10 de dezembro de 2019

Mais uma vez a Cia Amok embarca na investigação de formas narrativas com inspiração nas tradições de matriz africana. Um trabalho que se iniciou no espetáculo “Salina a Última Vértebra”, sendo este um mergulho em uma África Ancestral no contexto de culturas afro-brasileiras. Com Kindzu a Cia propõe uma incursão numa África pós-colonial e no contexto de culturas afro-lusitanas.

14671338_1096974897084532_8073761782981689710_n

Com direção de Ana Teixeira e Stephane Brodt, a nova criação do Amok Teatro tem como ponto de partida a obra “Terra Sonambula” e o universo do escritor moçambicano, Mia Couto.

O espetáculo conta a trajetória do jovem Kindzu, que para fugir das atrocidades de uma devastadora guerra civil, deixa sua vila e parte para uma viagem iniciática. Nela encontra outros fugitivos, refugiados e personagens repletos de humanidade que lhe farão viver experiências, ancoradas tanto na cultura tradicional do sudeste da África, quanto na vivência de um conflito devastador.

“Como o menino Muidinga e o velho Tahir do livro de Mia Couto, mergulhamos nos doze cadernos que compõem o diário de Kindzu e trilhamos a via das narrativas que revelam a dimensão onírica e mítica da existência, como formas de resistir à violência”, declara a diretora Ana Teixeira.

14606516_1102728413175847_3765039354221324589_n

“O texto de Os Cadernos de Kindzu foi abordado com a abertura de quem busca um diálogo criativo e não uma tradução cênica de uma obra literária. Ao longo desse processo, uma nova narrativa foi se construindo. A trajetória de Kindzu e seus companheiros encontraram uma identidade própria na cena, porém não se afastaram da escrita de Mia Couto, da sua riqueza poética e suas imagens, ancoradas na cultura oral africana”, explica Stephane Brodt.

Passando do conto à ação e da palavra ao canto, o espetáculo propõe uma incursão na guerra de independência do Moçambique, para explorar a natureza humana e a necessidade de reconstruir a vida e a memória. Com Os Cadernos Kindzu, o Amok Teatro aborda o fantástico e explora a língua portuguesa, em diferentes sonoridades.

O espetáculo segue em cartaz no CCBB Rio até dia 18 de Dezembro sempre as 19:30 horas então não perca tempo. Confira os detalhes na nossa agenda.

Agenda

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Adriana Dehoul

Adriana Dehoul é maquiadora, atriz e produtora desde que resolveu seguir seus sonhos na carreira artística. Sem perder a meninisse para as durezas da vida, ela gosta de subir em arvores e viajar ouvindo o canto dos pássaros e as ondas do mar. Deseja compartilhar poesias nesse mundo de inquietações que transborda amor apesar de tudo.

Previous Só hoje: Rede Cinemark exibe filmes por apenas R$3,00!
Next Como Mondrian Continua Influenciando Artistas Até Hoje

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

NEXT STORY

Close

Porque “Dirty Dancing – Ritmo Quente” é um filme intocável?

10 de junho de 2017
Close