Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica de Teatro

Crítica: A Mentira

A Mentira
Imagem: Divulgação/Teatro Claro Rio

Em tempos de fake news, nada melhor do que explorar com muita comédia o papel da mentira nas relações amorosas e pessoais, como faz o texto do dramaturgo francês Florian Zeller para a peça “A Mentira”, que retorna ao circuito carioca no Teatro Claro Rio após fazer sucesso em 2019. O texto é leve e não muito inovador, contudo, o jogo dos atores em cena valoriza a comédia arrancando muitas gargalhadas da plateia. Confira a crítica do espetáculo:

Leia também: Crítica: Enquanto Borbulha

Nos casamentos, uma das promessas é ser fiel em qualquer circunstância da vida a dois. Porém, sabemos bem que nem sempre é possível dizer a verdade a todo tempo na vida em sociedade. Logo no início, Alice (Danielle Winits) tenta desesperadamente que o marido Paulo (Miguel Falabella) invente uma desculpa para cancelar o jantar com o casal de amigos Laura (Alessandra Verney) e Michel (Frederico Reuter). Já nesse início, uma sucessão de mentiras tenta entrar em cena, até que finalmente aparece uma verdade. Alice revela querer cancelar o jantar por ter flagrado Michel com outra mulher num shopping. Paulo fica pouco surpreso, o que a faz achar que ele já sabia.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Quando o jantar começa, vemos em cena quatro atores em grande forma. O destaque absoluto é, sem dúvidas, o veterano Miguel Falabella (que também assina a direção e a adaptação do texto). A cada expressão do ator você acredita naquilo que ele quer passar, e quase se oferece para tomar uma taça de Château Babie com ele. Daniele Winits deixa claro que nasceu para a comédia, como uma mulher irritada que busca a todo tempo contar a verdade. Alessandra Verney e Frederico Reuter completam o time fazendo um bom trabalho diante do que foi reservado a eles.

A Mentira
Imagem: Divulgação/Teatro Claro Rio

O texto não escapa de alguns clichês do jogo verdade-mentira nas relações amorosas. Está lá Paulo, que defende que a mentira pode ser uma delicadeza em alguns momentos, e cabe a Alice fazer o contraponto a isso a todo o momento. Além disso, aparece brevemente a tal cumplicidade masculina quando o assunto é traição. Como ponto positivo, vale dizer que a peça é muito mais sobre nossas atitudes diante da verdade e da mentira, o que é bem melhor do que se posicionar em defesa de uma ou outra.

A cenografia também merece destaque por apresentar uma bem montada sala de estar onde a maior parte dos eventos acontece, mas não se limita a isso. As portas realmente levam a outros ambientes e garantem o dinamismo em cena, principalmente quando Paulo e Alice brigam e se dividem entre quarto e sala. Após a cortina se fechar, os atores retornam revelando os bastidores de alguns momentos do jantar, onde aparece também a cozinha do apartamento. A cena é divertida e pode agradar aqueles que preferem sair de um espetáculo com tudo resolvido. Contudo, pode desagradar aqueles que preferem algum espaço para imaginação.

Por fim, elogiar o trabalho de direção de Falabella é um tanto quanto redundante, que já amplamente reconhecido no teatro. Em “A Mentira”, o ator e diretor se destaca por imprimir um ritmo que ressalta a química do elenco em cena, sem perder a leveza proposta pelo texto. Por fim, a peça é um entretenimento despretensioso, mas que pode render uma boa discussão para os casais sobre o bônus e o ônus da mentira ou da verdade.

Advertisement. Scroll to continue reading.

A Mentira
Crítica: A Mentira
Sinopse
Na história, Alice surpreende o marido de sua melhor amiga com outra mulher, criando, assim, um conflito para si: contar ou não à amiga o que viu? Seu marido, Paulo, tenta convencê-la a esconder a verdade, defendendo assim a mentira. É só para proteger seu amigo? Ou ele também tem algo a esconder?
Prós
Narrativa leve
Boas atuações, especialmente de Danielle Winits e Miguel Falabella
Cenografia garantindo o dinamismo em cena
Contras
O texto inova pouco na questão verdade-mentira em relacionamentos
O final é fechado, o que pode dividir o público
4.3
Nota
Written By

Bibliotecária, doutoranda em História das Ciências, e das Técnicas e Epistemologia. Apaixonada por cinema, séries e cultura em geral. Sem Os Goonies talvez não estivesse por aqui.

2 Comments

2 Comments

  1. Pingback: Peça "O Balcão", de Jean Genet, está em cartaz no Teatro Arena Sesc Copacabana - Woo! Magazine

  2. Pingback: Após sete anos em cartaz, espetáculo "Amanda" estreia no Rio de Janeiro - Woo! Magazine

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Filmes

Com lançamento previsto para junho, “Veneza” é estrelado pela espanhola Carmen Maura e traz ainda outros grandes nomes no elenco, como Dira Paes, Eduardo...

Crítica

Um dos maiores sucesso da década de 90, e até hoje lembrado como um dos melhores programas de humor da tv brasileira, “Sai de...

Filmes

É hora de reviver os domingos dos anos 90! Recentemente, estivemos presentes na pré estreia do filme “Sai de Baixo”, no Rio de Janeiro....

Espetáculos

Saindo do forno mais quatro audições incríveis para deixar os profissionais de artes cênicas cheios de alegria. Se você estava procurando mais oportunidades, essa...

Advertisement