Connect with us

Hi, what are you looking for?

Reviews

Crítica: And just like that… (Sex And The City)

And Just Like That…
Imagem: Divulgação/HBO Max

“And just like that…” NÃO é “Sex and The City”

Atenção: essa é uma crítica com spoilers

Sex and the City estreou em 1998. Retratando uma Nova York rica e efervescente, apresentou a vida de quatro amigas na casa dos 30 anos. Independência, protagonismo e liberdade sexual foram grandes temas que geraram discussões e impacto na vida de pessoas no mundo todo. Comportamentos algo chocantes para a época, mas que anteciparam o que hoje é normal para mulheres vivendo sozinhas, solteiras e trabalhando em grandes cidades. Presente na cultura pop, os sapatos de Carrie Bradshaw foram parar até mesmo nas artes visuais. Veja a imagem no perfil do Instagram de Maura Culbert:

Drama e maturidade

Em seu reboot na HBO max, lançado em 9 de dezembro de 2021, já ambientado no período com menos restrições e vacinação de boa parte da população, a narrativa traz de volta Carrie, Miranda e Charlotte. Samantha não está presente, pelo fato bem conhecido de que a atriz que a interpretava teve problemas pessoais com Sarah Jessica Parker. Uma perda inestimável para o tipo de humor sarcástico e sincero que trouxe parte do sucesso à obra.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Imagem: Divulgação/HBO Max

A maturidade trouxe estabilidade para as três amigas no âmbito romântico – e até certa monotonia, como veremos –; elas permanecem casadas. As angústias e desesperos da juventude parecem ter dado lugar a alguma segurança. Porém, ainda vivem desafios e rotinas movimentadas: a criação dos filhos, mudanças na carreira e novas formações acadêmicas.

O primeiro episódio é sofrível. Explicações excessivas que subestimam o espectador e uma constrangedora culpa branca. A sociedade hoje tem uma visão diferente de 20 anos atrás, o que é natural. Por isso, anos recentes trouxeram muitas críticas a Sex and the city, por ser uma série de mulheres brancas e privilegiadas que viviam quase alienadas da realidade. Para responder a isso, num esforço apressado (para não dizer desastrado) de se mostrar atual, And just like that mistura diversas pautas de uma só vez, quase como um pedido de desculpas. Essa culpa branca se reflete especialmente no desespero de Miranda em se autoproclamar antirracista, passando por diversas situações constrangedoras (ou cringe, como dizem os estadunidenses). Apesar dos erros, se você faz parte da geração que acompanha Carrie e suas amigas há 23 anos, provavelmente chorou ao final do episódio por conta do outrora confuso e imaturo Mr. Big, o sempre carismático John. É possível notar que não apenas as personagens ganharam maturidade, mas a forma de mostrar a história acompanhou. Não apenas Carrie, mas até a cidade parece menos turbulenta: agora vemos uma Nova York menos abarrotada de gente, mais clean. E na sequência derradeira, ou “That Big Moment”, em que Big sofre o ataque cardíaco sozinho em casa, intercala-se com Carrie brincando com sua aliança enquanto prestigia a filha de Charlotte, no The Manhattan School of Music, tocando uma sonata de Beethoven ao piano. Não que esse tipo de sequência seja realmente original, mas há uma clara tentativa de trazer alguma profundidade e poesia, o que é bem-vindo.

Leia Também: Crítica de Round 6

Aqui vemos um ponto de virada no gênero: Sex and the city e seus filmes foram produções leves, de comédia. Mesmo nos momentos mais pesados de Samantha enfrentando um câncer, a narrativa nunca trouxe tanto drama. Podemos dizer, a princípio, que And just like that é uma dramédia. Obviamente a morte de Big será o motor propulsor para as mudanças na vida de Carrie, a começar pela descoberta de que Big deixou uma parte da herança para a ex-esposa, Natasha. Em suas próprias palavras, “Big is gone and Natasha is back” (Big se foi e Natasha voltou).

