Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Graças a Deus

“Você quer lutar contra uma pessoa, eu quero lutar contra uma instituição. Um sistema que permite que pessoas cometam crimes por anos e continuem impunes.”

“Graças a Deus”, sussurra um cardeal após a cerimônia de crisma. Pela primeira vez, ouve-se o título do novo filme de François Ozon (“Frantz”). O sentido só se completa, no entanto, quando o mesmo clérigo repete tal expressão. “Graças a Deus, a prescrição venceu”, comemora Philippe Barbarin. Passados muitos anos, o Padre Preynat não mais pagaria por seus crimes: felizmente, na visão de seu superior.

O conflito se estabelece de início. Em conversa com um amigo de infância, Alexandre Guérin (Melvil Poupaud) lembra-se dos abusos outrora sofridos e resolve confrontar o já idoso Bernard Preynat (Bernard Verley). No lugar das esperadas desculpas, porém, encontra um homem sereno. Preynat enxerga-se como um doente. Pedira diversas vezes para ser afastado das crianças. Às suas demandas, somam-se, ainda, as cartas de diversos e preocupados pais. Não foram ouvidos.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Nesse sentido triunfa Ozon. Ao construir uma ficção baseada em uma história real, conforme delimita a cartela de apresentação, o cineasta parisiense restitui à voz aqueles por décadas ignorados. O recurso da narração em primeira pessoa, tão banalizado por um certo cinema convencional, ganha, de outra forma, o peso de uma arma contra o silenciamento sistemático. Enquanto lê as cartas de Alexandre Guérin – versão ficcional de Alexandre Dussot-Hezez -, o seu intérprete Melvil Poupaud (“Laurence Anyways”) realiza uma espécie de sutura histórica: a voz presente do narrador revive a voz da escrita silenciada no passado.

Um rápido olhar, portanto, indica uma estrutura biográfica corriqueira: Poupaud protagoniza um exemplo de luta individual. Nesse caso, contudo, não seria um filme de Ozon. A primeira pista de que se trata de outra coisa encontra-se na própria postura da personagem. Alexandre não quer mera vingança de Preynat. Ou, em outras palavras, não luta contra a Igreja, mas pela Igreja. E Igreja significa justamente comunidade ou união.

Repentinamente, o “protagonista” desaparece. Como a luta não é contra o indivíduo Bernard Preynat, o filme tampouco é sobre a pessoa Alexandre Guérin – ou Dussot-Hezez. Apresentam-se, então, François Debord (Denis Ménochet) – inspirado em François Devaux – e Emmanuel Thomassin (Swann Arlaud) – versão fictícia de Pierre-Emmanuel Germain-Thil. Juntos, eles reencontram Guérin para fundar La Parole Libérée (A palavra libertada). A fundação e, analogamente, o cinema de François Ozon perseguem um único e simples objetivo: dar voz àqueles jamais ouvidos.

Luta contra um sistema, é verdade. Nela se conjugam figuras tão díspares quanto o ateu radical Debord e o católico convicto Guérin. Seria o caso, ao fim, de rejeitar inexoravelmente ou, ao contrário, aceitar cegamente a Igreja? Ozon não parece tão ingênuo. Pensada enquanto comunidade ou união, afinal, La Parole Libérée é ela mesma uma Igreja. No caso particular da Igreja Católica, talvez se tenha perdido tal sentido. “Ainda acredita em Deus?”, interroga-se a Alexandre. Corte. Entre uma tragada e outra no cigarro, Emmanuel olha para cima. De baixo, a câmera captura a diocese, imensamente maior que o minúsculo homem. Imensamente maior que o espectador.

Advertisement. Scroll to continue reading.

* O filme estreia dia 20, quinta-feira.


Imagens e Vídeo: Divulgação/California Filmes

Advertisement. Scroll to continue reading.

Reader Rating0 Votes
0
8
Written By

Carioca de 25 anos. Doutorando e Mestre em Comunicação e Bacharel em Cinema pela PUC-Rio.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Advertisement
Advertisement

Você também pode ler...

Filmes

Morreu em Paris, aos 88 anos de idade, Jean-Paul Belmondo, um dos ícones do cinema francês. Quem deu a notícia foi o advogado do...

Filmes

Exibido na Seleção Oficial de Cannes 2020, “Slalom – Até O Limite” aborda de maneira sensível temas relacionados à saúde mental no esporte Um...

Crítica

O cinema independente norte-americano vem há anos entregando algumas obras que superam em muito as produções vindas da midiática Hollywood. Sem depender das regras...

Filmes

Todos os filmes ruins estrelados por Nicolas Cages durante a última década fizeram com que os cinéfilos e seus fãs esquecessem que ele é...

Advertisement