Connect with us

Hi, what are you looking for?

Literatura

Stephen King em sua melhor forma com “Mr. Mercedes”


A reputação de Stephen King não é mais segredo, então vamos direto ao assunto:
“Mr. Mercedes”, o início da trilogia Bill Hodges, seguido por “Achados e Perdidos” e finalizado em “Último Turno”, traz o mestre americano do suspense e terror em sua melhor forma ao narrar a luta do bem contra o mal por personagens humanamente imperfeitos.

A história traz o detetive recém-aposentado Kermit “Bill” Hodges, em profunda depressão, considerando suicídio. Sua mente é atormentada por um caso não resolvido: um atentado no qual um Mercedes roubado, dirigido por um assassino desconhecido, tirou a vida de oito inocentes e deixou diversos feridos. No entanto, ao receber uma carta de alguém que diz ser o assassino, Hodges sai de sua depressão e começa a investigar.

Em contrapartida, temos os sombrios capítulos que narram a história pelo ponto de vista do “Assassino do Mercedes”, Brady Hartsfield. Esta escolha resulta num personagem tão bem-construído – e com a vida tão destruída – quanto o protagonista. Entendemos o que o levou a ser um assassino em série, e o leitor fica livre para julgar se ele é uma vítima das circunstâncias ou se já havia uma tendência ao mal. Sua conturbada história de vida é apresentada de forma não apelativa, marcada pelos típicos requintes de crueldade do passado dos vilões de King.

Advertisement. Scroll to continue reading.

A alternância entre os pontos de vista de protagonista e o antagonista cooperam para uma narrativa ágil e igualmente interessante, nos dois lados. Você quer saber o que o assassino está fazendo, como e porque.

É interessante entender como Brady não está “magicamente” se dando bem, como acontecem com vilões em tantas histórias; e sua personalidade conturbada tanto ajuda quanto atrapalha em seus planos. Hodges conta com a experiência e seus aliados improváveis – seu jovem vizinho, Jerome, Janey, irmã da falecida dona do carro usado no atentado e sua prima, Holly. Todos personagens, aliás, são pessoas com as quais podemos nos identificar: tem seus medos, pontos fortes e planos de vida.

O melhor do livro, no entanto, fica ao final, quando o Assassino do Mercedes, cada vez mais pressionado pelas investigações, torna-se crescentemente instável e perigoso. A narração fica acelera, sem deixar o leitor para trás e construindo tensão. Caberá a Hodges, com a ajuda de seus aliados, impedir que ocorra outro atentado – um pode causar muito mais que oito mortes.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Essa combinação do tradicional suspense de King, com doses sóbrias de humor (e pesadas de crueldade) e personagens cativantes, nos promete também uma excelente sequência. Como dissemos no começo: o mestre em sua melhor forma. Ele é um escritor mais que experiente e quem acompanha sua obra há algum tempo irá identificar elementos familiares, que em vez de sugerirem falta de criatividade ou reciclagem, emanam reinvenção. Para novatos, é um ótimo ponto de partida, por mostrar da melhor forma, como se manter relevante por tanto tempo.

“Mr. Mercedes”
Autor: Stephen King
Tradução: Regiane Winarski
400 páginas
Editora: Suma de Letras

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Carioca por acidente e adepto do pop e rock dos anos 90 e 2000. Sobrevive de uma dieta não moderada de Stephen King e gostos que ele jura serem divergentes. Ama escrever e fotografar, é defensor e problematizador do videogame como forma de arte, e, acima de tudo, metido a engraçado.

6 Comments

6 Comments

  1. Anselmo Almeida

    17 de dezembro de 2016 at 21:26

    Só posso dizer que quero ler ontem! Parabéns pelo texto.

    • Cesar Rezende

      18 de dezembro de 2016 at 12:43

      Obrigado, Anselmo!

      É um livro fácil de ler, sem ser nada mal construído, então, pode ler sim, que acho que você vai curtir!

  2. Érica Pacheco

    17 de dezembro de 2016 at 22:36

    Tô lendo o Último Turno. Se você acha Brady é completamente insano em Mr.Mercedes, chega logo no final da trilogia pra gente trocar umas ideias.
    Parabéns!!!

    • Cesar Rezende

      18 de dezembro de 2016 at 12:42

      Então, Érica: eu estou lendo o terceiro livro agora, e REALMENTE, o Brady consegue se superar! E ao mesmo tempo, fico sentindo que vou ficar órfão dessa trilogia, uma vez que o livro chegue ao fim.

  3. Rodrigo Chinchio

    17 de dezembro de 2016 at 22:38

    Não vai ter jeito. Terei que ler algo do Stephen King.

    • Cesar Rezende

      18 de dezembro de 2016 at 12:40

      Rodrigo, esse é um ótimo livro pra quem vai começar a ler Stephen King, recomendo!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Filmes

Adaptado do livro Firestarter (A Incendiária, em português), o novo filme de Stephen King estréia dia 13 de maio. Um dos autores mais adaptados...

Filmes

Depois do sucesso de 2019, “Era Uma Vez em… Hollywood” virou livro pelas mãos do próprio Quentin Tarantino. Para anunciar o lançamento, a Sony...

Filmes

Segundo o site JoBlo, o clássico de John Carpenter, baseado no romance de Stephen King, “Christine: O Carro Assassino” terá um remake pelas mãos...

Filmes

Através de uma publicação em sua conta do Twitter, William Friedkin, diretor do clássico de terror “O Exorcista” (1973), elogiou “Um Lugar Silencioso: Parte...

Advertisement