Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Gilberto Gil Antologia Vol.1

Gilberto Gil é um dos maiores nomes da música popular brasileira e ninguém de bom senso há de negar tal afirmação. Não apenas reinventou o modo de compor, de se apresentar e de se posicionar enquanto artista, manteve forte relevância ao longo das décadas e sacramentou seu nome dentro os maiores do campo artístico dentro do Brasil. Mas como ele próprio enxerga sua produção? O que é que ele pensa sobre aquilo que criou no passado, com tanto tempo de distanciamento? “Gilberto Gil Antologia Vol.1” é um conciso documentário que trata dessas questões e que tem nelas seu ponto de partida.

Trata-se de um documentário que busca seu diálogo com aqueles que já possuem alguma familiaridade com a arte de Gilberto Gil, uma vez que o filme não procura ser didático em nenhum momento e não utiliza de exposição de conteúdo mais factual. É preciso ter alguma dimensão da trajetória daquele que é o protagonista já que fases como o exílio em Londres e a prisão pouco tempo depois da vinda do AI-5 são apenas mencionadas, com foco total na música e na produção artística. “Gilberto Gil Antologia Vol.1” não quer ser, em momento algum, documentário biográfico ou definitivo sobre sua figura central. A projeção, então, se mantém na figura do próprio Gil refletindo sobre sua carreira entre 1968 e 1987, o que sugere até certo caráter episódico para o longa. Todo tempo de projeção é dividido entre imagens de arquivos, sendo fotos ou vídeos, e Gilberto Gil da atualidade comentando sobre alguns momentos, épocas e canções mais específicos.

O trabalho de seleção de material do passado e de montagem dá conta da proposta da obra e consegue estabelecer muito bem o diálogo entre aquilo que é falado, comentado, e o que vai aparecer em tela para ilustrar esse momento. Também é interessante ao balancear com precisão aquele material mais conhecido do público, como a participação de Gil ao lado dos Mutantes no Festival da Canção da Record em 1967, com outros de menor popularidade, como outras apresentações fartamente registradas que o documentário usa com frequência. Por meio desse recurso, fica bem lúdico e claro aquilo que se quer passar através do discurso, sobretudo com a presença da música do início ao fim.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Por fim, é preciso ser dito que “Gilberto Gil Antologia Vol.1” pede continuações, que certamente virão. O recorte mais específico aqui escolhido deve ficar ainda mais interessante tendo um maior alcance da obra do artista sendo retratada em tela e prestarão também de homenagem para ele.

* Filme assistido durante o Festival do Rio 2019

Advertisement. Scroll to continue reading.

Imagens e Vídeo: Divulgação/Espiral

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Ser envolto em camadas de sarcasmo e crises existenciais. Desde 1997 tentando entender o mundo que o cerca,e falhando nisso cada vez mais.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

O Festival de Cannes 2021 começou oficialmente com a apresentação do Juri presidido pelo cineasta norte-americano Spike Lee — que também estampa o cartaz...

Filmes

A 1ª Mostra Embaúba Play trará mais de 80 produções entre longas, médias e curtas, sendo algumas totalmente inéditas Para comemorar seu lançamento, a...

Crítica

Paul Singer faleceu em abril de 2018, alguns meses antes de Jair Bolsonaro vencer as eleições e se tornar o trigésimo oitavo presidente do...

Advertisement