Connect with us

Hi, what are you looking for?

Literatura

Crônica de um dia bom.

Antigamente eu fazia apostas com o Universo. Se quisesse muito fazer algo, mas me faltasse coragem, as coisas eram definidas de acordo com as cores das blusas de estranhos na rua.

Por exemplo: se eu desejasse muito um livro, mas o dinheiro estava curto – e eu ainda assim achava que dava pra comprar – escolhia na minha cabeça duas cores de blusas (quanto mais diferente melhor!).

Advertisement. Scroll to continue reading.

Uma cor para “sim, compre o livro”, e outra para “tá doida?! Nada de livro esse mês.” E lá ia eu pela rua, fanática pelas pessoas e suas camisas.

Nem sempre a resposta era positiva. Mas o Universo é sábio em tudo que faz. [E eu nem tão resiliente assim.].

Uma vez, um ex-namorado me deixou no trabalho e disse que ia assistir uma exposição. Eu, calejada com os chifres que a vida me dera, desconfiei que ele não ia sozinho.

Advertisement. Scroll to continue reading.

(Chifres são coisas fantásticas! Uma vez que a pessoa os ganha, se fossem visíveis a olhos nus, a gente até poderia emprestar a cabeça para que as pessoas passassem a mão neles. Sério… eles dão sorte!)

Enfim… Depois de muitas negativas, ou “deixa de ser maluca, eu estava sozinho.“, resolvi apelar pro Universo.
Se eu entrasse no metrô e encontrasse alguém com a camisa do Brasil, lá estava sendo corna outra vez. Se não visse ninguém, ok… eu só estava dando voz às minhas esquisitices.

Pois bem; metrô em horário de rush é o oh! Reza pra conseguir entrar e deixa a maré te levar na hora da saída. Isso quando você só consegue descer a base do grito: “mermão… sai da frente!!!!!”
E olha lá… nessa maré de gente cansada querendo voltar pra casa, quem foi o peixe que me empurrou pra fora?! Um senhor TODO em verde/amarelo.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Cara… Sério… a gente nem estava em época de copa do mundo. Não tinha jogo do Brasil. E as manifestações  da CBF estavam longe de acontecer. O que aquele homem estava fazendo no Metrô, oito horas da noite, vestido com o uniforme (sim UNIFORME) da seleção brasileira?!

Se não era o Universo falando “acorda, minha filha”, então era uma coincidência muito da infeliz. Mas pouco tempo depois meu namoro acabou, e o Universo provou que estava atento a tudo que eu fazia (e pedia!).

Depois que comecei a trabalhar em Botafogo, eu comia na mesma padaria, sentava no mesmo lugar e pedia exatamente na mesma coisa: suco de laranja e pão no bafo.

Advertisement. Scroll to continue reading.

[Pão no bafo: o cara pega um pão francês, passa manteiga, dá um susto nele na chapa e pah! Pão no bafo!… Aqui precisava fazer esse adendo, porque sempre imaginei o padeiro baforando meu pão antes de me servir… ]

Na padaria, do lugar onde eu ficava, dava para ver uma senhora, também sempre no mesmo horário, limpar a janela.
Era o meu presságio de um dia bom.
Chamava isso de “Milagre da segunda-feira.”

No dia que ela não estava lá, nossa. Dava um nó na garganta, um aperto no peito. Deixar aquela janela suja seria a mesma coisa que emporcalhar todo o meu dia.

Advertisement. Scroll to continue reading.

O tempo foi passando, o dinheiro apertando… A vida ficando mais rápida…
Passei a levar o café de casa.
Comia no colégio ou no metrô (onde o tempo me permitisse) e não via mas a senhora na janela.

Hoje, um ano depois, deixei o café em casa e estou aqui na padaria.
A moça tá lá limpando a janela.
Um senhor veste uma camisa do Brasil.
O Universo me abençoa de maneira una.

No final, cheguei a conclusão que mudanças são “in”. São feitas de atitudes e não de palavras.

Advertisement. Scroll to continue reading.

A janela vai estar limpa e a minha segunda também.

Hoje vai ser um dia feliz!!!

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Érica nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro, mas deveria ter nascido nesses lugares onde se conversa com plantas, energiza-se cristais e incenso não é só pra dar cheirinho na casa. Letrista na alma, e essa bem... é grande demais por corpinho de 1,55 que a abriga. Pisciana com ascendente E lua em câncer. Chora quando está feliz, triste, com raiva e até mesmo com dúvida. Ah! É uma nefelibata sem cura.

7 Comments

7 Comments

  1. Lorena Freitas

    2 de janeiro de 2017 at 15:50

    Hoje estou em um dia ruim. Triste mais por apego do q por Razão. Engraçado ler isso hj. Justo agora. Obrigada, minha querida! ❤

    • Kinha Fonteneles

      6 de janeiro de 2017 at 09:03

      Fico feliz que tenha ajudado. Estamos aqui para isso (também!).

  2. Hugo Caruso

    2 de janeiro de 2017 at 15:53

    Simplesmente mágico! Inspirador! Parabéns!!!

    • Kinha Fonteneles

      6 de janeiro de 2017 at 09:03

      Adorei o comentário. Espero que tenha inspirado um monte de gente por aí.

  3. Bruna Mendes de Araujo

    3 de janeiro de 2017 at 16:22

    Maravilhoso!

    • Kinha Fonteneles

      6 de janeiro de 2017 at 09:02

      Obrigada, Bruna. Que bom que gostou.

  4. Mariana Albuquerque

    6 de janeiro de 2017 at 11:17

    Que lindo Kinha, as vezes uso essa lógica com o Universo também. Hihi Fiquei (Re)pensando aqui. Namastê. 😉 Beijos, estou amani!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Literatura

Medi 1 xícara e meia de açúcar, 100 g de manteiga, misturei até ficar enfarinhada, juntei 3 ovos, misturei novamente, adicionei 2 xícaras e...

Literatura

Aquela foto foi perdida durante um infortúnio com o meu tablet. Precisei formatá-lo imperativamente. E como não tinha outra cópia, eu a perdi de forma...

Literatura

Não é que eu concorde com este título. No entanto, é o que me parece mais apropriado. Ela foi o amor da sua mocidade,...

Advertisement