Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica | Elas por Elas

“Elas por Elas” traz uma diversidade em seus sete contos, mostrando a realidade de mulheres estadunidenses, italianas, japonesas e indianas.

Imagem: Divulgação/A2 Filmes

“Elas por Elas” poderia ser fantástico, mas fica no meio do caminho

Filmes que possuem em sua fórmula diversos contos com personagens diferentes, mas que se conectam entre si, é sempre muito bem-vindo para diferenciar e chamar a atenção do público. “Relatos Selvagens” de 2014, dirigido por Damián Szifron, por exemplo, mistura suspense e tensão com um toque de comédia em suas narrativas.

Imagem: Divulgação/A2 Filmes

Diferente do argentino, Elas por Elas mostra diversas visões femininas na direção com contos produzidos e protagonizados por mulheres. Contos que se inspiram no dia a dia de uma mulher ou que são baseados em casos reais de superação. E, no papel, a ideia é ótima. Claro, é sempre bom quando essas histórias são contadas e feitas por uma mulher para uma outra mulher. Mas, infelizmente, o longa se perde com a falta de conexão das personagens com o público e histórias não tão interessantes, estas mesmo por falta de ligação com quem está assistindo.

Há uma diversidade em seus sete contos, mostrando a realidade de mulheres estadunidenses, italianas, japonesas e até indianas. Chega até ser alentador ver sete diretoras trabalhando em conjunto (Silvia Carobbio, Catherine Hardwicke, Taraji P. Henson, Mipo Oh, Lucía Puenzo, Maria Sole Tognazzi, Leena Yadav). Mas para ser animadora, as histórias precisam ser profundas, e somente duas delas foram.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Imagem: Divulgação/A2 Filmes

Na história “A week in my life” (Uma semana na minha vida), dirigido por Mipo Oh e protagonizado pela Anne Watanabe, o público acompanha uma mãe solteira que precisa conciliar o trabalho com as tarefas da casa e os cuidados dos seus dois filhos. É uma história comum, mas cansativa. Você se cansa por essa mãe. E o final até emociona já que mostra o carinho dos filhos pela sua mãe, mesmo quase não tendo tempo para lazer. Já a outra história se chama “Unspoken” (Tácito), pela diretora Maria Sole Tognazzi e interpretada pela Margherita Buy. O filme explica que o termo “tácito” é aquilo que se entende sem que seja preciso exprimir por palavras. Baseado em uma história real, esse conto narra uma vítima de violência doméstica. É forte, doloroso. Além de suas histórias, a parte técnica de “Elas por Elas” não tem nada de inovador. Não é cativante e nem deslumbrante. Não há muito o que falar. 

Leia também: Crítica de "Pedágio"

É triste que um filme dirigido por sete diretoras, com histórias sobre mulheres contadas por elas e para elas, seja tão raso. Poderia ser mais. Poderia inovar com esse formato de conto que já é promissor. Poderia trabalhar mais nos detalhes, na narrativa para que essa conexão chegue até o público feminino – e o público masculino, por quê não? Mas “Elas por Elas” fica no meio do caminho, carregando somente uma ideia boa que não teve uma execução tão boa assim. O filme até chegou a ser indicado ao Oscar 2023 de Melhor Canção Original por “Applause” de Diane Warren, que é uma música bonita diga-se de passagem. É uma pena.

Elas por Elas” terá mais uma sessão no Festival do Rio e será exibido nos cinemas brasileiros a partir do dia 19/12, com distribuição da A2 Filmes.

* “Elas Por Elas” foi visto durante o Festival do Rio 2023.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Video: Divulgação/A2 Filmes

Crítica | Elas por Elas
Sinopse
Este é um filme antológico composto por sete curtas cujo denominador comum é a representação de protagonistas femininas. Cada uma dessas mulheres, tão diferentes, enfrenta um desafio particular em sua vida com extrema determinação e coragem, que as tornam mais fortes e autoconscientes. Filmado em todo o mundo, é produzido em associação com a We Do It Together, uma produtora sem fins lucrativos cuja missão é contar histórias sobre mulheres, por mulheres. Indicado ao Oscar de Melhor Canção Original.
Prós
Direção e elenco todo feminino
Duas histórias interessantes
Contras
Maioria das histórias são raras e sem conexão
Roteiro fraco
Histórias bastante curtas
2.5
Nota
Written By

Carioca da gema, sou atriz, criadora de conteúdo e formada em Jornalismo. Sou apaixonada por cinema, teatro, música e futebol, principalmente pelo Botafogo.

1 Comment

1 Comment

  1. Pingback: Crítica | Pobres Criaturas - Woo! Magazine

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Entrevistas

Zeca Brito discute a relevância da diplomacia cultural dos artistas modernistas brasileiros na Segunda Guerra Mundial e seu documentário, destacando o impacto da cultura...

Entrevistas

Entrevistamos a atriz Priscila Lima, que estreou no Festival do Rio com o filme independente “Ana”, interpretando a protagonista. Priscila contou suas experiências em...

Entrevistas

Gustavo Luz fala sobre seus projetos na TV e no cinema Entrevistamos o ator Gustavo Luz, que fez sua estreia no Festival do Rio...

Colunas

Goretti Ribeiro | "O Cinema só dá certo se for no coletivo, todo mundo precisa vibrar na mesma intensidade."

Advertisement