Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica de Teatro

Crítica: O Balcão

O Balcão
Imagem: Divulgação/O Balcão

A peça “O Balcão” foi escrita em 1956 pelo controverso francês Jean Genet (1910-1986) e tem como ponto central a crítica às representações de quatro instituições de poder: a Igreja, a Justiça, a Força Militar e a Polícia. Na nova montagem dirigida por Renato Carrera, é impossível não traçar um paralelo entre a peça e essas instituições no contexto atual brasileiro, que atravessa mais um período de autoritarismo nas mãos da presidência de extrema direita.

Leia também: Peça “O Balcão”, de Jean Genet, Está em Cartaz no Teatro Arena Sesc Copacabana

O texto, que já é brilhante, fica ainda mais relevante pelas atualizações realizadas. A história se passa dentro do bordel de Irma (Carmen Frenzel), que podemos dizer, é um do tipo “exclusivo”, onde as mais sórdidas fantasias podem ser encenadas e realizadas. Já de início, fica explícito que aquilo que essas instituições deveriam combater, é o fetiche que dá prazer e justifica sua imagem e representação. O Bispo (Ricardo Lopes) se excita com o pecado, o Juiz (Alexandre Barros) com o crime e os criminosos que os confessam, o General (Ivson Rainero) com a guerra e a construção da imagem do herói. No Chefe de Polícia (José Karini) vemos claramente o culto à masculinidade que protege e salva as “famílias de bem”.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Irma faz de tudo para que o bordel seja um lugar seguro para as instituições de poder, enquanto do lado de fora uma revolução popular está prestes a invadir o lugar. Por analogia, Irma exerce seu poder se valendo da lógica capitalista de exploração, que reflete a alienação da elite e dessas próprias instituições diante do horror que é a realidade. Pouco importa o que acontece lá fora, se é possível lucrar com o prazer e a barbárie. Ignorando inclusive, que a revolução tem como importante figura Chantal (Yumo Apurinã), que foge do bordel em busca de libertação.

O Balcão
Imagem: Divulgação/O Balcão

Chantal é uma personagem fascinante, e que atualiza a obra para o nosso contexto. Ela carrega o corpo pintado indígena munido de um intenso corpo não-binário, que toca a nossa alma com os momentos mais humanos do espetáculos. É impossível não se emocionar no momento em que discursa trazendo dados sobre o extermínio da população indígena, LGBTQIAP+ e ainda a desvalorização e os ataques à classe artística. Cabe destacar ainda que a reconhecida atuação de Yumo Apurinã é muito especial, pois é austera e leve nos envolvendo com força e ternura.

“O Balcão” é uma peça extensa mas que prende o espectador graças ao excelente trabalho dos atores. As atuações são intensas, e certamente demandaram um extenso trabalho de preparação, considerando o dinamismo com que os atores ocupam o Teatro Arena Sesc Copacabana. A quase arena de luta entre os poderes é muito bem construída por Daniel. de Jesus, que ganha em densidade com o jogo de luz e sombra da iluminação de Renato Machado e Maurício Fuziyama. Nos figurinos de Maria Duarte, vemos as instituições representadas com imponência, enquanto que os rebeldes recebem uma estética da contracultura, com botas, jaquetas e máscaras de meia.

“O Balcão” é uma peça extensa e bastante densa que fala sobre os papeis e representações sociais que se inserem nos jogos de poder. Uma peça que chega no momento certo, onde a verdade e a mentira se tornam relativos em relação à imagem que se tem. Ao final do espetáculo de encenações no bordel, Irma encerra as atividades alertando que eles devem retornar para suas casas, onde tudo pode ser ainda mais falso que no bordel.

Advertisement. Scroll to continue reading.

O Balcão
Crítica: O Balcão
Sinopse
O Balcão, de Jean Genet, é ambientado em uma grande casa de prostituição de luxo frequentada por bispos, juízes, militares, policiais e políticos, servindo de metáfora para os bastidores da atual sociedade brasileira. Enquanto uma revolução ameaça tomar conta do reino, fregueses do bordel, o Grande Balcão, satisfazem suas mais secretas fantasias de sexo e poder, representando as figuras que compõem a mitologia da sociedade e que são responsáveis pela ordem estabelecida.
Prós
Ótimas atuações
O genial texto de Jean Genet ganhou atualizações importantes
O cenário e a iluminação tornam o espaço mais denso
Texto de alta relevância social
Contras
Não é exatamente um contra, mas a duração e a complexidade do texto podem incomodar o espectador despreparado
4.8
Nota
Written By

Bibliotecária, doutoranda em História das Ciências, e das Técnicas e Epistemologia. Apaixonada por cinema, séries e cultura em geral. Sem Os Goonies talvez não estivesse por aqui.

1 Comment

1 Comment

  1. Pingback: Peça "Tenho Quebrado Copos" fica em cartaz até 31 de agosto no Rio de Janeiro - Woo! Magazine

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Espetáculos

De 3 a 31 de agosto, as paredes do Teatro Municipal Café Pequeno, no Leblon, reverberarão a força do texto de uma das maiores...

Espetáculos

Sucesso de crítica, solo estrelado pela atriz mineira Rita Clemente, com texto de Jô Bilac, faz curta temporada no Centro Cultural Banco do Brasil...

Espetáculos

O que acontece quando nossas escolhas não saem como a gente imagina? Quando uma simples ação, como pegar um elevador, sai do controle, até...

Espetáculos

“O Balcão“, uma das obras-primas do brilhante e controverso francês Jean Genet (1910-1986), está em cartaz no Teatro Arena do Sesc Copacabana. É a...

Advertisement