14 de dezembro de 2019

capa

Desde o surgimento do Mundo, acredita-se que o homem evoluiu lutando com as próprias mãos, matando seus adversários para conquistar o seu próprio alimento, uma terra e com o passar do tempo, essa prática chamada guerra foi se aperfeiçoando, foram surgindo as armas de fogo, as bombas, enfrentamos a primeira e a segunda guerra Mundial e muitas outras. Na maioria dos Países, foi-se criando uma cultura bastante perversa, onde se gera muitos assaltos com armas, tráficos, comunidades trocam tiros e se fazem vítimas em busca do prol de cada uma. Em algumas situações, assassinos de aluguel são contratados para resolverem problemas para determinadas pessoas, impedindo a vida de qualquer um que possa atrapalhar seus clientes.

Assassino à preço fixo 2“, que estreou nos cinemas de todo o Brasil, embora seja um filme de ação aborda um pouco de tudo isso e, de certa forma, pode ser encarado como uma crítica a sociedade, onde todas as questões são resolvidas a base da violência e matando o próximo. O Filme retrata a história de um homem, Arthur Bishop (Jasom Statham), um assassino profissional que se apaixona por Jina (Jessica Alba), uma mulher envolvida em projetos com crianças na África. A personagem é levada pela gangue do inimigo Crain (Sam Stevens) que busca incentivar Bishop a matar três homens, em lugares quase impossíveis de entrar.

O filme possui uma produção de qualidade, que soube explorar cada um dos cenários utilizados para realização do filme. Se iniciando na Cidade do Rio de Janeiro, com muitos dublês e coreografias de lutas, as cenas são intensas e muito bem trabalhadas.14689260_1598295963798145_256258065_oPhilip Shelb e Lewys John Carlino, autores do filme, escreveram um roteiro pautado na ação contínua. Entretanto, em determinado momento, eles tentam criar uma relação entre os personagens, optando por uma longa pausa, e isso acaba causando uma barriga no enredo que foge da intenção primária. Durante a pausa, o interessante fica por conta das lindas paisagens que se sobressaíram com o bom trabalho fotografia. Essa também soube explorar o lado psicológico das cenas, principalmente no momento que o personagem se encontra em uma Ilha na Tailândia.

O Diretor Dennis Gansel, faz um trabalho razoável para um filme de ação, o que acaba sendo bastante divertido para os fãs. Os planos usados nas coreografias de luta estão muito bem feitas, com alguns truques de filmagens muito bem elaborados capazes de tirar o fôlego. Tanto os roteiristas, quanto o diretor souberam levar o segundo filme sem precisar que o espectador veja o primeiro.

 O Ator Jason Statham se destaca no filme, com a sua performance infalível e o famoso “mocinho que nunca morre”, deslumbra uma mistura de charme e beleza, e uma interpretação à altura do filme. Ao mesmo tempo que interpreta um assassino profissional, ele consegue mostrar o lado humano com sua paixão por Jina. Já Jéssica Alba, não foge muito dos seus últimos trabalhos.

O figurino e a direção de arte condizem bastante a produção, mostrando a diferença que existe entre as locações. Já a trilha sonora de Black Pistol Fire (Suffication Blues), acaba dando um toque todo especial ao filme.

Considerando os últimos filmes de ação, algumas vezes chatos e cansativos, por terem cenas repetitivas e muito fora da realidade, “Assassino à preço fixo 2” é um boa produção e capaz de divertir.

Por Marina Andrade

Show Full Content
Previous O Lento Sussurrar das Árvores
Next Crítica: Terra Estranha

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

NEXT STORY

Close

Crítica: Big Little Lies

11 de abril de 2017
Close