Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: O Orgulho

“O importante não é ser verdadeira. É ser persuasiva.”

O bicampeonato mundial conquistado pela seleção francesa no último domingo colocou em pauta uma cara questão ao país europeu. Dentro das quatro linhas, imigrantes e descendentes africanos venceram a Croácia por 4 a 2 e levantaram a taça. Fora dos campos de futebol, porém, a realidade é outra. Diante da recente crise migratória, o governo de Emmanuel Macron endureceu suas políticas e dificultou a vida dos refugiados. Longe de assunto pacífico, portanto, a imigração suscita debates nas mais diversas áreas, da política aos esportes e dos esportes às artes. Parte integrante da sociedade, o cinema, naturalmente, não se isenta dessa discussão. Os bons números de “O Orgulho” (Le brio, 2017), visto por mais de um milhão de espectadores na França, ilustram a importância da temática. Infelizmente, no entanto, a abordagem adotada pelo longa-metragem não faz jus à seriedade do problema.

Neïla Salah (Camélia Jordana), uma jovem de família árabe, entra para a faculdade de Direito da famosa Universidade Paris 2. Logo no primeiro dia de aula, contudo, enfrenta o preconceito dos funcionários: um segurança pede a sua carteira de estudante e um professor a humilha na frente da turma. Filmado pelos outros alunos, o ataque do racista Pierre Mazard (Daniel Auteuil) repercute online e provoca um movimento imediato para sua demissão. Grégoire Viviani (Nicolas Vaude), presidente da universidade, propõe então uma alternativa. Com o objetivo de melhorar sua imagem antes do conselho disciplinar, Pierre deve tutorar Neïla em um concurso de retórica. O sucesso de uma descendente de imigrantes, afinal, ajudaria a recuperar o prestígio da instituição, frequentemente associada à extrema-direita.

Por trás dessa narrativa, o roteiro parece, a princípio, defender a educação e a eloquência como estratégias de combate ao discurso de ódio. Neïla, a oprimida, extrai de Pierre, o opressor, mecanismos suficientes para se proteger de pessoas como ele. O preconceituoso acadêmico, entretanto, permanece sempre no controle da relação. Apesar de depender da estudante para a continuidade de seu emprego, guarda o fato para si. Finge acreditar no potencial da pupila e justifica o racismo como mera provocação. Afastada da premissa emancipatória, a obra, dirigida pelo israelense Yvan Attal (“Nova York, Eu Te Amo”), perpetua, assim, as estruturas de dominação supostamente contestadas.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Uma rápida análise dos arcos dos protagonistas exemplifica a postura conservadora. Em vez de questionar as próprias atitudes, Pierre relativiza a verdade de suas falas. Neïla, de outro modo, se transforma a partir dos conselhos do professor. Privilegiando a aparência em detrimento da essência, ela muda a maneira de se expressar e de se vestir para aumentar o seu poder de persuasão. Em outras palavras, ao passo que o longa-metragem valida o comportamento racista da primeira personagem, a aceitação da segunda sujeita-se à adequação a certos padrões. A despeito de seus papéis, porém, a dupla de atores consegue se destacar. À experiência do versátil Daniel Auteuil (“Caché” ironicamente, nascido na Argélia – soma-se a vivacidade de Camélia Jordana (“Nós ou Nada em Paris”). Mais conhecida como cantora, a jovem – de pais argelinos – desponta como uma promessa do cinema francês, laureada com o prêmio César de atriz revelação.

Deve-se, por fim, desconfiar da fácil aceitação por parte da crítica e do público. Um filme sobre assuntos tão delicados como o racismo e a xenofobia deveria, afinal, ao menos gerar controvérsias. “O Orgulho”, de outra forma, apenas aplaca a culpa colonizadora do espectador. Não passa, portanto, de um exercício retórico vazio, como os propostos por Pierre.

* O filme estreia dia 19, quinta-feira.

Advertisement. Scroll to continue reading.

 

Advertisement. Scroll to continue reading.
Reader Rating0 Votes
0
3
Written By

Carioca de 25 anos. Doutorando e Mestre em Comunicação e Bacharel em Cinema pela PUC-Rio.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Crítica

Atenção: esta é uma análise com spoilers Na vida, às vezes conseguimos identificar marcos que nos levam subitamente de um estágio a outro, da...

Espetáculos

Depois do grande sucesso no youtube, o ator, que foi um dos 5 finalistas do reality show do Porta dos Fundos, “O Futuro Ex-Porta”,...

Filmes

De acordo com o site JoBlo, Nicolas Cage foi confirmado como Drácula em “Renfield”, uma comédia extremamente violenta, descrito desta forma pelo próprio estúdio...

Filmes

Morreu em Paris, aos 88 anos de idade, Jean-Paul Belmondo, um dos ícones do cinema francês. Quem deu a notícia foi o advogado do...

Advertisement