Uma das histórias mais marcantes da DC vai ganhar um novo formato. “A morte do superman” (The Death of Superman) tal qual a história em quadrinhos do mesmo nome, esse longa de animação trará Super Homem confrontando o abismal monstro Apocalipse. A batalha épica entre essas duas forças gigantescas culmina  na  inevitável morte do heroi. A saga será dividida em 2 filmes. A segunda parte se chamará “O Retorno do Superman” (Reign of the Superman).

Segundo a sinopse oficial, liberada pela empresa, podemos esperar um filme de muita ação: “Quando um monstro gigantesco emerge de seu repouso em um local subterrâneo e começa uma agitação irracional, a Liga da Justiça é rapidamente chamada para acabar com esta força colossal da natureza. Porém, logo fica claro que apenas o Superman pode se opor à monstruosidade que foi apelidada de Doomsday. Lutando pela América, os dois combatem até chegarem ao coração de Metrópolis. Soco por soco, o Superman finalmente extermina a ameaça de Doomsday enquanto dá seu último golpe e cai para sempre.”

No elenco original, as vozes são interpretadas por Jerry O’Connell (Billions) como o homem de aço, além de termos Rebecca Romijn (X-Men: O Filme) como Lois Lane e Rainn Wilson como Lex Luthor. Outras vozes são: Jason O’Mara como Batman, Rosario Dawson como Mulher-Maravilha,  Nathan Fillion como Lanterna Verde, Christopher Gorham como Flash, Matt Lanter como Aquaman e Shemar Moore como Ciborgue.

“A Morte do Superman” será lançada no meio do ano em Blu-Ray, DVD e mídia digital. A segunda parte da história, “O Retorno do Superman”, chegará no início de 2019.

Após a versão da morte do super ter passado na etapa live action nos filmes “Batman versus Superman” e “Liga da Justiça”. A animação deve seguir uma linha mais próxima da trama dos quadrinhos apesar de algumas pequenas diferenças.

Veja um teaser liberado pelo estúdio:

A Warner bros. já havia feito uma tentativa de adaptar a história com “Superman: Doomsday”. Essa nova adaptação parece que agradará mais os fãs.

A segunda parte, contará com os 4 supermans que substituem Clark Kent: Superboy, Aço (Steel), Superciborgue (Cyborg Superman – voz de Hank Henshaw), e o Erradicador (Eradicator).

Essa não foi a primeira morte do último filho de Krypton. A primeira vez que houve uma morte do herói foi numa história imaginária, a morte secreta do Superman, de 1961. Tudo não  passava de uma hipótese de como seria o mundo sem o super, nos anos pré-crise.

Nos anos 1970, Superman descobriu-se infectado por um vírus consciente de origem alienígena que não tinha cura conhecida. Todo o mundo já acreditava na sua morte e sofria com a possibilidade de não ter mais o melhor guardião do planeta Terra. Felizmente, o herói conseguiu enganar o vírus consciente, forjando sua morte com conhecimentos dos monges tibetanos a fim de parar seus batimentos cardíacos. Quando o vírus sentiu que ele estava “morto”, saiu do corpo para achar outro hospedeiro, mas o homem de aço já havia preparado a armadilha e prendeu o vírus em um clone seu.

Outro arco hipotético, escrita por Alan Moore para ser a última história do Superman Pré-Crise (O que aconteceu com o Super-homem?), narra o que aconteceu ao super após sua mais complicada luta. Numa reviravolta, o herói aparece vivo na última página, mas adotou uma falsa identidade como marido de Lois Lane.

Já em 1986, John Byrne escreveu uma história onde a vilã Banshee Prateada, usando de magia (uma das fraquezas do herói), pôs o Homem de aço num torpor semelhante a morte clínica. Foi realizado o funeral,  o mundo e vários heróis tinham suas reflexões sobre a perda do maior herói que o universo já viu. Lex Luthor nunca se conformou,  já que não admitia que outra pessoa tivesse destruído o Superman sem ser ele (comportamento que seria repetido durante a Morte do Superman, onde Luthor continuava a bater o corpo de Apocalipse).

 


Apoia-se

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Tathiana Tato

Tem um conhecimento amplo de coisas inúteis, porém divertidas, como saber por que existe aquele ditado. Ama ler, viajar, novidades, conhecer pessoas, comer bem (casou com um chef), ouvir e contar histórias. Foi escoteira e até hoje está sempre alerta.

Previous Crítica: O Mecanismo (1ª Temporada)
Next Crítica: Roxanne Roxanne

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close