Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Doutor Estranho no Multiverso da Loucura

Doutor Estranho no Multiverso da Loucura
Imagem: Divulgação/Marvel/Walt Disney

O termo Universo Cinematográfico da Marvel já não é de todo correto. “Doutor Estranho no Multiverso da Loucura” já não lida apenas com questões dos filmes. Desse modo, o longa é amplamente dependente do conteúdo disponível em séries do Disney Plus para embasar sua história, que de fato, é uma da melhores da Marvel até aqui. No entanto, assim como UCM não designaria o local do longa prestes a estrear, o título desse filme sem a citação de Wanda ou Feiticeira Escarlarte é um tanto injusto, visto que a mesma desvia a atenção para si em todo o filme. Filme este, que se aproxima do terror mais do que qualquer coisa desse Universo Marvel até aqui.

Doutor Estranho no Multiverso da Loucura poster / cartaz
Imagem: Divulgação/Marvel/Walt Disney

Ao contrário do que era previsto, a nova história do mago traz menos consequências de “Homem-Aranha: Sem Volta para Casa” e tem um elo muito maior com “Wandavision” e “What if…?”. Assim, Estranho entra em uma contexto onde precisa lidar com o multiverso, com seu ego e consequência dos seus atos e uso do seu poder.

Sam Raimi (de “Homem-Aranha”) encontrou um tom único e diferente para trabalhar esse longa. Sem medo de arriscar em passagens mais pesadas, o diretor apresenta poder extremo dos seus protagonistas..

Advertisement. Scroll to continue reading.

Enquanto o trabalho de edição, busca um modo notável de carregar a história. Não tratasse apenas de efeitos exacerbados, observamos uma busca de aproximar o live-action a um método de animações, onde os poderes são mais visíveis e ao mesmo tempo caricatos, mas com sutileza suficiente para o realismo de um live-action. Do mesmo modo funciona as transições de cenas, que são oportunas e interessantes.

Outro destaque fica por conta do tom de terror e suspense incrementados em várias passagens. Além de trazer um pouco do que os fãs gostariam de ver, condiz com a história mais pesada apresentada. É possível afirmar que o filme caminha na linha tênue da sua classificação indicativa.

Doutor Estranho no Multiverso da Loucura
Imagem: Divulgação/Marvel/Walt Disney

Sobre o roteiro, há de se destacar a forma didática de deixar um enredo complicado mais compreensível. Contudo, sem perder qualidade. E, ainda que existam buracos para que saídas mais fáceis aconteçam, isso torna-se menos relevante, porque a trama funciona. E a funcionalidade da mesma está principalmente ligada ao desenvolvimento dos seus protagonistas. Enquanto Wanda (Elizabeth Olsen) já tem uma carga muito grande aderida da série que precisa ser complementada, captamos nas variantes de Doutor Estranho (Benedict Cumberbatch) as facetas do personagem – algo que ainda devemos conferir mais futuramente.

A única ressalva quanto a crescimento, muito por ser introduzida como coadjuvante em um filme com muitos personagens, se dá em relação a Miss America (Xochitl Gomez). A mesma funciona como uma marionete jogada de um lado para outro, até ter sua relevância repentina e com mais propriedade sobre seus poderes. O que acaba soando menos coerente, mas que é usual nesse tipo de história.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Outros problemas (típicos de filmes como esse) são os acasos fantásticos que ocorrem e também a relevância da proporção de poderes. Como de praxe, o personagem usa todo seu poder quando convém.

Mas voltando aos personagens principais, a atuação de Benedict Cumberbatch continua condizente com seu personagem, no entanto, podemos ver as nuances diferentes do mesmo em sua performances com diferentes temperamentos e histórias. Já Elizabeth Olsen é o grande destaque do filme, mais ainda do que foi em Wandavision, aqui ela dá o tom certo para sua versão amargurada e que carrega as feridas da sua personagem, despertando desde medo, ao sentimento de pena.

Doutor Estranho no Multiverso da Loucura
Imagem: Divulgação/Marvel/Walt Disney

Por fim, algo que se tornou alvo de críticas e que em partes do filme pode ser justificável são os efeitos e erros mais grosseiros de continuidade. Um exemplo é o “cara da mala”, que passa atrás da mesma cena várias vezes, em momentos distintos. Um cuidado básico que produção poderia ter para que não ocorresse. Ou alguns portais com CGI pouco palpáveis, entre outros. Essas coisas se evidenciam por contrastarem com os vários momentos de qualidade referentes ao mesmo aspecto.

Em conclusão, a Marvel entrega mais um filme com seu selo de qualidade. E aqui não se destaca apenas em termos de fã-service (apesar de presente). O mais legal é que temos uma história que encorpa seus protagonistas e da base para todo o futuro do Multiverso Marvel (não só o cinematográfico). A dificuldade fica por conta dos próximos filmes, que terão necessidade de ir além.

Advertisement. Scroll to continue reading.

O filme possuí duas cenas pós-créditos (e a segunda pode não ser a mais relevante, mas é a melhor sacada do filme).

Doutor Estranho no Multiverso da Loucura
Crítica: Doutor Estranho no Multiverso da Loucura
Sinopse
O aguardado filme trata da jornada do Doutor Estranho rumo ao desconhecido. Além de receber ajuda de novos aliados místicos e outros já conhecidos do público, o personagem atravessa as realidades alternativas incompreensíveis e perigosas do Multiverso para enfrentar um novo e misterioso adversário.
Prós
O filme possui encontra o tom entre o terror e a formula Marvel
A bases mais solidadas para o multiverso são criadas
Feiticeira Escarlate ganha corpo e mostra seu poder
Une todo universo Marvel, filmes e séries
A edição traz aspectos diferente e agradáveis
Contras
Poderia ter um pouco mais cuidado nos efeitos
Soluções mágicas e clichês, as vezes poderiam ser melhor trabalhadas
O desfecho final podia ser melhor em termos de impacto do que é
4
Nota
Written By

Cursando Produção Cultural atualmente, sempre foi apaixonado por cinema e decidiu que de alguma forma trabalharia com isso. Tendo como inspiração Steven Spielberg e suas histórias que marcaram gerações, escreve, assiste, lê e aprende, para um dia produzir coisas tão grandes e que inspirem pessoas como um dia ele o inspirou.

3 Comments

3 Comments

  1. Pingback: CCXP Awards abre inscrições para obras e artistas concorrerem na maior premiação nacional da cultura pop - Woo! Magazine

  2. Pingback: "Avatar: O Caminho das Águas" - Trailer apresenta visual exuberante - Woo! Magazine

  3. Pingback: Benedict Cumberbatch recusou papel de vilão em outra produção da Marvel antes de "Doutor Estranho" - Woo! Magazine

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Advertisement
Advertisement

Você também pode ler...

Filmes

Benedict Cumberbatch é um ator talentosíssimo, e com isso conseguiu fazer sua carreira tanto no cinema comercial como no cinema digamos “de arte”. No...

Filmes

A Blue Sky Studios lançou um curta de 35 segundos com Scrat, um de seus personagens mais amados da franquia de filmes de animação...

Crítica

Red: Crescer é uma Fera é o mais novo filme da Pixar, que, devido a pandemia, teve seu lançamento dia 11 de março, exclusivo...

Filmes

Tema será abordado em Doutor Estranho 2 O Multiverso é sem dúvida a palavra de ordem na Marvel Studios. Se “WandaVision” lançou a semente...

Advertisement