O CCBB junto a Companhia Ensaio Aberto oferece até o dia 19 de setembro ciclo de leituras, seminários, palestras, mesa de debates, performances, exibição de filmes e documentários sobre a obra do dramaturgo alemão Bertolt Brecht.

Representante de um teatro chamado dialético e de uma técnica muitas vezes chamada de didática, pois favorece a compreensão do espectador esclarecendo o que é real e o que é ficcional, o momento atual em que nos encontramos reforça a necessidade de revermos Brecht ou para os que o desconhecem descobrirem o teatro épico brechtiano (adjetivo derivado do nome do dramaturgo).

A crítica ao capitalismo sempre esteve presente na analogia que ele fazia entre a encenação e a vida social. Não deixou o palco italiano, porém o reformulou quando questionava o teatro ilusório. Ele queria que todos estivessem cientes do funcionamento do mesmo. Ora, no mundo contemporâneo onde assistimos frequentemente ao cidadão comum descobrir-se artista e fazer valer a sua arte fora ou dentro dos meios de comunicação de massa só amplia esse questionamento do “Por que se faz arte e para quem”?

Sua arte se opunha ao modo de produção alienante e denunciava a dispersão do indivíduo inserido nesse trabalho que o levava para longe de seus ideais mais nobres.

Se a questão central pedagógica deste teatro não se insere no atual contexto sócio-político onde a crise do sistema econômico mundial nos faz rever conceitos e modos de vida realmente não sei qual poderia se encaixar. Portanto, se eu fosse você, correria para o CCBB. As senhas, como de praxe, são distribuídas 1 hora antes de cada atividade.

“Uma coisa fica, porém, desde já, fora de dúvida: só poderemos descrever o mundo atual para o homem atual, na medida em que o descrevermos como um mundo passível de modificação.” (Bertolt Brecht)


Por Susana Savedra