Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: O Mundo Fora do Lugar

Direção perdida entre comédia e drama

“O Mundo Fora do Lugar”, escrito e dirigido pela alemã Margarethe von Trotta, é a história de uma família que tem seus segredos do passado revelados. O filme fica entre o drama e a comédia e talvez essa dualidade não tenha sido tão intencional assim. Von Trotta escolheu mostrar um drama intelectual de forma “light” e talvez tenha errado na mão. As talentosas atrizes Barbara Sukowa e Katja Riemann interpretam duas estranhas que possivelmente teriam algum parentesco.

Falar sobre relações entre irmãs parece ser o tema favorito da diretora já que ela vem explorando-o obsessivamente em seus filmes anteriores como “Die bleierne Zeit” e “Schwestern oder Die Balance des Glücks”. Em “O Mundo Fora do Lugar”, novamente, o foco central está entre duas irmãs: Sophie, uma cantora decadente vivida aqui por Riemann, e Caterina Fabiani, a famosa cantora de ópera, vivida por Sukowa. A história se passa entre Alemanha e Nova York e tudo começa quando o pai de Sophie fica misteriosamente nervoso depois de ver a foto da cantora de ópera. Ele convence a filha a viajar para Nova York e fazer contato com a artista. Sophie, atendendo ao desejo de seu pai, conhece a temperamental Caterina e a partir desse encontro começa a desvendar os segredos de seus pais. Assim, entre trancos e barrancos, a história começa a se desenrolar.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Ainda que o início do filme seja promissor, Margarethe von Trotta falha ao achar uma história que se sustente, apesar dos esforços do seu elenco experiente. Katja Riemann e Barbara Sukowa são duas grandes atrizes, porém seus talentos são dispersados na tela por uma direção perdida que tenta nos contar uma história, desvendando mistérios e segredos familiares para, no final, revelar algo ainda mais chocante. Porém, todos esses reencontros e o efeito de suas revelações sobre o passado não têm o resultado esperado.

A bela trilha sonora de Sven Rossenbach e Florian Van Volxem nos faz viajar entre o melhor da música clássica e do Jazz. Já Axel Block nos brinda com lindas imagens de Berlim e Nova York e passeia pela beleza das duas atrizes de meia-idade, a medida que consegue desvendar o lado humano das personagens em sua fotografia. Se o roteiro e a direção de Von Trotta se perdem no caminho entre comédia e o drama, a trilha e a fotografia porém salvam o filme e nos dão bons momentos em frente a tela, apesar de não serem suficientes para levar a obra.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Por Thiago Pach

Reader Rating1 Vote
6.8
5
Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Papo acontecerá dentro da 16ª Edição do Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro As Lives de Cinema do Projeto de Extensão Aruandando no Campus estão...

Crítica

Antes da estreia, “Mulher-Maravilha” (de 2017) era um filme recheado de desconfianças. Despois do Universo Estendido da DC  (DCEU) ter fracassado, aquele longa chegava...

Filmes

Durante a CCXP Worlds houve painéis sobre séries de TV, quadrinhos, novelas e cinema. Especificamente falando dos filmes, todos os dias algum ator ou...

Filmes

Após sua reabertura, o tradicional e amado cinema paulistano, Petra Belas Artes, está passando por dificuldades para se manter funcionando devido à falta de...

Advertisement