentre outras coisas. Kyubey então diz que realizará um desejo de Madoka e Sayaka, qualquer um, independentemente do que seja, desde que elas concordem em se tornar Puellae Magi e cacem as bruxas. Mas, nem tudo é o que parece ser…

Agora que você já sabe o que são os Mahou Shoujo e a sinopse do anime, vamos a alguns pontos que fazem Madoka quebrar esses esteriótipos. Nos dois primeiros episódios, a impressão que temos é que o anime é igual aos outros. Ocorre um conflito, as garotas encontram uma criatura mágica que pede a ajuda delas para resolver esse problema. A partir do terceiro episódio, um fato começa a romper todos padrões de Mahou Shoujo. E é neste ponto que a Madoka começa a se diferenciar. O anime se passa basicamente à noite. São poucas as cenas que ocorrem ao dia. As partes matutinas são dedicadas a ida das garotas a escola e algumas conversas em família. Contudo, o desenvolvimento da história acontece no período noturno.

As bruxas, as inimigas do anime, atacam do anoitecer até a madrugada. Com isso, toda a narrativa construída fica mais sombria e fria. As milhares de cores que costumam estar presentes nos clássicos do gênero, agora aparecem apenas nas roupas e nos cabelos das personagens. O restante fica em cinza, azul marinho e preto.

Os cenários que parecem sair de filme de terror ajudam a ilustrar os complexos que as personagens vivem em seu dia a dia. Madoka, nossa heroína, não se considera boa em nada e vê todos os dias sua mãe trabalhar em um emprego que não gosta, sem muitas oportunidades de progredir, e por diversas vezes chegando embriagada em casa. Sayaka, a melhor amiga da principal, é apaixonada por seu amigo de infância, que é violinista, mas que acabou perdendo parte dos movimentos das mãos, não o permitindo tocar mais. Homura, a jovem de cabelos negros e olhar rebelde, tem um conflito que move a história. Mas falaremos dela mais tarde.
As personagens caracterizam bem uma parte da juventude. Elas sofrem pelos problemas familiares e pelas relações sociais, vivem numa sociedade que cobra muito a excelência dos jovens em tudo. É a pressão para descobrir o mais rápido possível qual é o talento que vai construir sua vida profissional e todos esses medos ficam muito bem caracterizados quando passamos a entender o que são as bruxas.

As grandes vilãs do anime não têm uma forma específica, pois, quando aparecem elas são vistas com formas pitorescas, como se fosse um grande livro de recortes, auxiliado por imagens que assemelham a obras expressionistas. E o mais interessante dessa bizarrice, é observar o que os desenhos que aparecem quando as bruxas surgem representam.

Esses desenhos são símbolos da infância, como ursos e carrosséis, computadores, paisagens, tudo o que está na experiência de vida dos jovens no período de transição entre a infância e a juventude. As bruxas tem um objetivo: criar caos e levar as pessoas a morte. Elas trabalham provocando os humanos a se suicidar, por exemplo. Isso numa sociedade como a japonesa que tem a maior taxa de suicídio do mundo. Estima-se que a cada 20 minutos uma pessoa se mata no Japão.

Uma das cenas mais fortes do anime é quando uma bruxa possui um grupo de pessoas e os manipula para cometerem um suicídio coletivo. Algo que parece estranho, mas que é mais comum do que parece, sendo apenas mais um tapa que Madoka dá na cara da sociedade.

Madoka e Evangelion

“Madoka Mágica” é para os Mahou Shoujo o que Evangelion foi para os Shounen. A obra marca uma ruptura nos padrões já conhecidos do gênero. Em Evangelion, o esteriótipos do personagem principal corajoso, valente e destemido, que luta contra o mal em prol de um objetivo é totalmente desmontado por um personagem fraco, sensível, que tem problemas psicológicos causados por uma família que praticamente não existe, auxiliado por um mundo pós apocalíptico. Em Madoka acontece a mesma coisa. Como dito anteriormente, é um modelo que é totalmente quebrado, sem os clichês clássicos do gênero. São dois animes que deixam de lado a fantasia e a não veracidade que alguns personagens passam para, enfim, transformar os protagonistas em seres humanos e não em super heróis. Em ambas as histórias, o contexto social e psicológico dos mocinhos é muito mais importante do que o enredo da história em si. Isso os torna um diferencial em comparação a boa parte das obras que são comercializadas.

  • Alerta: esta última parte contém spoilers!

Homura e Okabe

Dos personagens principais faltou um que vale muito ser destacado. Alguns dizem que Madoka é a principal da história; outros atribuem a Homura esse papel. Bem, e porque disso? Ao final da história, descobrimos qual o segredo da personagem. Ela é séria e muitas vezes insensível. Entretanto, tudo não passa de um disfarce. Homura é uma jovem doce, que acabou se tornando uma garota mágica para salvar Madoka. Como assim? A jovem na verdade é do futuro e pediu como desejo o poder de voltar no tempo e proteger Madoka. Com isso, ela volta muitas vezes ao tempo para salvar Madoka da morte. Mas cada tentativa é uma falha. Essa história é a mesma de Okabe, de Stein’s Gate, que volta no tempo diversas vezes para tentar impedir a morte de sua amiga Mayuri. A cada viagem de ambos os personagens, com tentativas frustradas, mais angustiante e dolorosa se torna a história. Até chegar ao ponto em que ambos os personagens se conformam com a morte das personagens. Ao contrário do final de Stein’s Gate, em Madoka a grande lição que fica é que não somos capazes de alterar a dor de uma perda, mas que o mais importante é carregar as lembranças daquilo se foi vivido. Essa é a única forma de uma pessoa se tornar eterna.

Madoka Mágica” é um ponto fora da curva que faz com que possamos refletir sobre nós mesmos e em como estamos carregando nossas vidas. O anime está disponível na Netflix e ainda conta com 3 filmes até o momento.