Connect with us

Hi, what are you looking for?

Literatura

Conversa com as paredes

“As vezes vale a pena ficar vermelho por alguns segundos do que amarelar pelo resto da vida.
Rir é correr o risco de parecer tolo.
Chorar é correr o risco de parecer sentimental.
Estender a mão é correr o risco de se envolver.
Expor seus sentimentos é correr o risco de mostrar seu verdadeiro eu.
Defender seus sonhos e ideais diante da multidão é correr o risco de perder a amizade das pessoas.
Amar é correr o risco de não ser correspondido.
Viver é correr o risco de morrer.
Confiar é correr o risco de se decepcionar.
Tentar é correr o risco de fracassar.
Porém os riscos devem ser corridos, porque o maior perigo é não arriscar nada.
A pessoa que não corre nenhum risco não faz nada, não tem nada, não consegue nada.
Ela pode até evitar sofrimentos e desilusões, mas não sente , não muda, não cresce, não ama, não vive.
Acorrentada por suas atitudes, ela torna-se escrava e priva-se da liberdade. por isso, somente a pessoa que corre riscos é totalmente livre”.

Este texto, que recebi de um amigo, me fez pensar em você. Em como o teu silêncio me incomoda, e como, às vezes, as tuas palavras parecem ser ditas nas horas erradas; em como você parece ignorar os efeitos que elas podem causar na minha cabeça e no meu coração.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Tenho um cuidado extremo em medir as palavras, em dizer apenas o que precisa ser dito, no esforço supremo de não magoar, guardar segredos; muito mais os seus do que os meus. Nossos segredos, ninguém, além de nós vai saber. São nossos segredos.

Pessoas deixam de amar para não correr riscos. Mas o maior risco é o de não ser amado. Jamais.
Teu silêncio me faz pensar em você acuada e sem resposta. E o que posso esperar, senão a agressividade de um rato preso a um canto da parede?

Quais são os riscos de uma conversa franca de dois adultos dizendo um outro o que pensam? Cada um disposto a ouvir o que o outro quer dizer, mesmo que doa, mesmo que seja difícil e doloroso de ouvir? As pessoas desconhecem todas as facetas da língua e da função da cada uma das suas regiões. São elas que percebem o amargo e o doce e, às vezes, não suportam o quente ou o frio. Na maioria das vezes a gente fala e foge, se recusa a ouvir.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Falo como homem, do desejo de homem, da necessidade de homem, do machismo que encobre as fraquezas, que encobre as tristezas, que encobre as amarguras e a sensibilidade que aflora na pele do homem, que, por vezes, se vê chorando às escondidas. Se vê só.
Não é amor, o sentimento que aprisiona. Não é amor, o sentimento que ameaça. Não é o amor, o sentimento que faz cobranças.

O meu sentimento por você é imutável e independe das circunstâncias. Circunstâncias  que, aliás, às vezes nos afastam, às vezes nos aproximam. Nem sempre é possível explicar o silêncio. Nem sempre é possível estar no lugar de sempre. Nem sempre é possível dizer aquilo que se deseja. Nem sempre se reage como se espera, diante do inesperado.

Eu quero te contar as coisas que me aconteceram na tua ausência e ser solidário com as coisas que te aconteceram na minha ausência. Vi os teus desabafos, li os teus desaforos, um misto de raiva e saudade. Sintomas de uma personalidade inconstante.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Eu quero te explicar o que eu pensei.  Sei que eu não tinha o direito de pensar coisa alguma. Mas eu pensei. E me guardei. E me recolhi. E me arrependi.

Estou a dias tentando terminar este texto. Tentando te dizer tanta coisa… Mas as palavras vão se perdendo entre uma interrupção e outra. E eu fico querendo conversar. Conversar com você. Mas você não está. Eu, ávido uma por uma de nossas conversas, moído pela imensa saudade que aperta o meu peito, me vejo submerso na escura solidão do meu quarto conversando com as paredes.

Por Ivo Crifar

Advertisement. Scroll to continue reading.

Written By

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Você também pode ler...

Crítica

Uma das mais devotas seguidoras de Jesus, Maria Madalena aparece no cinema frequentemente reduzida à imagem de uma mulher adúltera. Filmes como “Jesus Cristo...

Crítica

Por trás do para-brisa de um carro, Malena chora. Como se secasse suas lágrimas, o limpador escoa a forte chuva de Buenos Aires. Os...

Crítica

Sobre ontem e, infelizmente, sobre hoje Não sabemos até que ponto será necessário lutarmos por igualdade, seja ela qual for, infelizmente. Contudo, se houver...

Literatura

Já ficou acordado durante toda a noite? Madrugada adentro olhando pela janela? Então já viu seu bairro adormecer,Advertisement. Scroll to continue reading. E os sons...

Advertisement