Connect with us

Hi, what are you looking for?

Reviews

Crítica: Heartstopper – 1ª temporada (Com Spoilers)

Com 100% de aprovação da crítica no Rotten Tomatoes, Heartstopper traz uma visão refrescante para os romances “coming-of-age” e levanta questões sobre conteúdo teen e representatividade LGBTQIA+.

A série acompanha Charlie Springs (Joe Locke) e Nick Nelson (Kit Connor) em suas vidas colegiais, relações com amigos e professores, sentimentos aflorando e seus medos. A premissa parece simples e batida no papel, mas, na prática, a série dá um giro de 180 graus e se transforma numa história apaixonante.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Imagem: Divulgação/ Netflix

Durante a série, temos Charlie como foco principal, jovem gay assumido, tentando sobreviver no colegial sem arrumar problemas para si, que acaba conhecendo Nick, jogador de rúgbi hétero com quem faz dupla em sua turma. Girando em torno dos dois e suas devidas histórias, Heartstopper perpassa por diversos arcos com outros personagens da trama, como, por exemplo, Elle (Yasmin Finney), Tao (William Gao) e Isaac (Tobey Donovan), amigos de Charlie.

Como de costume, adaptações não seguem estritamente a obra original da qual foram inspiradas (especialmente adaptações da Netflix), o que, de fato, acontece com Heartstopper. A adição de dois novos personagens, Isaac e Imogen (Rhea Norwood), e a exclusão de alguns personagens originais da trama causaram confusão sobre o rumo que a série tomaria.

Porém, nem tudo ficou pelo caminho. Essas decisões ajudaram a narrativa principal a ter uma melhor construção, arcos serem bem desenvolvidos e dar mais tempo para o espectador acompanhar as sutis transições de um arco para outro. 

Em contrapartida, a série peca ao adicionar um personagem que pouco adiciona na história e mal possui 10 falas ao longo da temporada. Isaac parecia ser uma boa escolha para substituir outro personagem, mas não foi bem o que rolou.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Baseada na webcomic homônima, a série trata de muitos tópicos sensíveis, não só sobre vida escolar, mas, também, sobre sexualidade, sentimentos e preconceito. Então, deixo um Aviso de Gatilho para homofobia, abusos, chantagem e bullying.

Heartstopper traz uma vasta representatividade queer em seus personagens e, ainda sim, nem todos foram explicitamente confirmados (ainda). Nesse sentido, muitas das cenas da série retratam a relação do jovem LGBTQIA+ com o mundo, especialmente sobre a importância de redes de apoio quando são enfrentadas por pessoas preconceituosas e não os entendem.

Algumas cenas, ainda que pesadas, tocam em assuntos importantes para esse grupo de forma leve e bem intencionada, respingando em uma crítica social sobre homofobia, lesbofobia, transfobia e apagamentos.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Por outro lado, existem cenas super relevantes, no sentido de “não há problema em estar confuso”, “não há problema buscar fontes para se entender”, “você pode se abrir com seus amigos”. Assim, o processo de descoberta da bissexualidade de Nick serve como um farol para jovens que podem estar a passar pela mesma situação.

Nick e Charlie brincando na neve.
Imagem: Divulgação/ Netflix

Leia mais: Porquê você deveria largar tudo e ver Heartstopper

Por fim, a série não reinventa a roda e traz aquele sabor doce de “tudo dá certo no final” com o casal Charlie e Nick se formando, porém dá uma repaginada no que conhecíamos do gênero (e da plataforma Netflix), trazendo um novo respiro de esperança para séries teen que, de fato, apresentam adolescentes que se parecem adolescentes, com problemas apropriados para suas idades e, de quebra, sem serem obcecados por sexo (Elite, estamos falando diretamente com você!).

Heartstopper é uma série bem leve e gostosa de assistir, sendo uma maratona super agradável de, no máximo, umas 4 horas. Já podem programar para o próximo fim de semana, pois a temporada completa de oito episódios já está disponível na Netflix.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Vídeo: Divulgação/ Netflix

Crítica: Heartstopper – 1ª temporada (Com Spoilers)
Sinopse
Nesta série sobre amadurecimento, os adolescentes Charlie e Nick descobrem que são mais que apenas amigos e precisam lidar com as dificuldades da vida escolar e amorosa.
Prós
Adaptação com poucas divergências da obra original.
Leveza ao abordar tópicos pesados.
Trilha sonora excepcional.
Representatividade queer.
Adolescentes agindo como adolescentes.
Contras
Adição de personagens irrelevantes para a narrativa principal.
Maior preocupação com o que a série pode vir a ser, do que com o que está sendo apresentado.
4.5
Nota
Written By

Artista Visual doido pra se formar e um completo reclamão. Personalidade criada a partir de romances clichês, musicais, reality shows e lendas do leste asiático. Se perguntarem, não fui eu!

3 Comments

3 Comments

  1. Pingback: Drama Pra Valer! - Doramas Que Valem Cada Lágrima - Woo! Magazine

  2. Pingback: 7 diferenças e curiosidades de Heartstopper e a Comic - Woo! Magazine

  3. Pingback: Yasmin Finney, de "Heartstopper", entra para o elenco de "Doctor Who" - Woo! Magazine

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Advertisement
Advertisement

Você também pode ler...

Filmes

Halftime terá exibição no Festival de Cinema de Tribeca em 8 de junho, e chega ao streaming logo depois “Eu vivia sob os olhos...

Listas

Confira a lista que a Woo! preparou de séries latinas e espanholas para você assistir e se apaixonar

Geek

É um fã curioso mas ainda não teve a oportunidade de se jogar nos quadrinhos da série? A Woo! fez uma lista com 7...

Séries/TV

A terceira temporada da aclamada antologia em animação “Love, Death & Robots” ganhou seu primeiro trailer. A temporada conta com 9 episódios, incluindo um...

Advertisement