Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: A Chance de Fahim

Imagem: Divulgação/Imovision

Imagem: Divulgação/Imovision

Filmes ao estilo “sessão da tarde” são aqueles com histórias simples, leves e otimistas. Quase sempre envolvem crianças, cachorros e algum tipo de superação. Bem, dentre esses três elementos, “A Chance de Fahim” só não possui um cachorro, já que o personagem do título, interpretado por Assad Ahmed, é um garoto indiano que vai à França para fugir de uma guerra civil e para entrar na escola do mestre de xadrez Sylvain Charpentier (Gérard Depardieu). Fahim é um talento dos tabuleiros e espera competir o campeonato nacional francês. As barreiras culturais e a dificuldade do pai do garoto em conseguir asilo aparecem como obstáculos nessa jornada.

Baseado em fatos, a obra de Pierre-François Martin-Laval não sai do habitual ao apresentar uma trama previsível e que não gera grandes emoções. Os seus melhores momentos acontecem durante as aulas ministradas por um rabugento Charpentier, que trata seus alunos como se fossem cadetes em um exército infantil. Alunos esses, inclusive, que são adoráveis, já que ganham as interpretações de atores carismáticos. Um acerto, assim servem de contraponto ao arrogante Fahim, e seu complexo de superioridade que pode irritar em algumas ocasiões. Claro, se trata de uma criança, por isso o sentimento de pena e de solidariedade acabam se sobrepondo a qualquer outro.

Não poderia ser diferente, afinal o garoto sofre um bocado. São tantas adversidades que, se não fosse baseado em uma história real, o roteiro, escrito pelo próprio Martin-Laval, poderia soar exagerado ao tentar impedir através de subterfúgios que o protagonista alcance seus objetivos. Mesmo as suas vitórias, na vida e no jogo, podem gerar a pergunta: será que tudo o que está sendo mostrado realmente ocorreu? Parece muito mais com as reviravoltas e resoluções da ficção. Até a crise de imigração enfrentada pela França parece suavizada, mas isso pode ser explicado pela época que se passa a trama: o distante e um pouco mais amigável ano 2000.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Imagem: Divulgação/Imovision

Por isso, nada em “A Chance de Fahim” é grave. O tom otimista impera mesmo quando os “vilões” parecem ter saído vencedores. Claro, em tempos de desespero como os vividos hoje em dia, nada como um afago acalentador, o problema é a forma como o filme é conduzido nesse sentido. A estética televisiva empregada pela fotografia de Régis Blondeau atrapalha a imersão do espectador, enfraquecendo a ligação emocional com os personagens. Infelizmente, uma história tão interessante perde a força por causa das escolhas cinematográficas feitas pelos cineastas.

As atuações simplórias completam o pacote de uma obra que logo cairá no esquecimento. Uma pena, já que poderia servir como crítica de uma sociedade onde a cor da pele e o local de nascimento se tornam primordiais para o sucesso de uma pessoa.

Vídeo e Imagens: Divulgação/Imovision

Advertisement. Scroll to continue reading.

Written By

Formou-se como cinéfilo garimpando pérolas nas saudosas videolocadoras. Atualmente, a videolocadora faz parte de seu quarto abarrotado de Blu-rays e Dvds. Talvez, um dia ele consiga ver sua própria cama.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Filme é continuação do sucesso acima do esperado de 2018 A Sony Pictures Brasil acaba de divulgar que Venom: Tempo de Carnificina teve sua estreia antecipada nos cinemas...

Filmes

Morreu em Paris, aos 88 anos de idade, Jean-Paul Belmondo, um dos ícones do cinema francês. Quem deu a notícia foi o advogado do...

Filmes

A Warner Bros anunciou o adiamento de “Duna” para 1º de outubro de 2021 nos EUA. Anteriormente, a estreia do filme estava marcada para...

Crítica

Nada melhor que ficar junto da família. É nela que se encontra a força para superar as adversidades. Por outro lado, sem ela, a...

Advertisement