O submarino nuclear Kursk foi um dos últimos a ter seu projeto desenvolvido e aprovado ainda no regime soviético, em 1990. Com sua construção terminada em 1994 – portanto, após o colapso da União Soviética em dezembro de 1991 –, o Kursk, de certa forma, tornou-se símbolo do último suspiro do “segundo mundo”. Apesar de ser uma embarcação nova, logo de cara, já carregava a herança de uma dinâmica sociopolítica que não existia mais (ou pelo menos não de forma tão explícita quanto antes). Por causa disso, o desastre que lhe acometeu no ano 2000, em que grande parte de sua estrutura foi seriamente danificada e toda sua tripulação foi morta, apresenta uma carga simbólica inescapável, como se a entrada do novo milênio fizesse questão de enterrar uma ordem mundial para a construção de uma nova.

Esse subtexto faz-se presente em “Kursk – A Última Missão”, do diretor dinamarquês Thomas Vinterberg. Não à toa, um dos elementos mais recorrentes do roteiro de Robert Rodat é a constatação de uma deterioração material e financeira da Rússia pós-soviética – atraso no pagamento de salários, frota em progressiva diminuição, falta de manutenção das embarcações, venda de peças para empresas estrangeiras etc. – aliado a um discurso patriótico e paternalista: em suma, um país anacrônico que releva um momento de crise em prol da manutenção de um discurso político. Por ser um longa produzido sem o envolvimento de produtores ou artistas russos, a análise feita pelos realizadores é um tanto simplória se levarmos em consideração as complexidades geopolíticas que envolvem o regime soviético e suas reminiscências na Rússia contemporânea; porém, não deixa de ser eficiente a analogia feita entre o país e o submarino.

Apesar disso, “Kursk – A Última Missão” é um filme que fica sempre à beira de tornar-se uma espécie de conto moralista sobre o fracasso soviético, principalmente no que diz respeito à ajuda internacional (países da OTAN, em sua maioria) no resgate dos tripulantes do submarino danificado e a relutância do governo russo em aceita-la. Por vezes, o risco de se tornar mais um longa sobre os “russos irresponsáveis e egoístas” e o “Ocidente sensato e caridoso” é perigosamente real. No entanto, deve-se muito à competência da direção de Vinterberg que “Kursk – A Última Missão” consiga, se não superar, pelo menos amenizar esse tom maniqueísta com o qual o roteiro de Rodat flerta tanto, e fazer do longa uma experiência assistível e com algumas qualidades.

A principal delas é que, se não consegue fugir da “mão-pesada” dos elementos mais explicitamente políticos da trama, Vinterberg consegue trabalhar muito bem as interações humanas dentro das pequenas comunidades que representam os diversos núcleos do filme. É nesse aspecto em que as características do cinema do diretor dinamarquês, realizador de obras como “Festa de Família” e “A Caça”, estão mais evidentes e, naturalmente, é onde ele mostra estar mais confortável. Apesar de, no geral, os diálogos serem bem literais, em momentos como as entrevistas coletivas marcadas pelo embate entre Tanya (Léa Seydoux) – esposa de Mikhail (Matthias Schoenaerts), um dos tripulantes do Kursk –  e as autoridades da Marinha russa, há uma verve ausente em outros trechos do filme.

No todo, “Kursk – A Última Missão” nem se compara aos melhores momentos da carreira de Thomas Vinterberg, sendo claramente um trabalho “para pagar as contas”. Entretanto, apesar do roteiro problemático e de uma séria questão com os sotaques dos atores (consequência de ter belgas, franceses, alemães e suecos interpretando russos), seu mais novo longa é uma obra tecnicamente bem-feita e perfeitamente aceitável.


Imagens e vídeo: Divulgação/Paris Filmes

Kursk - A Última Missão

3.1
Bom!

Em 2000, uma explosão danifica seriamente o submarino nuclear Kursk. Por um lado, questões políticas dificultam o resgate de sobreviventes do acidente. Por outro, as suas esposas lutam para saber o que realmente aconteceu no fundo do mar.

Direção
Elenco
Roteiro
Pros
  • Direção segura, especialmente nos momentos de interação humana
  • Tecnicamente competente
Cons
  • Roteiro um tanto maniqueísta e simplório
  • Problemas com os sotaques dos atores
Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
João de Queiroz

Passava tardes de final de semana na locadora. Estudou Cinema. Agora escreve sobre filmes.

Previous Crítica: O Escândalo
Next Com Larissa Manoela, filme “Modo Avião” ganha trailer oficial

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close