Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa

Homem Aranha Sem Volta Para Casa
Imagem: Divulgação/Sony Pictures/Marvel

Encerramento do primeiro arco do Homem-Aranha no MCU se dá em um misto de sombrio com celebração

Em respeito a vocês que enfrentaram uma epopeia para comprar ingresso para esse que é o maior evento cinematográfico pós-pandemia, essa crítica não traz NENHUM SPOILER. Pode ler sem susto.

Recompensa. Esse é o tom (sem trocadilhos com o nome do protagonista por favor) de “Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa”. E isso é notadamente coeso com a trajetória do aracnídeo dentro do Universo Cinematográfico Marvel. Se a entrada de Peter Parker se deu por uma boa pressão dos fãs, atendida pela Sony e a Marvel Studios, que deram as mãos para colocar o Amigão da Vizinhança no MCU, nada mais justo que o encerramento da trilogia Aranha no MCU fosse forjada para eles.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Imagem: Sony Pictures/divulgação

E como cicerones dessa celebração estão ninguém menos do que os quatro vilões icônicos dos filmes predecessores da fase Tom Holland. Duende Verde (Willem Dafoe), Doutor Octopus (Alfred Molina) e Homem-Areia da primeira trilogia, e Lagarto do reboot de 2012 e Eletro, da continuação de 2014. Eles surgem no MCU como consequência de uma trapalhada envolvendo multiversos, trazendo mais problemas ao pobre Peter Parker (como se ele tivesse poucos). Para lidar com essa parada duríssima, o jovem vingador, agora sem Tony Stark, contará com o Doutor Estranho, além de seus amigos Ned e MJ. E vai aprender de uma vez por todas que com magia e realidades paralelas não se brinca.

Mas esse ambicioso fechamento de arco narrativo na verdade mescla a celebração com um clima bastante sombrio. É de longe o filme mais dramático da nova trilogia, e não é exagero considerá-lo o mais sinistro filme do Aranha. Se “Homem-Aranha: De Volta ao Lar” era festivo e colorido e “Homem-Aranha Longe de Casa” seguia a mesma linha só que com uma aventura de maior escala, esse aqui é o ponto de virada, que afetará irreversivelmente a trajetória de Peter Parker no futuro. E em se tratando de jornada do herói, isso nunca se dá sem perdas significantes. Às vezes uma, às vezes mais.

“Sem Volta Para Casa” em seu desiderato de recompensar as audiências escorrega em fragilidades. Conveniências (e furos) de roteiro são visíveis. O próprio plot do filme é simplista, e sua resolução mais ainda. Essa mudança de atmosfera em relação ao que vinha sendo apresentado com o personagem acabou sendo brusca. O argumento poderia facilmente ser desmembrado em três filmes. Daí a solução sofreu com uma inevitável urgência. Ainda assim o caráter épico não sofre graves lesões.

O trio de protagonistas formado por Holland, Zendaya e Jacob Batalon está mais afiado do que nunca. Afinal são cinco anos vivendo os papéis e o laço de amizade dos três é convincente, o que do contrário seria desastroso já que é basicamente dessa amizade que a história gira em torno. Vale destacar a melhora significativa de Jamie Foxx como Electro, e não porque o ator se saiu melhor, mas sim porque o personagem teve uma concepção bem mais adequada. O Doutor Octopus de Alfred Molina (rejuvenescido digitalmente, já que o personagem saiu diretamente de 2004) manteve sua coesão com a irretocável versão original, e Willem Dafoe está aterrorizante em uma encarnação do Duende Verde muito superior à que vimos no longa de 2002, que tinha justamente o vilão (sobretudo o visual) como ponto fraco.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Leia Também: Crítica de Edens Zero

A funcionalidade das novas e antigas peças é bem-organizada por Jon Watts, responsável pela direção de todo esse arco do Homem-Aranha (resta saber se ele voltará nos próximos). Além de sedimentar de vez o herói no MCU, ainda aponta para um interessante futuro solo. Watts conseguiu inserir com fluidez no novo contexto esses elementos da era pré-MCU por mais que no primeiro momento essa fusão não faça tanta lógica. E também se sai bem na construção de alternância entre comédia e drama.

Por fim, “Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa” não é o melhor filme de super-herói de todos os tempos, tampouco o melhor filme do Homem-Aranha já feito. Entretanto é sem dúvidas uma aventura épica, o melhor longa da trilogia Holland, e, mesmo com alguns percalços, cumpre com a promessa de premiar o fã, que, a essas alturas, é o que interessa no fim das contas.

Imagem: Divulgação/ Sony Pictures Brasil

Advertisement. Scroll to continue reading.

Homem Aranha Sem Volta Para Casa
Crítica: Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa
Sinopse
O Homem-Aranha precisa lidar com as consequências da sua verdadeira identidade ter sido descoberta.
Prós – Caráter épico e as atuações de Alfred Molina e Willem Dafoe
Contras – Conveniências de roteiro e resoluções simplistas
4
Nota 4 estrelas de 5
Written By

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Tom Holland pode ser considerado um dos grandes astros de Hollywood na atualidade, já que os filmes do Homem -Aranha estrelados por ele são...

Filmes

Em que plataformas estão todos os filmes com o Amigo da Vizinhança? Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa está às vésperas de estrear e muita...

Filmes

Claro que isso gerou muita especulação, né? A quatro dias das primeiras exibições públicas de “Homem-Aranha: Sem Volta Para Casa”, teorias é o que...

Filmes

Kevin Feige já acena para uma possível entrada do simbionte na Marvel Studios Um dia depois de praticamente confirmar a vinda de Charlie Cox...

Advertisement