Connect with us

Hi, what are you looking for?

Espetáculos

Coletivo Mandíbula estreia o espetáculo infanto-juvenil “Enquanto Borbulha” no Rio

Enquanto Borbulha
Imagem: Divulgação/Coletivo Mandíbula

Unindo teatro e dança, peça tem apresentações dias 11 e 12 de junho no Teatro Glaucio Gil, em Copabacabana.

O que vem primeiro: o ovo ou galinha? Quando eu piso no chão, ele me pisa também? Somos planetas, pessoas ou apenas um grãozinho de terra? Desde que o mundo é mundo questionamos sobre as coisas e o que nos cerca. “Enquanto Borbulha” parte dessa inquietação inerente ao ser humano para propor uma reflexão sobre como a imaginação, as palavras e as invenções definem a relação do indivíduo com a sociedade e o meio ambiente em que está inserido.

Leia mais: “Gengibre” É Um Novo Formato De Stand Up Comedy Na Cidade

Encenado e dirigido por Laura Samy e Miwa Yanagizawa (diretora assistente), ambas com significativas experiências na dança e no teatro, respectivamente, o espetáculo estreia dias 11 e 12 de junho, com sessões duplas (às 11h e 17H), no Teatro Gláucio Gil, em Copacabana. Este é o primeiro projeto do Coletivo Mandíbula, que inclui ainda a dramaturga Clarice Lissovsky, o diretor musical Rodrigo Maré, a iluminadora Lara Cunha, além da participação do dançarino Bruno Duarte como artista convidado.

Advertisement. Scroll to continue reading.

A história se desenrola através de perguntas, anedotas e experimentos. Começa a partir da conversa de três cientistas que realizam experiências no interior de um laboratório enquanto falam sobre algumas lembranças e motivações que os trouxeram até ali e os conhecimentos adquiridos durante o processo de pesquisa na vida de cada um. Assim como as crianças, os personagens questionam sobre o movimento das coisas e embarcam em um universo onde uma experiência leva a outra, um gesto leva ao outro, numa teia de caminhos tão rica quanto a criatividade infantil e tão certeira quanto o conhecimento científico.

Enquanto Borbulha
Imagem: Divulgação/Coletivo Mandíbula

Ao longo do espetáculo, os atores encarnam figuras variadas e reaparecem como moléculas, sapos, escavadores, deuses… A construção gestual e o constante jogo com as palavras faz dançarem também os seus sentidos. “Criamos imagens que se formam e se desmancham coreograficamente. É uma peça para rir, se emocionar e principalmente, para deixar o imaginário borbulhar”, reflete Miwa Yanagisawa.

Misturando literatura, teatro, música, dança, tradição e atualidade, o espetáculo é uma forma de aproximar as crianças e adolescentes do universo da ciência e da exploração, já que cada um tem dentro de si um cientista, e todo cientista carrega ainda dentro de si, uma criança.

“Nosso interesse é incitar qualquer pessoa a querer desbravar o mundo, a querer destrinchar as coisas e, quem sabe, poder pensar que há possibilidade de tocar nesse mundo e criar novos afetos e sentidos para uma paisagem que parecia, ao olhar distraído, inalterável”, mexer nas coisas por dentro e, quem sabe, poder pensar que existe a possibilidade de tocar nesse mundo…de criar afetos e sentidos frente a uma paisagem que parece, a um olhar distraído, inalterável”.explica Laura Samy

Para o grupo, o projeto, que já estava em andamento antes da Pandemia, chega num momento em que é preciso reforçar ainda mais a importância da ciência em seus princípios básicos de estudo e conhecimento técnico, dada a responsabilidade que hoje recai sobre ela. Lembrar que a ciência dialoga com um quadro social vivo, que existe no presente e que necessita com urgência de cuidados e transformações, entendendo junto disso a necessidade de um bem-estar social da população como um todo. “Queremos instigar as crianças, adolescentes e adultos a não tirarem da bagagem o dom desbravador, pois é na fagulha da imaginação que nascem as experimentações científicas e o desejo de investigar os fenômenos presentes no mundo”, diz Clarice Lissovsky.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Ficha Técnica

Atuação/criação: Laura Samy, Miwa Yanagizawa e Bruno Duarte
Direção: Laura Samy
Diretora assistente: Miwa Yanagizawa
Dramaturgia: Clarice Lissovsky, Laura Samy e Miwa Yanagizawa Iluminação e gambiarras de luz: Lara Cunha
Trilha sonora original: Rodrigo Maré
Figurino: Raquel Theo
Direção de Produção: Silvio Batistela e Sérgio Saboya
Idealização e Coordenação: Coletivo Mandíbula

Serviço:

Data: 11 e 12 de junho
Hora: Sábado e domingo às 11h e às 17h.
Local: Teatro Glaucio Gil – Praça Cardeal Arcoverde, s/n – Copacabana, Rio de Janeiro. Contato: (21) 2332-7904.
Preço: R$30,00(inteira); R$15,00(meia-entrada); R$5,00 para alunos da rede pública de ensino.
Capacidade: 101 lugares.
Faixa Etária: Livre.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

1 Comment

1 Comment

  1. Pingback: Conheça os indicados no 16º Prêmio APTR de Teatro - Woo! Magazine

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Crítica de Teatro

A interseção entre arte e ciência se faz cada vez mais necessária no cenário atual de fake news e tentativas de descrédito. E “Enquanto...

Espetáculos

Acabou o carnaval na cidade maravilhosa, mas não é motivo pra tristeza porque o ano começou e o cenário cultural está cheio de estreias...

Crítica de Teatro

Após grande sucesso nos últimos anos, o espetáculo “O Mágico de OZ, uma aventura em busca do sonho” volta aos palcos do Teatro Vannucci...

Crítica de Teatro

O que acontece quando um pai, cansado dos padrões Disney, decide criar uma decoração toda especial para o aniversário de sua filha? Pois foi...

Advertisement