Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Mademoiselle Paradis

“Ela não é bonita, mas toca bem”

Ainda antes dos créditos, a turbidez acompanha o som de piano. Em seguida, uma cartela anuncia a origem literária do argumento. Am Anfang war die Nacht Musik: no princípio, a noite era música. Segundo o poético título de Alissa Walser, o som precede a imagem – ou seja, já se ouvia mesmo antes de se ver. Essa perspectiva parece inverter-se na versão cinematográfica de Barbara Albert (“Os Mortos e os Vivos”). Licht, ou luz, nomeia seu mais novo filme – ideia ignorada pela tradução com a qual “Mademoiselle Paradis” chega ao Brasil.

Na primeira cena do longa-metragem, a personagem que lhe dá nome ocupa a totalidade do quadro. Caso assistisse no mudo, o espectador associaria as orgásticas contrações da atriz Maria Dragus (“A Fita Branca”) a algum tipo de atividade sexual. Trata-se, contudo, de um êxtase de outra ordem. A trilha sonora desvenda a prazerosa atividade em curso. Na verdade, Maria Theresia von Paradis toca o piano.

Enquanto se apresenta diante de um salão lotado, a jovem não atenta para os burburinhos. Sim, todos concordam quanto às habilidades como musicista. Alguns maldosos, porém, consideram sua beleza inversamente proporcional ao talento. Se dizem a verdade ou não, Theresia não tem como saber: durante os primeiros anos de vida, ela perdeu a visão. De todo modo, os comentários soam descabidos se confrontados com a aparência de Dragus. A despeito de sua ótima atuação, portanto, há algo de duvidoso na escolha da atriz.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Mais que elemento subjacente, a questão das aparências transpassa toda a narrativa. Nesse sentido, o roteiro parte do encontro entre “Resi” – carinhoso apelido da menina – e o médico Franz Anton Mesmer (Devid Striesow). Sua promessa de curar a cegueira, a princípio fantástica, oculta uma sombria demanda. Por trás das pretensas boas intenções, a nobre Maria Rosalia von Paradis (Katja Kolm) apenas não queria uma filha com olhos “feios”.O próprio terapeuta, por outro lado, apesar de beneficiar-se com o sucesso da experiência, verbaliza o seu desapreço pela visão. Em relação aos demais, esse sentido está mais afastado da verdade, ele comenta. Postura semelhante manifesta “Resi”. Quando consegue novamente enxergar, a jovem elogia a aparência de um excremento. Identificar nas fezes algo bonito significa, em última instância, contestar os ideais de beleza vigentes. Entende-se, assim, a opção pela cegueira: talvez seja a música, para aquela pianista, o acesso a uma certa transcendência, como bem traduz o plano inicial.

Considerada a proposta narrativa, retoma-se, agora, o título em alemão. Com Licht, Barbara Albert ignora um dos dois termos do audiovisual. O cinema, grande arte da luz e da sombra, é também a da sonoridade. Privilegiando a diegese do som e o convencionalismo das imagens – com a mencionada exceção dos esparsos planos turvos -, “Mademoiselle Paradis” pouco faz para lembrar esse duplo aspecto ao espectador. Resulta, enfim, em uma promissora porém decepcionante discussão: se, por um lado, enriquecida com competentes atuações, por outro, sabotada pela falta de ousadia estética.

* O filme estreia dia 2 de maio, quinta-feira.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Fotos e Vídeo: Divulgação/A2 Filmes

Reader Rating0 Votes
0
4.5
Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Carioca de 24 anos. Mestre em Comunicação e Bacharel em Cinema pela PUC-Rio.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Crítica

Não é de hoje que o cinema chileno vem chamando a atenção dos cinéfilos mundo afora. Para citar o sucesso mais recente, basta lembrar...

Crítica

A ideia de fazer um filme do subgênero de suspense policial, parte da premissa de que o longa trará surpresas e criará tensão escondendo...

Crítica

A dubiedade é o ponto mais interessante em “A Caça”, e sem dúvidas é por onde seu enredo gravita. Tal ambiguidade vai mostrando, inclusive, como...

Crítica

O filme “Tarde para Morrer Jovem” pode ser descrito basicamente como uma história pautada em um recorte de vida de uma comunidade chilena logo...

Advertisement

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.