Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Anos 90

Imagem: Divulgação/Diamond Films

“Muitas vezes, a gente acha que a nossa vida é pior. Mas, se você parar para se colocar no lugar do outro, você não trocaria de vida com ele.”

A câmera se posiciona em um corredor. Uma criança corre até deparar-se, agressivamente, contra uma parede. A força do impacto a derruba. Já entregue ao chão, o menino sofre, ainda, novos golpes. Desta vez, um adolescente o espanca. Ao fundo, vozes adultas, uma feminina e outra masculina, brigam entre si. Em meio ao caos, portanto, apresenta-se “Anos 90” (Mid90s, 2018), estreia de Jonah Hill na direção.

Stevie (Sunny Suljic), um garoto no início da puberdade, vive com o rebelde irmão, Ian (Lucas Hedges), e a mãe solteira, Dabney (Katherine Waterston), na Los Angeles dos anos 1990. A dinâmica dessa família rapidamente transparece em um jantar comemorativo. Ainda que maltratado, Stevie busca a aprovação do aniversariante Ian: escolhe, carinhosamente, um álbum de músicas para presenteá-lo. A mãe, por outro lado, cujos gritos ouviam-se mais cedo, acredita no sucesso de sua relação com Todd – uma participação especial do cineasta Harmony Korine.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Responsável por obras tão peculiares quanto “Vidas Sem Destino” (Gummo, 1997) e “Spring Breakers – Garotas Perigosas” (Spring Breakers, 2012), Korine tematiza, ao longo de sua carreira, uma certa disfuncionalidade entre a juventude estadunidense. De sua curtíssima aparição, então, pode-se depreender objetivo semelhante de Hill. Falta-lhe a ousadia estética, é verdade, mas a convergência temática é evidente.

O ambiente disfuncional de Stevie aproxima-o de outras singulares figuras: quatro jovens skatistas, reunidos para falar besteira e praticar manobras. Logo aceito e apelidado “Queimadinho”, o pequeno de bochechas rosadas encontra aí uma fuga para o seu sofrido cotidiano. Ruben (Gio Galicia), o primeiro amigo, sofre uma dupla violência: tanto a simbólica do preconceito contra hispânicos, quanto a física das surras promovidas pela mãe, viciada em drogas.

Já Porra-Louca (Olan Prenatt), assim apelidado por reagir com essa expressão a qualquer manobra, parece proceder de uma família abastada. Sua relação com o skate, por isso, trata muito mais de descontração que de esperança, como é o caso de Ray (Na-kel Smith). Líder do grupo, de outro modo, o jovem negro tenta superar, por meio do esporte, a trágica morte do irmão e lograr um improvável sucesso. Essas diferentes posturas evidenciam um acertado recorte do roteiro.

Advertisement. Scroll to continue reading.

4ª Série (Ryder McLaughlin), cuja curiosa alcunha faz referência à sua idade mental, vem, por fim, de uma família muito pobre. Tão pobre que o pragmatismo da estabilidade financeira está em vias de esmagar o seu maior sonho: tornar-se cineasta. Às dificuldades impostas pela vida real, contudo, Jonah Hill responde com a ficção do cinema. As imagens de textura amadora do fotógrafo Christopher Blauvelt (“A Pé Ele Não Vai Longe”) e a irregular sobreposição de sons equivalem o verdadeiro filme “Anos 90” à obra fictícia “Anos 90, filmada metalinguisticamente em cena.

Se acerta em um tratamento audiovisual “caseiro”, Hill também emprega, no entanto, algumas técnicas mais convencionais. De Pixies a Morrissey, a trilha musical seleciona, entre artistas dos anos 1990, letras sobre um cotidiano de violência para ilustrar a realidade daqueles jovens. De todo modo, há uma reinvenção. Nas cenas de uma agressividade mais explícita – uma batida policial e uma briga de rua, por exemplo -, reduz-se a música e evita-se a espetacularização.

Anos 90″ é, enfim, um retrato de uma época – ainda recente – pelas lentes de um jovem – seja ele o próprio Hill, seja 4ª Série. Como tal, incorre, evidentemente, em alguns discursos questionáveis. Salva-se, porém, por sua honestidade: não é onisciente e nem pretende sê-lo; trata-se apenas de um filme “caseiro”.

Advertisement. Scroll to continue reading.

* O filme estreia amanhã, dia 30, quinta-feira.


Imagens e Vídeo: Divulgação/Diamond Films

Advertisement. Scroll to continue reading.

Reader Rating0 Votes
0
7.5
Written By

Carioca de 25 anos. Doutorando e Mestre em Comunicação e Bacharel em Cinema pela PUC-Rio.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Espetáculos

Depois do grande sucesso no youtube, o ator, que foi um dos 5 finalistas do reality show do Porta dos Fundos, “O Futuro Ex-Porta”,...

Listas

Consideramos filmes que estrearam no Brasil em 2021 e não os seus anos de produção Não é uma tarefa fácil fazer uma lista de...

Filmes

De acordo com o site JoBlo, Nicolas Cage foi confirmado como Drácula em “Renfield”, uma comédia extremamente violenta, descrito desta forma pelo próprio estúdio...

Filmes

Confira abaixo uma lista com produções que falam sobre professores que foram muito alem da sala de aula. Outubro é um mês com várias...

Advertisement