Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Kardec – A História por Trás do Nome

Imagem: Divulgação/SonyPictures

O tema espírita é recorrente em obras audiovisuais nacionais, novelas e filmes já abordaram por vezes a religião de origem francesa, que teve grande adesão no Brasil onde ganhou milhares de fiéis. Grande responsável por isso, Alan Kardec ou Hippolyte Léon Denizard Rivai, tem sua história com o espiritismo contada de forma pontual no novo longa de Wagner de Assis.

Com uma abordagem sucinta, na qual a opção é por levar o principais pontos da biografia de Kardec sem aprofundá-los, o filme consegue passar uma mensagem curta e clara sobre o homem que decodificou o espiritismo e sobre essa religião, mas não transborda de forma tão eficaz todas nuances entorno do desafios por traz de tudo.

Advertisement. Scroll to continue reading.

“Kardec: A História por Trás do Nome” não se atém a origem do personagem abordado Léon Denizard, ele inicia-se na transição do mesmo para o que viria a ser o seu projeto mais influente de vida, o estudo do espiritismo e sua auto proclamação como Allan Kardec.

O filme detaca-se principalmente pelo seu trabalho extremamente eficiente na direção de arte, que no transporta para o período no qual a história se desenvolve – a Paris de meados do século XIX. Outro ótimo trabalho é o da equipe de caracterização dos personagens e maquiagem, é preciso atenção para perceber as mudanças de Kardec durante o filme, como o mesmo fica mais velho e também mais gordo e como isso é o principal indicativo de passagem de tempo durante o longa.

Contudo, a opção por uma fotografia mais escura, em alguns momentos, atrapalham a absorção de todo o ambiente recriado. Mas, se contextualizarmos a mesma fotografia com o clima do início do filme e o mistério inicial da mesas giratórias que cominam com o despertar da curiosidade de Kardec e, consequentemente, o estudo dos casos, podemos entender a fotografia escura como referência ao mistério, assim como também temos que levar em conta que na época a iluminação se dava unicamente por lamparinas e velas (existe inclusive uma menção a estudos sobre a descoberta da lâmpada em determinado momento do filme).

Advertisement. Scroll to continue reading.

A direção é bastante segura e mantém o filme num ritmo linear. O roteiro, como dito anteriormente, destaca apenas os pontos fundamentais da história de Allan Kardec, e não se atem em especificar de forma tão clara o tempo e espaço em relação aos acontecimentos e algumas vezes transparece uma facilidade e velocidade na forma como tudo acontece, que não soa real.

A atuação de  Leonardo Medeiros consegue ser eficaz ao transportar pra si o que poderia se imaginar de alguém que está especificamente na obra deixada e do qual não se tem referências de imagem. Já nas primeiras cenas o ator impõe o tom com o qual vai levar o personagem até o final do filme. Enquanto isso, Sandra Corveloni, com tão ou menos referência históricas de sua personagem, Amélie-Gabrielle Boudet (esposa de Allan Kardec), nos traz a personagem mais cativante do filme e a grande incentivadora do marido, construída com a ótima atuação da atriz.

O longa aborda alguns assuntos mais delicados como a questão da Igreja Católica com sua grande influência política e objeção a tudo que se opusesse ao que a mesma pregava. Também é falado sobre a caça às bruxas e temos uma cena fundamental que retrata isso. Entretanto, são temas que acabam possuindo uma abordagem mais superficial no longa devido ao destaque para trama principal.

Advertisement. Scroll to continue reading.

No fim, “Kardec: A História por Trás do Nome” consegue demostrar que é um longa trabalhado em pesquisa e com intuito claro de passar informações sobre como a religião espirita foi estudada e como foi disseminada pelo mundo por Allan Kardec. Mesmo que o longa não consiga aprofundar todos os fatos que cita, ele consegue trazer a leigos algum entendimento e curiosidade sobre essa história, assim como tem papel em despertar o respeito pela religião e, da forma que foi trabalhado, pode ser apreciado por qualquer público.


Imagens e Vídeos: Divulgação/Sony Pictures

Advertisement. Scroll to continue reading.

Reader Rating1 Vote
8
8
Written By

Cursando Produção Cultural atualmente, sempre foi apaixonado por cinema e decidiu que de alguma forma trabalharia com isso. Tendo como inspiração Steven Spielberg e suas histórias que marcaram gerações, escreve, assiste, lê e aprende, para um dia produzir coisas tão grandes e que inspirem pessoas como um dia ele o inspirou.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

A Sony Pictures Entertainment liberou o trailer de “Uncharted”, filme baseado nos games que começaram a ser lançados em 2007 pelo estúdio Naughty dog,...

Filmes

O thriller “O Silêncio da Chuva”, filme de Daniel Filho inspirado no romance policial de Luiz Alfredo Garcia-Roza, ganha data de estreia: dia 23...

Séries/TV

Tarcísio Meira estava internado desde o dia 6 de agosto, e morreu decorrente de complicações da covid-19 Mais um dos grandes nomes da TV...

Filmes

Papo acontecerá dentro da 16ª Edição do Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro As Lives de Cinema do Projeto de Extensão Aruandando no Campus estão...

Advertisement