Além da diversidade racial, devemos esperar uma nova abordagem da sexualidade. Se nos anos 90 a liberdade sexual feminina era um dos grandes motes da série, não por acaso presente no título, agora a discussão parece apontar para a diversidade sexual, não somente plural, mas possivelmente fluida, como no caso de Miranda, que deve se envolver uma pessoa não binária. O que não representaria grandes novidades, pois a icônica Samantha teve um relacionamento homoafetivo com a artista Maria (interpretada pela talentosíssima brasileira Sônia Braga), ainda na quarta temporada de Sex and the City (2001).

Advertisement. Scroll to continue reading.

Outro fato irritante é que as personagens repetem insistentemente suas idades e o fato de “estarem velhas”. O reboot passa a ideia de que envelhecer é algo muito pesado, a começar pelo fato de que é o período em que começamos a perder pessoas queridas para a morte. O tema do envelhecimento é tratado com humor na série Grace and Frankie, e de maneira muito mais apropriada, já que as personagens estão na casa dos 70 e não nos 50 anos. O fato de que Miranda prefere usar os cabelos grisalhos, sem vergonha ou falta de vaidade, teria mais força se não fossemos lembrados a todo instante, através de diálogos pobres, que as mulheres envelheceram. Amizade entre mulheres ainda é o tema central.

Imagem: Divulgação/HBO Max

Mesmo com tantos equívocos, vale a pena assistir à série, principalmente se você for um fã de Sex and the City. (Vamos colocar os filmes de lado.) O trailer oficial da HBO Max começa com Carrie dizendo “quanto mais eu vivo, mais eu descubro que se você tem os amigos certos por perto, qualquer coisa é possível.”, uma escolha certeira para divulgar o novo capítulo da vida dessas mulheres.

Mesmo em sua ausência, Samantha envia belíssimas flores brancas para ornar o caixão do velório de Big, se fazendo presente, apesar de tudo. Após a morte de Big, as amigas passam a se revezar para fazer companhia a Carrie. Numa cena sensível (que poderia ter sido prolongada), vemos Miranda ocupando o lado da cama onde o marido da amiga costumava dormir. A mensagem é clara: não importa quantas mudanças aconteçam ou quanto tempo passe: sua amiga sempre estará ali.

Vídeo: Divulgação/HBO Max

Advertisement. Scroll to continue reading.
And Just Like That…
Crítica: And just like that… (Sex And The City)
Sinopse
Carrie Bradshaw, Miranda Hobbs e Charlotte York enfrentam questões típicas da meia-idade: a perda da juventude, a pressão estética de envelhecer, casamentos que se transformam em divórcios, filhos crescendo e novas aspirações profissionais.
Prós
Rever personagens queridos do público que fizeram parte da adolescência e juventude de uma geração
A produção se mantém atenta à moda, tão importante na série original
Contras
O roteiro joga contra a construção das personagens, dando a impressão, em alguns momentos, de que são pessoas totalmente diferentes
Pautas atuais não são abordadas de maneira orgânica, mas forçada, gerando constrangimento
2
Nota
Written By

Jessica Cardin é paulistana desde 1991. Escritora de prosa. Formada em Marketing, faz pós-graduação em História da Arte. É apaixonada por música e artes.

1 Comment

1 Comment

  1. Pingback: Crítica: Eu Não Choro - Woo! Magazine

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Listas

Já podemos dizer com toda certeza que 2021 foi o ano das minisséries. O formato vem se revelando como um dos queridinhos do público,...

Listas

Mais um ano chegando ao fim e também a hora de conhecer as melhores séries de 2021. Nessa lista selecionamos as 10 melhores séries...

Filmes

O que é “real”? e Como você define “real”? Essas foram as palavras usadas por Morpheus na sala de construção, no primeiro filme da...

Filmes

O primeiro dia de CCXP Worlds 21 trouxe vários anúncios e novidades das principais plataformas de streaming. Somente neste sábado, 04, foram 28 painéis...

Advertisement