A academia do Oscar à anos deixa a desejar nas escolhas de quem concorre e quem ganha o maior premio do cinema mundial, sejam entre atores ou entre os filmes. Ultimamente as criticas recaíram sobre a falta de representatividade e o gosto nada popular dos filmes indicados ao prêmio.

Pois bem, parece que querem resolver de vez esse problema e atrair público mais jovem para esse prêmio, mas não necessariamente fazendo isso de maneira correta.

Hoje foi anunciada uma nova categoria na disputa do Oscar, a categoria entregará o prêmio ao filme mais popular.

Sendo assim cria-se um prêmio esmola, para ser dado a filmes que nunca entrariam na disputa da estatueta na atual conjuntura da Academia. Enquanto uma renovação na Academia de Artes e Ciências Cinematográficas que era esperada que ocorrece trazendo ares novos e assim atendendo a perspectiva do que é bom de uma forma mais abrangente para o grande público não ocorre.

Entre as novas, também foi informado que o tempo de duração da cerimônia do Oscar será reduzido, tudo isso é para atrair o interesse de um público que não se ver representado nas escolhas para o prêmio, e qie havia deixado de apreciar a cerimonia de entrega do Oscar.

Por enquanto, a Academia não forneceu detalhes, nem mesmo quais filmes poderão aspirar à estatueta, nem quem se encarregará da indicação e posterior seleção. Mas por trás da notícia está a necessidade que a Academia sente de incluir entre seus prêmios esses outros filmes que, há anos, ficam de fora. A necessidade, por exemplo, de que em 2019 “Pantera Negra”esteja entre os filmes indicados.

Por fim essa tentativa de inclusão deixou uma sensação maior de farsa do que de melhora para a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Dan Andrade

Cursando Produção Cultural atualmente, sempre foi apaixonado por cinema e decidiu que de alguma forma trabalharia com isso. Tendo como inspiração Steven Spielberg e suas histórias que marcaram gerações, escreve, assiste, lê e aprende, para um dia produzir coisas tão grandes e que inspirem pessoas como um dia ele o inspirou.

Previous Crítica: Christopher Robin – Um Reencontro Inesquecível
Next Crítica (2): Megatubarão

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close