Longe dos palcos desde o anúncio da gravidez de gêmeos e tendo que ser substituída pela cantora Lady Gaga no Coachella do último ano, Beyoncé marca seu retorno com superprodução e excelência nunca antes vistos no festival. Ao navegar de seus mais antigos hits aos mais atuais, a performer mostrou que não veio para brincar, mas sim para arrasar.

Dando início ao show por volta das 3 e 20 da manhã, horário de Brasília, a cantora apareceu fazendo uma referência a cultura egípcia, estando vestida como a deusa Nefertiti. Logo após, Beyoncé trocou de figurino e abriu o show com uma versão um pouco mais lenta de um de seus principais sucessos: “Crazy in Love”. Estando posicionada em frente a uma enorme estrutura de metal que contava com uma banda marcial e 100 dançarinos, a diva cantou hits como “Freedom”, “Formation”, “Sorry” e um mash-up “Drunk In love” com “Lilac Wine”, da ativista e performer Nina Simone. Já no fim do primeiro ato, uma voz surge anunciando o que todos presentes pensavam: “Depois disso, o Coachella só será chamado de Beychella”.

Ao retornar ao palco com um look todo preto e um som um pouco mais rock n roll, Beyoncé juntou pedaços de discursos do ativista negro Malcom X com a música “Don’t Hurt Yourself”. Outra grande surpresa que levou a plateia aos berros, foi quando a cantora performou sua parte do feat “Mi Gente”. Já fechando o bloco com músicas mais antigas, ela volta com uma blusa preta com um brasão estampado. Nele continham quatro imagens: uma pantera negra e um punho para o alto, ambas referências ao movimento negro Black Panthers, a deusa Nefertiti e uma abelha, já que a cantora é conhecida como Queen B/ abelha rainha.Para concluir o ato com chave de ouro, Jay-Z sobe ao palco para ajudá-la a cantar “Dejà Vu”, um dos primeiros sucessos de sua carreira solo e uma música que não estava presente em sua setlist há anos.

Já no ato final, Beyoncé entra com um bodysuit militar e agradece a plateia por permitirem que ela seja a primeira headliner negra de toda história do festival. Como uma forma de recompensar os fãs por não poder estar presente na última edição, a diva chamou as antigas integrantes do grupo “Destiny’s Child”, juntas elas cantaram “Lose My Breath”, “Say My Name”, e “Soldier”. Fechando as participações especiais, Solange Knowles, irmã da intérprete de “Lemonade”, performou junto com Queen B antes que ela cantasse o hit “Single Ladies”. Para finalizar a performance histórica, a cantora escolheu “Love On Top” e agradeceu ao público pela presença, sendo ovacionada pelos presentes no Coachella enquanto saia do palco.


Por João Vitor Estima