Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: A Luz no Fim do Mundo

Imagem: Divulgação/Imagem Filmes

Quando “The Last of Us” foi lançado, em 2013, houve uma grande revolução no mundo dos vídeo-games. Nada ali era necessariamente inovador, já que todas as ideias apresentadas eram recicladas, mas a forma com a qual apareciam mexeu com o público e com a crítica. É preciso dizer que esse estréia não afetou somente o mundo dos games, uma vez que acabou sendo refletida também em quadrinhos e no cinema. Afinal, a relação de um adulto com uma criança em mundo pós-apocalíptico não era novidade para ninguém, mas a forma com a qual ela se desenrolava com o tempo era envolvente e muito real para quem interagia com ela. Esse é o cerne que “A Luz no Fim do Mundo” tenta alcançar, dentro do contexto que propõe.

A relação entre Rag (Anna Pniowsky) e seu pai (Casey Affleck) é comovente e isso se dá muito por conta da premissa inicial do longa, já que a menina é uma das últimas mulheres existentes no mundo. Premissa interessante e que faz com que existam dinâmicas que até recorrem aos clichês, porém que possuem seus diferenciais. Dessa forma, o senso de urgência que dá o tom do filme juntamente com a necessidade da menina de esconder seu gênero biológico são fatores bem utilizados aqui. Ainda nesse sentido, o fato de não sabermos exatamente o que ocorreu durante a pandemia anterior aos eventos do filme deixa o tom mais misterioso e intrigante, permitindo ao espectador elaborar hipóteses para as lacunas presentes. Por outro lado, alguns flashbacks são usados de modo bastante preguiçoso, elucidando momentos e passagens que não acrescentam muito para a produção. Só tornam tudo mais didático e mais óbvio, o que poderia facilmente ter sido poupado pelo roteiro e pela montagem.

Advertisement. Scroll to continue reading.

E, por conta disso, é nos momentos mais intimistas que “A Luz no Fim do Mundo” brilha. Os questionamentos incitados pela menina Rag são ótimos, repletos de ingenuidade e curiosidade, tentando compreender o incompreensível mundo ao seu redor. A partir do momento em que essa dinâmica é estabelecida, junto a seu pai, as cenas tensas se tornam ainda mais intensas, mesmo que não existam em grande quantidade. São sequências que dão cara mais comercial e blockbuster para a obra, mas que funcionam bem. Melhor do que elas, apenas, são as expectativas subvertidas que ocorrem eventualmente, na qual a tensão não leva a nada ou não recompensa o espetador como ele espera.

No mais, a ambientação e os figurinos dão conta de criar um mundo verossímil sem grandes romantizações. Os tons de cores são quase sempre desbotados e acinzentados, mostrando como tudo é muito sem esperança e sem alegria durante a projeção. Nesse aspecto, há forte contraste entre o que é apresentados a nós pelos flashbacks e os momentos presentes, inclusive nas maquiagens e caracterizações de personagens. isso fica evidente pelo filtro alaranjado e amarelado das cenas do passado, bem como na figura atuada por Casey Affleck.

“A Luz no Fim do Mundo” não é revolucionário e nem pretende ser. Cresce nos momentos mais tenros e intimistas, sabendo também dosar suspense e ação na medida correta, sem que haja tom esquizofrênico na obra. Dentre uma série de dispensáveis filmes pós-catástrofe, é uma opção que se faz um pouco mais memorável e notável.

Advertisement. Scroll to continue reading.


Imagens e Vídeo: Divulgação/Imagem Filmes

Advertisement. Scroll to continue reading.
Reader Rating1 Vote
8.3
7.5
Written By

Ser envolto em camadas de sarcasmo e crises existenciais. Desde 1997 tentando entender o mundo que o cerca,e falhando nisso cada vez mais.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Crítica

Este texto possui Spoilers do filme Edgar Wright vem encantando os cinéfilos mais pops desde seu “Todo Mundo Quase Morto”, uma comédia sobre zumbis...

Filmes

Papo acontecerá dentro da 16ª Edição do Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro As Lives de Cinema do Projeto de Extensão Aruandando no Campus estão...

Crítica

Antes da estreia, “Mulher-Maravilha” (de 2017) era um filme recheado de desconfianças. Despois do Universo Estendido da DC  (DCEU) ter fracassado, aquele longa chegava...

Filmes

Durante a CCXP Worlds houve painéis sobre séries de TV, quadrinhos, novelas e cinema. Especificamente falando dos filmes, todos os dias algum ator ou...

Advertisement