O “Rock in Rio” retornou com tudo em 2011 e, é claro, será sempre lembrado por ser a volta definitiva do festival ao Rio de Janeiro, e também pelos grandes nomes que marcaram definitivamente toda a história do evento. O Rock in Rio de 2011 rolou nos dias 23, 24, 25, 29 e 30 de setembro e nos dias 1 e 2 de outubro.

O #TBT Rock in Rio está aqui para relembrá-los dos maiores e incríveis shows que marcaram as 3 últimas edições do festival no país. Faltam cento e poucos dias até a sétima edição, e chegamos ao momento de relembrarmos ao som do metal, esses caras que são veteranos quando o assunto é Rock in Rio: “Metallica”. Coloca a clássica “Enter Sandman” para tocar e, entre no clima! “Hoje é dia de metal, bebê \m/”!

O quarteto estadunidense foi headliner, da terceira noite do festival em 2011 e, fez um show sem dúvidas – histórico. O público que estava empolgado, cheio de energia e curtindo com muita vontade o som dos caras, recebeu em troca da banda uma performance poderosa. Foi o melhor show do festival desde então.

“Na minha opinião, esta é a melhor noite”, disse coberto de razão, o vocalista e guitarrista James Hetfield.

A apresentação começou com um trecho do filme “Três Homens em um Conflito” (1966). Exibido na turnê “Death Magnetic”, inciada em 2008, o teaser deixa os fãs na expectativa para o início do show, que começa logo após. Hetfield, Kirk Hammett (guitarra), Robert Trujillo (baixo) e Lars Ulrich (bateria), arrepiaram o Palco Mundo por cerca de duas horas, e apresentaram um repetório com 18 grandes sucessos como “Reeping Death”, “Fuel, Sad But True”, “Master Of Puppets” e “Enter Sandman”, com baladas melódicas, “One”, “Nothing Else Matters” e “Fade To Black”.

A canção instrumental “Orion”, do disco Master Of Puppets, foi dedicado ao Cliff Burton, ex-baixista da banda morto aos 24 anos em 27 de setembro de 1986. Rolou também “Samba de Uma Nota Só”, de Tom Jobim, em um solo improvisado de guitarra por Hammet. Com um repertório recheado de clássicos na bagagem, “Metallica” encerrou o show pesado e agressivo, com “Seek & Destroy”. O público saiu contente da Cidade do Rock, e pedindo o retorno da banda ao festival. E não é que os pedidos foram atendidos?

Creeping Death
For Whom the Bell Tolls
Fuel
Ride the Lightining
Fade to Black
Cyanide
All Nightmare Long
Sad But True
Welcome Home (Sanitarium)
Orion
One
Master of Puppets
Blackened
Nothing Else Matters
Enter Sandman
Am I Evil?
Whiplash
Seek and Destroy

Mais Metallica no Rock in Rio, agora em 2013! A banda de Los Angeles, com base na Califórnia, se apresentou na quarta noite do festival, no dia 19 de setembro. Os caras dominaram o público de 85 mil pessoas por cerca de 2h30. Na opinião da própria banda, a performance foi superior à vista no Rock in Rio 2011, “mais legal do que dois anos atrás”, foi o que disse Lars Ulrich. Eles entraram no palco com a música “Hit The Lights”, e “Master Of Puppets” veio na sequência.

O repertório foi dominado pelas mais conhecidas da carreira, ao todo foram 18 músicas. Bolas pretas foram arremessadas ao público e palhetas e baquetas são jogadas para galera. “Enter Sadman”, “One”, “Welcome Home (Sanitarium)” e “Creeping Death” estiveram presentes. Rolou solo do baixista Robert Trujilo e do guitarrista Kirk Hammett, que chegou a tocar o tema de Star Wars e a marcha imperial de Darth Vader.

“Nós temos prazer em estar aqui”, afirma Hetfield.

Estamos sempre apertando na tecla de que a experiência Rock in Rio é a melhor da VIDA. Chegamos ao Rock in Rio 30 anos, edição especial, que rolou em 2015. Que sequência, hein?! 2011, 2013 e 2015. O significado do festival? Metallica, quem sabe. Dessa vez tivemos uma novidade: público lá de cima do Palco Mundo! Sim, e foi iradíssimo. O show foi certeiro e previsível. Nenhuma grande novidade, exceto um apagão sonoro que rolou durante uma das mais conhecidas, “Ride The Lightning”, logo no começo do set. Não foi o melhor show que os caras já fizeram no festival, mas agitou bastante o público presente, inclusive esse que vos escreve.

Ah, “King Nothing”, jamais havia sido ouvida em um Rock in Rio no Brasil, e rolou! “Turn The Page”, cover de Bob Seger, foi outra novidade. A maior: “Frayed Ends Of Sanity”, de 1988, uma raridade na setlist dos caras. Rolaram músicas de todos os álbuns, exceto o controverso “St. Anger”, de 2003. Do “Black Album”, sucesso estrondoso de vendas, vieram cinco faixas, a maior presença.

2011, 2013, 2015. Metallica e uma sequência inesquecível no Rock in Rio Brasil. \m/

James Hetfield canta para milhares de fãs do Metallica no Palco Mundo (Foto: Luciano Oliveira/G1)

Por Matheus Lima


Apoia-se

Show Full Content
Previous Mindfulness, a atenção plena
Next Crítica: A Bela e a Fera

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close