Connect with us

Hi, what are you looking for?

Música

MixTape no #CarnaWoo!: Sambas-Enredo Inesquecíveis

Mangueira homenageia Maria Bethânia (Foto: Daniel Collyer/Hipermídia Comunicação)

Oficialmente, o carnaval já começou e a folia e a alegria já ocupam as ruas de várias cidades do país, incluindo em outros países. Por isso nosso MixTape especial será mais conciso do que um dia já foi, porque ele é só para você dar uma parada sem perder o pique e/ou aquecer antes de sair pra folia.

Nós já fizemos um Mix de Carnaval Para Quem Não Gosta de Carnaval, e um para os beberrões pós-folia chamado Para Curtir a Ressaca. Dessa vez, como já podem perceber, nossa seleção traz alguns dos muitos sambas-enredo que atravessaram a sapucaí e conquistaram o país. Inicialmente, a ideia era fazer com os vencedores dos sete últimos anos, mas como curto uma velharia, ou para os mais blasés de plantão, um vintage style, resolvi buscar algumas canções mais antigas do carnaval carioca e que quase todo mundo conhece.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Claro que vou começar pela minha escola do coração, Estação Primeira de Mangueira, com “Atrás da Verde e Rosa Só Não Vai Quem Já Morreu”, samba que ficou em 12º, em 94, e se tornou um hino carnavalesco, considerado pelos críticos um dos mais empolgantes enredos de todos os tempos.

Por falar em animação, um dos sambas-enredo que não podem faltar nunca em uma festa, dentro ou fora do carnaval, é o samba “Explode Coração” do Salgueiro, que ficou em primeiro lugar em 93. Com o tema “Peguei um Ita no Norte”, a escola contou a história da viagem costeira entre Belém e o Rio de Janeiro, feita a bordo do vapor “Itapé”. A música se eternizou e é praticamente obrigatória durante os dias de folia.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Outro hino carnavalesco que também não ganhou, mas se eternizou e é um dos sambas-enredos mais regravados da história é “É Hoje o Dia”, da escola União da Ilha. O samba de 82, exaltado até hoje, trouxe uma história baseada na obra do cartunista Lan, que se tornou famoso por retratar a alegria do carnaval.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Nosso próximo escolhido é polemico e marcou a história da Beija-Flor. Comandada pelo o incrível carnavalesco Joãozinho 30, a escola, em 89, queria fazer uma comissão de frente em que o cristo redentor estivesse vestido de mendigo, mas foram processados e proibidos porque a igreja católica entrou com um processo e ganhou. Não suficiente, ele mandou cobrir o Cristo de preto e uma faixa escrita “Mesmo Proibido, Olhai Por Nós” e o deixou rodeado por pessoas vestidas de mendigos. Por esse e outros motivos “Ratos e Urubus… Larguem Minha Fantasia”, que ficou em 2º lugar, se tornou um dos sambas/temas mais polêmicos da história do carnaval.

No ano anterior nos temos um samba de Vila Isabel, que até virou um bloco do carnaval carioca. “Kizomba, A Festa da Raça” veio para “comemorar” os 100 anos da abolição da escravatura, fazendo homenagem à várias personalidades negras, como Zumbi dos Palmares, além de personagens, ritmos e deuses da cultura afro. O desfile foi de arrepiar e rendeu o primeiro lugar à escola naquele ano.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Se liberdade é um tema muito bom para inúmeras produções artísticas, e para a nossa vida, obviamente que ela é um simbolo onírico do carnaval que ganhou um samba-enredo pela Imperatriz Leopoldinense. “Liberdade, Liberdade, Abre As Asas Sobre Nós” foi o tema da escola no carnaval de 89, em homenagem aos 100 anos da República. Foi a campeã do ano e eternizou este samba que é, muitas vezes, considerado o melhor da história do carnaval carioca.

Advertisement. Scroll to continue reading.

E finalizando nosso Mix carnavalesco, vamos de Império Serrano e seu samba-enrendo “A Lenda Das Sereias e Os Mistérios Do Mar”. O samba originalmente composto para o carnaval de 76, ganhou regravações, incluindo em um dos álbuns da Marisa Monte, com uma versão bem diferente, e voltou a ser tema da escola em 2009.

Mas já deixando claro, que essas mesmas escolas tem outros sambas inesquecíveis como Bumbum Paticumbum Prugurundum, da Imperatriz, O Povo Conta a Sua História: Saco Vazio Não Para Em Pé – A Mão Que Faz a Guerra, Faz a Paz, da Beija-Flor, o hino da União da Ilha O Amanhã e a atual vencedora do carnaval carioca, Maria Bethânia: A Menina dos Olhos de Oyá da Mangueira.

Advertisement. Scroll to continue reading.

E vou ficando por aqui, lembrando que domingo e segunda teremos os desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro e a apuração para saber quem é a vencedora do ano na quarta. Muita folia, muita alegria, muito amor nesse carnaval. Se beber vai de uber, de táxi, de metrô e/ou de busão. E não se esqueça: Use Camisinha!!! Um cheiro gostoso no cangote, aquele abraço apertadíssimo, e aquele beijo gostoso e molhado. Até semana que vem!

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Paulo Olivera é mineiro, Gypsy Lifestyle e nômade intelectual. Apaixonado pelas artes, Bombril na vida profissional e viciado em prazeres carnais e intelectuais inadequados para menores e/ou sem ensino médio completo.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Advertisement
Advertisement

Você também pode ler...

Espetáculos

Seguindo recomendações do Ministério da Saúde, produção adiaprovisoriamente todas suas apresentações A produção do espetáculo “Entre o Céu e o Inferno” vem a público...

Premiações

Terça-Feira de Carnaval é sempre o dia em que lamentamos o fim de uma das festas mais aguardadas no ano. E, para quem trabalha...

Espetáculos

Artistas rememoram a dupla de cantores fakes Claymara Borges & Heurico Fidélis num espetáculo metalinguísticoque faz uma crítica às engrenagens comerciais que promovem sucessos pré-fabricados...

News

Mulheres, negros, índios, quilombos, favelas, terreiros, Bahia, lavadeiras… O carnaval 2020 do Grupo Especial se anuncia como o diabo gosta: negro, forte e destemido,...

Advertisement

Ao continuar navegando, declaro que estou ciente e concordo com a Política de Privacidade bem como manifesto o consentimento quanto ao fornecimento e tratamento dos dados para as finalidades ali constantes.