Crítica: As Aventuras de Robinson Crusoé

robinsoncrusoe_cartaz-697x1024Sabe aquele momento da vida que de alguma forma dá tudo errado e você precisa se virar para “sobreviver”? As Aventuras de Robinson Crusoé é uma animação sobre um homem que foi parar em uma exótica ilha após um acidente e teve que lidar com inúmeras adversidades como essas.

O filme é baseado na obra escrita por Daniel Defoe, publicada originalmente em 1719, no Reino Unido. Mas por ser uma animação, boa parte da história foi omitida para a criançada. Sendo assim, logo de início conhecemos Terça-Feira, um papagaio com pretensões bem altas para quem vive em uma ilha isolada no meio do nada. Ele acredita que além de seu habitat existem outras terras, mas seus amiguinhos acham que ele é apenas um sonhador. Após uma tremenda tempestade, um navio é encontrado na ilha com somente dois sobrevivente do ocorrido, Robinson Crusoé e seu fiel cachorro. Os animais do local, muito desconfiados, acabam aprontando todas e daí para frente uma linda amizade começa a surgir.

A animação é feita inteiramente para crianças. Com uma linguagem simples e, às vezes, até sem graça para os adultos, o filme consegue ser bem direto e previsível. Possui um leve toque cômico que vai agradar a criançada, mas para alguns pais pode acabar parecendo entediante.15127334_1816399301937495_575532764_o

Alguns momentos trágicos podem vir a arrancar lágrimas dos pequeninos, mas nada que algumas artimanhas após, não mudem seus pensamentos. E como tivemos a oportunidade de assistir uma versão em 3D, podemos dizer  que o mesmo tornou-se ainda mais interativo. O que é uma ótima opção se você estiver pensando em levar o seu filhote.

A narrativa, que teoricamente traria como personagem principal Robinson Crusoé, consegue colocar o papagaio, Terça-feira, muito à frente do esperado roubando todas as cenas. Os personagens são muito cativantes, todavia as dublagens soam um pouco falsas, especificamente a dos animais, vindo com exageros realmente desnecessários para atrair a atenção como se fosse um “diferencial”.

Com uma produção belga e francesa, o filme vem com um olhar alternativo, diferente do que estamos acostumados no mercado com a Disney e a Dreamworks. Não que seja algo ruim, pelo contrário, o produto em si esbanja muitas qualidades e tem tudo para cair na graça do público infantil. Contudo, As aventuras de Robinson Crusoé acaba sendo uma tradução forçada feita pela equipe brasileira uma vez que o filme não aprofunda nas tais “aventuras” da personagem, fixando sua trama apenas em um pequeno território. Já o título original, “The Wild Life” (A vida selvagem), que deveria ter sido traduzido de forma literal, se encaixa perfeitamente no enredo.

A animação é de impressionar, podendo-se notar pequenos detalhes desde penas molhadas a pelos chamuscados. Além disso, como já foi dito, a versão em 3D é satisfatória e possui bons efeitos, cores fortes e texturas bastante realistas.

O filme estreia nos cinemas dia 1 de dezembro e é um ótimo programa para começar as férias das crianças.

15127354_1816399288604163_585595546_o

Assista o Trailer abaixo!

Crítica: As Aventuras de Robinson Crusoé
7.5Pontuação geral
Votação do leitor 4 Votos
8.6