Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica (2): Guerra Fria

“- Nosso primeiro filho.
– Um bastardo.”

Carregado de significado histórico, o termo “Guerra Fria refere-se, acima de tudo, ao período entre 1945 e 1991. No interim de dois eventos, isto é, o fim da Segunda Guerra e a dissolução da URSS, soviéticos e estadunidenses bipartiam o mundo nas chamadas zonas de influência. Tratava-se, por um lado, de uma verdadeira guerra, no entendimento de um conflito político-ideológico. A ausência de embates diretos, por outro, justifica a singular adjetivação: “fria”.

Nesse contexto situa-se o novo longa-metragem de Pawel Pawlikowski, vencedor do Oscar por “Ida” (2013). Ao longo de quinze anos, iniciados em 1949, o maestro Wiktor (Tomasz Kot) e a cantora Zula (Joanna Kulig) vivem a história de um amor impossível. Tal impedimento, por sinal, inaugura uma segunda “guerra fria” – desta vez, no campo das relações humanas. Não é mera reverência, portanto, o aceno de Pawlikowski à “Trilogia da Incomunicabilidade” de Michelangelo Antonioni, em especial ao seu último segmento (L’Eclisse, 1962).

Advertisement. Scroll to continue reading.

Materializada em um bar chamado Eclipse, a alusão remete a um assunto em comum. Tanto o mestre italiano quanto o cineasta polonês atentam para as distâncias reais e simbólicas entre as suas personagens. Se, em “O Eclipse”, o mercado aparece como motor de desumanização, em “Guerra Fria” (Zimna wojna, 2018), o stalinismo promove semelhante efeito.

Tolidas as sensibilidades, uma reconciliação aparenta impossível. Nesse sentido, destaca-se um conjunto de sequências. Na primeira delas, Vittoria (Monica Vitti) acaba de rejeitar um beijo de Piero (Alain Delon). Em seguida, a protagonista se afasta, filmada de perto por Antonioni. Então para subitamente. Quando vira o rosto, nota sem demora: Piero não está mais ali. A frustração substitui o sorriso.

No canto superior, Monica Vitti em cena de “O Eclipse” (1962). No inferior, Tomasz Kot e Joanna Kulig em cenas de “Guerra Fria” (2018).

Em Guerra Fria, por sua vez, Wiktor sequer olha para trás. Depois de muito esperar por Zula, cruza sozinho a fronteira alemã, rumo a Paris. De início, a câmera de Lukasz Zal (“Ida”) o acompanha, mas logo desiste. O fade to black – corte para a tela preta – decreta: a reconciliação se distancia a passos largos, como aqueles empreendidos pela personagem.

Por trás da reconciliação individual, no entanto, oculta-se um projeto maior. Desse raciocínio derivam outras duas acepções do título. Há, por exemplo, uma “guerra fria” entre o popular – o resgate do folk polonês – e o erudito –  a capital parisiense como símbolo do poético, do metafórico. Mais uma “guerra fria” deflagra-se, ainda, entre a arte – a criatividade do maestro Wiktor – e a política – as diretrizes do Partido Comunista, liderado por Josef Stalin.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Retomado o paralelo com “O Eclipse”, pode-se pensar em elementos antagônicos. Popular e erudito, arte e política seriam, nessa lógica, tão irreconciliáveis quanto Wiktor e Zula. Rapidamente, porém, o filme descarta tal hipótese. Desde o primeiro instante, afinal, registra-se a música folk com a estilização do “cinema de arte” – sobretudo no uso do preto-e-branco e da janela reduzida, recursos já presentes em “Ida”. Com sua cuidadosa direção, assim, Pawel Pawlikowski administra conflitos em mesma escala pessoais e coletivos. Um exemplo final enriquece o debate.

Pouco depois de Wiktor cruzar a fronteira, Zula o encontra em Paris. Eles discutem. Ela anda até o meio do quadro, mas, como Vittoria, volta-se para trás. Seu parceiro ainda está lá. Em Guerra Fria, enfim, a (re)conciliação é estética.

* O filme estreia dia 7 de fevereiro, quinta-feira.

Advertisement. Scroll to continue reading.


Fotos e Vídeo: Divulgação/Califórnia Filmes

Advertisement. Scroll to continue reading.
Reader Rating1 Vote
9
10
Written By

Carioca de 25 anos. Doutorando e Mestre em Comunicação e Bacharel em Cinema pela PUC-Rio.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Reviews

Depois do sucesso estrondoso de “Tudo Bem Não Ser Normal“, de 2020, entre o povo dorameiro, chegou, em maio de 2021, “Loucos Um Pelo...

Filmes

Exibido na Seleção Oficial de Cannes 2020, “Slalom – Até O Limite” aborda de maneira sensível temas relacionados à saúde mental no esporte Um...

Crítica

O cinema independente norte-americano vem há anos entregando algumas obras que superam em muito as produções vindas da midiática Hollywood. Sem depender das regras...

Filmes

Todos os filmes ruins estrelados por Nicolas Cages durante a última década fizeram com que os cinéfilos e seus fãs esquecessem que ele é...

Advertisement