Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Critica (2): Godzilla II – Rei dos Monstros

Imagem: Divulgação/Warner Bros. Pictures

Se o “Godzilla” de 2014 iniciou o Monstroverso de maneira vagarosa porém funcional aos dias de hoje, em 2017 Kong: Ilha da Caveira apresentou uma dinâmica energética a nova série de filmes. Já o terceiro capítulo da franquia expande as virtudes dos filmes anteriores, mas também alguns de seus velhos problemas.

Anos após os eventos do primeiro longa, a humanidade passa por um momento de paz, Godzilla está desaparecido e a maior preocupação do governo é decidir se a convivência com esses “Titãs” deve ou não ser tolerada. Mas tudo isso está prestes a mudar com o despertar de antigo mal que põe em risco a existência de tudo que caminha sobre a terra.

Já virou até no senso comum a reclamação de que no filme de 2014 um dos grandes problemas era o tempo de tela do lagarto mais amado de Hollywood. E apesar disso ser bastante verdade, esse problema só é tão aparente devido a uma falha que a essa altura já é quase uma marca dessa nova franquia: núcleos melodramáticos rasteiros.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Mesmo que “Kong: Ilha da Caveira” contorne melhor esse problema (já que por pior que fossem os personagens, o humor os mantinha funcionando), eles ainda estavam lá. E aqui a falha central de franquia fica ainda mais aparente graças aos fortes nomes do elenco: Vera farmiga, Sally Hawkins e Millie Bobby Brown, são bons exemplos, já que ambas sofrem com diálogos extremamente expositivos acerca de seus relacionamentos.

Porém, ao evitar deixar para o texto o sentimento humano, um espaço maior se abre para uma relação entre o público e o monstro. Graças a isso, os elementos da cinematografia ganham um sentido mais íntimo. Os zoom in durante as batalhas passa adentrar o espaço pessoal dos Titãs, saindo assim da perspectiva do povo e com isso revelando a visceralidade do mano-a-mano das criaturas.

Essas que por sua vez ofuscam qualquer problema que o roteiro tenha, a sensação de diversidade entre suas espécies, permeiam os 132 minutos de projeção. Fruto, é claro, do trabalho absurdamente bem feito em CGI. Das escamas rochosas do Rei dos Monstros a textura de felpuda do corpo do Mothra, tudo demonstra um cuidado muito particular com  na composição de suas próprias identidades.

Advertisement. Scroll to continue reading.

É sempre importante ressaltar que a Monstroverso é, ao menos a níveis conceituais, uma “Rinha de Galo” com seres de 100 metros. Então qualquer esforço narrativo além do “b-a-ba” rotineiro de outras franquias (vide todos  Transformers) merece ser destacado – isso inclui o simbolismo religioso barato aqui presente. Se Godzilla como é retratado como um salvador da humanidade (um Jesus Cristo titã) , Ghidorah é retratado com o anti-cristo (isso sem sutileza nenhuma como visto na imagem acima).

Godzilla II: Rei dos Monstros”  tem um um simbolismo barato? sim! Tem os mesmos problemas que os outros filmes de seu universo compartilhado? também. Porém, quando uma hidra alienígena de 3 cabeças usa uma usina elétrica para disparar raios nos seus inimigos, qualquer problema estrutural passa a ser algo muito pequeno. E se tem algo que sempre foi irrelevante em um filme do Godzilla, são as coisas pequenas.


Imagens e Vídeo: Divulgação/Warner Bros. Pictures

Advertisement. Scroll to continue reading.

Reader Rating2 Votes
7
7.5

Cinéfilo assíduo desde que se conhece por gente,e um amante da nona arte. É da linha de David Lynch que acredita no potencial onírico das artes.

1 Comment

1 Comment

  1. Pingback: Rock in Rio 2019: 10 Estandes para você aproveitar na Cidade do Rock | Woo! Magazine

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Filmes

Papo acontecerá dentro da 16ª Edição do Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro As Lives de Cinema do Projeto de Extensão Aruandando no Campus estão...

Crítica

Antes da estreia, “Mulher-Maravilha” (de 2017) era um filme recheado de desconfianças. Despois do Universo Estendido da DC  (DCEU) ter fracassado, aquele longa chegava...

Filmes

Durante a CCXP Worlds houve painéis sobre séries de TV, quadrinhos, novelas e cinema. Especificamente falando dos filmes, todos os dias algum ator ou...

Filmes

Após sua reabertura, o tradicional e amado cinema paulistano, Petra Belas Artes, está passando por dificuldades para se manter funcionando devido à falta de...

Advertisement