Imagem: Divulgação/Paris Filmes

O filme “Judy – Muito Além do Arco-Íris”, dirigido por Rupert Goold, entrega o básico do que se espera de uma cinebiografia: a vida cheia de obstáculos, vitórias e derrotas de Judy Garland, a eterna Dorothy de “O Mágico de Oz”. O roteiro de Tom Edge, baseado na peça teatral “End of the Rainbow” de Peter Quilter, conta a história da atriz e cantora em seus momentos crepusculares, quando não era mais tão requisitada nos EUA. Para fazer dinheiro e conseguir pagar os advogados que a representariam em um processo da guarda de seus dois filhos pequenos, disputada com um de seus vários ex-maridos, Judy Garland aceita fazer uma série de shows em Londres, onde ainda era muito admirada e respeitada.

É durante a turnê que são expostos os sofrimentos da artista, como a insônia, o vício em remédios e em bebida, e a depressão. Tudo justificado por uma infância que, apesar de todo sucesso, foi predominantemente ocupada pelos afazeres profissionais impostos por Louis B. Mayer, um dos fundadores da Metro-Goldwyn-Mayer na década de 30. Além disso, Garland não teve os pais presentes, que praticamente a venderam à Mayer. Ela se dedicava ao trabalho, e vivia em uma espécie de cárcere privado, sem amigos ou diversões reais. A primeira cena do longa, inclusive, mostra a garota em um backstage escuro, enquanto olha a representação de um campo ensolarado reproduzido pelos refletores e cenários. Um simulacro de vida que era a única realidade que ela conhecia.

Cenas de infância como essa se repetem durante o filme por meio de flashbacks, mas é na problemática fase adulta que as atenções se voltam. Claro que a montagem de Melanie Oliver faz os paralelos entre o que aconteceu no passado com as consequências do presente, levando o espectador a comparar a Garland jovem, ingênua e cheia de vida, interpretada decentemente por Darci Shaw, com a paranoica, melancólica e envelhecida Garland de Renée Zellweger. Com a volta Zellweger aos principais holofotes hollywoodianos, é até possível notar a similaridade entre a fase posterior de sua carreira – antes deste “Judy – Muito Além do Arco-Íris” – com os momentos finais da Garland do filme. Talvez, até seja por isso que ela tenha escolhido o papel, mas esse é outro assunto, já que a proposta deste texto é unicamente de analisar a obra.

 

Imagem: Divulgação/Paris Filmes

Pois bem, com isso, é possível dizer que o melhor elemento que “Judy – Muito Além do Arco-Íris” possui é a atuação de sua protagonista. Zellweger reproduz com exatidão os trejeitos de Garland no palco, como os olhos arregalados que olham o vazio por cima da plateia, e a forma insegura com que canta as suas famosas canções. Parece que, a qualquer instante, ela largará o microfone e fugirá dos shows – isso, de fato, acontece em uma cena do terceiro ato. Cada música se torna um fardo que precisa carregar, afinal, são elas que a lembram da infância destruidora. O passado a assombra, e a arte se transforma em seu maior pavor. Isso é tão aparente que sua saúde mental e física vai se deteriorando após cada apresentação. Até a capacidade de andar é prejudicada, por isso a envergadura do corpo é aparente. Todo esse processo é divinamente construído por Zellweger, levando a crer que Oscar de atuação feminina já tem dona.

Para ajudar na performance de sua intérprete, Goold e seu diretor de fotografia Ole Bratt Birkeland, desenvolvem elementos para expor o esvaecimento de Garland, como quando ela é enquadrada em primeiro plano, sem nenhum tipo de profundidade de campo. O que se vê nesses momentos é a personagem de costas para um horizonte cheio de pontos luminosos que parecem estrelas em um céu desfocado. A fama, o sucesso, e o talento de uma diva serão apagados das memórias enquanto o impassível tempo toma conta de seu corpo.

Imagens e Vídeo: Divulgação/Paris Filmes

Judy - Muito Além do Arco-Íris

3.6
Bom!

Inverno de 1968. Com a carreira em baixa, Judy Garland (Renée Zellweger) aceita estrelar uma turnê em Londres, por mais que tal trabalho a mantenha afastada dos filhos menores. Ao chegar ela enfrenta a solidão e os conhecidos problemas com álcool e remédios, compensando o que deu errado em sua vida pessoal com a dedicação no palco.

Roteiro
Atuação Principal
Direção
Músicas
Direção de Fotografia
Pros
  • Atuação Fenomenal de Renée Zellweger
  • Conta um pouco sobre a Era de Ouro de Hollywood
  • Ótimas Músicas
  • História de vida Interessante
Cons
  • Como é baseado em uma história real, não há surpresas
  • Deveria explorar um pouco mais a infância de Garland
  • Para quem não conhece Judy Garland, provavelmente não haverá interesse
Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Rodrigo Chinchio

Formou-se como cinéfilo garimpando pérolas nas saudosas videolocadoras. Atualmente, a videolocadora faz parte de seu quarto abarrotado de Blu-rays e Dvds. Talvez, um dia ele consiga ver sua própria cama.

Previous “Pedro Coelho 2: O Fugitivo” ganha trailer oficial
Next Crítica: 1917

1 thought on “Crítica: Judy – Muito Além do Arco-Íris

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close