Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Kobra: Auto Retrato

Kobra auto retrato
Imagem: Divulgação/Festival do Rio

É possível separar a obra do artista? Ou melhor, a obra é o artista? Para o muralista Eduardo Kobra, a melhor forma de conhecê-lo é através dos seus imensos murais espalhados pelo mundo. E isso é exatamente o que sentimos no belo documentário “Kobra: Auto Retrato” de Lina Chamie.

Leia mais: Crítica: Otto: de Trás p/ Diante

O documentário se alterna entre a contemplação das obras de Kobra com belíssimas tomadas usando drones e closes precisos no artista, enquanto ele narra sua trajetória. Essa narração, por vezes, é invadida por momentos de pausa e silêncio do artista. Além disso, em determinados momentos, cores e texturas se sobrepõem à sua imagem, unindo arte e artista.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Para além da beleza e da qualidade técnica do documentário, a história de Kobra é inspiradora. O paulistano que viveu a infância na periferia, fala com muita delicadeza sobre momentos difíceis de sua vida: a saída traumática da casa dos pais, seus problemas com insônia, os dilemas enquanto artista conhecido e reconhecido mundialmente.

Um dos momentos que mais emocionam, com toda certeza, é a reflexão de Kobra sobre como construiu seu caminho como pai. Ele deixa claro que a relação difícil que tinha com seu pai (uma pessoa fria, em suas palavras), o incentivou a buscar ser um pai mais generoso, presente e afetuoso com seu filho Pedro.

A evolução como pessoa se reflete em suas obras

Também é muito interessante ver a evolução de Kobra como artista. Acompanhamos desde o primeiro trabalho remunerado no parque de diversões Playcenter em São Paulo, às críticas que o levaram a se aprimorar e encontrar a estética que virou sua marca registrada: o hiper-realismo dos rostos contrastando com cores e formas geométricas, que saíram do Brasil para conquistar o mundo.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Kobra auto-retrato
Imagem: Divulgação/Festival do Rio

Mas o que mais comove nas obras de Kobra, é sem dúvida alguma, a presença de questões de alta relevância social nos murais. Mesmo quando pinta um rosto conhecido, este tem o seu lugar na beleza e no caos das ruas. O documentário abre a porta para diversas discussões sobre o que fazemos com o espaço urbano. Certamente, os problemas ultrapassam a mera conservação dos edifícios, para como pertencemos às cidades.

Ao final, o que Kobra nos deixa é que a arte é indissociável do artista, e é possível fazer dela e de si mesmo, uma mensagem de paz. Que resistir e lutar com generosidade e amor é uma possibilidade real.

Vídeo: Divulgação/Imovision

*Esse filme foi assistido durante o Festival do Rio 2022.

Advertisement. Scroll to continue reading.
Kobra auto retrato
Crítica: Kobra: Auto Retrato
Sinopse
Também é muito interessante ver a evolução de Kobra como artista. Acompanhamos desde o primeiro trabalho remunerado no parque de diversões Playcenter em São Paulo, às críticas que o levaram a se aprimorar e encontrar a estética que virou sua marca registrada: o hiper-realismo dos rostos contrastando com cores e formas geométricas, que saíram do Brasil para conquistar o mundo.
Prós
Direção competente
Belas tomadas aéreas das cidades e das obras
Um retrato sincero e honesto do artista Kobra
Contras
Não há
5
Nota
Written By

Bibliotecária, doutoranda em História das Ciências, e das Técnicas e Epistemologia. Apaixonada por cinema, séries e cultura em geral. Sem Os Goonies talvez não estivesse por aqui.

1 Comment

1 Comment

  1. Pingback: Crítica: Pele - Woo! Magazine

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Advertisement
Advertisement

Você também pode ler...

Crítica

Produzir um filme sobre a vida de Enzo Ferrari com um ator da moda e entregá-lo nas mãos de um dos mais reverenciados diretores...

Crítica

O filme português “A Bela América” é uma comédia dramática dirigida por António Ferreira (“Pedro e Inês”, “Camané: A Guerra das Rosas”). A história...

Crítica

O documentário francês “No Adamant” conquistou o cobiçado Urso de Ouro no Festival de Berlim deste ano ao apresentar o trabalho de psiquiatras e...

Crítica

Antes de proceder a qualquer análise, é imperativo salientar que, aos olhos dos espectadores versados em filmes de guerra mais convencionais, pode parecer peculiar,...

Advertisement