Depois de uma lista sobre as vezes que filmes de ação não deram certo, uma outra teve que ser pensada: aquela que mostra que filmes de ação também dão certo, e que justifica porque tantas pessoas vão ao cinema se divertir com eles!

Matrix

Falar de um filme de ação de Keanu Reeves é difícil. Ele fez longas que de alguma maneira contribuíram muito para mudar a dinâmica de filmes que trabalham contra o tempo e tem muita cenas de luta acontecendo. “Caçadores de Aventura”, “Velocidade Máxima” e “John Wick” são produções que não se pode deixar de citar, mas, sem dúvidas, “Matrix” é a maior obra que Reeves participou como ator. A parte de ser um filme com uma história “fora da caixinha”, especialmente o primeiro, o fato de misturar ficção científica com boas cenas de lutas foi um divisor de águas na sétima arte. As sequências, o modo como elas foram filmadas, ver os atores participando ativamente da ação e a boa história, coloca Matrix entre os melhores filmes do gênero.

Franquia Bourne

Os filmes sobre Jason Bourne deixaram de ser apenas uma trilogia quando o quarto longa do espião desmemoriado estreou em 2016, mas ele não faz jus a “Identidade Bourne”, “O Ultimo Bourne” e “A Supremacia Bourne”. É possível afirmar que a história do espião arrependido mudou muito a forma como filmes de espionagem são feitos, virando rapidamente um referencial pra isso. Matt Damon é um ótimo ator, e consegue fazer muito bem as cenas de lutas, o que passa mais realidade a trama. A coreografia feita por ele, por seus colegas atores, e por dublês é o grande ponto alto do filme, que tem várias cenas memoráveis na trilogia inicial.

Kill Bill

Vingança é um prato que se come frio e extremamente valorizado nos filmes de ação. Nem sempre com uma boa premissa, pode-se dizer. Mas, esse não é o caso de “Kill Bill – Vol I e Vol II”. Uma Thurman é traída por todos a sua volta bem no dia que seria o melhor momento de sua vida: seu casamento. Depois de anos em coma, A Noiva, personagem de Thurman, sai em uma vingança enlouquecida contra todos que tentaram matá-la. E as cenas são incrivelmente chocantes. É Quentin Tarantino em sua melhor forma e com uma grande atriz para representá-lo. São tantas sequências de luta e perseguição boa, que fica difícil escolher só uma. Ambos os filmes trazem diversão garantida e a personagem da Noiva nos faz sentir bem representados em cada luta que ganha.

Velozes e Furiosos

A partir do quinto, todos os “Velozes e Furiosos” passaram a ser mais um produto com grandes explosões do que um longa com boas cenas. O primeiro trouxe um frescor para filmes de velocidade, ainda que não tenha tido originalidade nenhuma: a produção é totalmente baseada em “Caçadores de emoção”, apenas trocam o surf pela velocidade. Ainda assim, Vin Diesel e Paul Walker fazem um filme extremo e com cenas de corridas incríveis que foram bastante copiadas em projetos lançados posteriormente. O primeiro filme é que sustenta até hoje a premissa de todos esses outros e ainda é o mais copiado entre eles.

Rambo e Duro de Matar

Não há maneira de escolher um só entre os dois filmes. Eles foram, sem dúvidas – e pelo menos os primeiros das franquias, grandes filmes de ação que fizeram uma fileira de produções se inspirarem em seus roteiros. Os tipos que lutam praticamente sozinhos, mas são capazes de dizimar exércitos inteiros, serviram de base pra vários outras produções importantes, tais como “John Wick”, e vários filmes de “Jason Stathan”. Não são obras com grandes roteiros ou atuações, várias vezes já foram objetos de zombaria, mas, se existem filmes bons como citados acima é graças as produções como “Duro de Matar” e “Rambo”.

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Marya Cecília Ribeiro

Marya Cecília é goiana de nascimento, mora em São Paulo há seis anos e ainda assim não consegue lidar com o clima 4 estações em um dia que rola nessa cidade.
Tem umas manias esquisitas, tipo ver um filme que gosta várias vezes, mas esta tentando lidar com isso (ou não). Falando nisso, ela não faz questão nenhuma de ser normal, então podemos apenas seguir em frente!

Previous Vik Muniz: realidade versus ilusão
Next Resenha: A mágica da arrumação, de Marie Kondo

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close