Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Judy – Muito Além do Arco-Íris

Imagem: Divulgação/Paris Filmes

Imagem: Divulgação/Paris Filmes

O filme “Judy – Muito Além do Arco-Íris”, dirigido por Rupert Goold, entrega o básico do que se espera de uma cinebiografia: a vida cheia de obstáculos, vitórias e derrotas de Judy Garland, a eterna Dorothy de “O Mágico de Oz”. O roteiro de Tom Edge, baseado na peça teatral “End of the Rainbow” de Peter Quilter, conta a história da atriz e cantora em seus momentos crepusculares, quando não era mais tão requisitada nos EUA. Para fazer dinheiro e conseguir pagar os advogados que a representariam em um processo da guarda de seus dois filhos pequenos, disputada com um de seus vários ex-maridos, Judy Garland aceita fazer uma série de shows em Londres, onde ainda era muito admirada e respeitada.

É durante a turnê que são expostos os sofrimentos da artista, como a insônia, o vício em remédios e em bebida, e a depressão. Tudo justificado por uma infância que, apesar de todo sucesso, foi predominantemente ocupada pelos afazeres profissionais impostos por Louis B. Mayer, um dos fundadores da Metro-Goldwyn-Mayer na década de 30. Além disso, Garland não teve os pais presentes, que praticamente a venderam à Mayer. Ela se dedicava ao trabalho, e vivia em uma espécie de cárcere privado, sem amigos ou diversões reais. A primeira cena do longa, inclusive, mostra a garota em um backstage escuro, enquanto olha a representação de um campo ensolarado reproduzido pelos refletores e cenários. Um simulacro de vida que era a única realidade que ela conhecia.

Cenas de infância como essa se repetem durante o filme por meio de flashbacks, mas é na problemática fase adulta que as atenções se voltam. Claro que a montagem de Melanie Oliver faz os paralelos entre o que aconteceu no passado com as consequências do presente, levando o espectador a comparar a Garland jovem, ingênua e cheia de vida, interpretada decentemente por Darci Shaw, com a paranoica, melancólica e envelhecida Garland de Renée Zellweger. Com a volta Zellweger aos principais holofotes hollywoodianos, é até possível notar a similaridade entre a fase posterior de sua carreira – antes deste “Judy – Muito Além do Arco-Íris” – com os momentos finais da Garland do filme. Talvez, até seja por isso que ela tenha escolhido o papel, mas esse é outro assunto, já que a proposta deste texto é unicamente de analisar a obra.

Advertisement. Scroll to continue reading.

 

Imagem: Divulgação/Paris Filmes

Pois bem, com isso, é possível dizer que o melhor elemento que “Judy – Muito Além do Arco-Íris” possui é a atuação de sua protagonista. Zellweger reproduz com exatidão os trejeitos de Garland no palco, como os olhos arregalados que olham o vazio por cima da plateia, e a forma insegura com que canta as suas famosas canções. Parece que, a qualquer instante, ela largará o microfone e fugirá dos shows – isso, de fato, acontece em uma cena do terceiro ato. Cada música se torna um fardo que precisa carregar, afinal, são elas que a lembram da infância destruidora. O passado a assombra, e a arte se transforma em seu maior pavor. Isso é tão aparente que sua saúde mental e física vai se deteriorando após cada apresentação. Até a capacidade de andar é prejudicada, por isso a envergadura do corpo é aparente. Todo esse processo é divinamente construído por Zellweger, levando a crer que Oscar de atuação feminina já tem dona.

Para ajudar na performance de sua intérprete, Goold e seu diretor de fotografia Ole Bratt Birkeland, desenvolvem elementos para expor o esvaecimento de Garland, como quando ela é enquadrada em primeiro plano, sem nenhum tipo de profundidade de campo. O que se vê nesses momentos é a personagem de costas para um horizonte cheio de pontos luminosos que parecem estrelas em um céu desfocado. A fama, o sucesso, e o talento de uma diva serão apagados das memórias enquanto o impassível tempo toma conta de seu corpo.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Imagens e Vídeo: Divulgação/Paris Filmes

Advertisement. Scroll to continue reading.
Written By

Formou-se como cinéfilo garimpando pérolas nas saudosas videolocadoras. Atualmente, a videolocadora faz parte de seu quarto abarrotado de Blu-rays e Dvds. Talvez, um dia ele consiga ver sua própria cama.

1 Comment

1 Comment

  1. Pingback: Confira os vencedores do Oscar 2020 | Woo! Magazine

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Momentos icônicos criados unicamente nas adaptações cinematográficas. Em novembro de 2021, o primeiro filme da saga Harry Potter completou 20 anos. Sendo assim, o...

Filmes

Steven Spielberg completa 75 anos neste sábado (18/12) e o Telecine não poderia deixar de homenagear um dos nomes mais influentes da história do cinema. A...

Filmes

Papo acontecerá dentro da 16ª Edição do Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro As Lives de Cinema do Projeto de Extensão Aruandando no Campus estão...

Crítica

Antes da estreia, “Mulher-Maravilha” (de 2017) era um filme recheado de desconfianças. Despois do Universo Estendido da DC  (DCEU) ter fracassado, aquele longa chegava...

Advertisement