Connect with us

Hi, what are you looking for?

Crítica

Crítica: Virei um gato

Não muito mais que uma caixa de areia

Quem tiver a persistência de um felino teimoso e chegar ao final de “Virei um gato” certamente irá se perguntar o que levou Kevin Spacey e Christopher Walken a aceitarem participar deste filme. A melhor parte dele está justamente no começo e não tem nada a ver com a dramaturgia: vídeos engraçadinhos de gatos que oferecem mais diversão do que o filme inteiro.

Tom Firebrand (Kevin Spacey) é um homem rico e poderoso obcecado em construir o prédio mais alto do Hemisfério Norte. Por conta de suas ocupações profissionais, deixa a família de lado e é um pai ausente para Rebecca (Malina Weissman), que quer muito ganhar um gato de presente de aniversário. Tom odeia gatos, mas vai à estranha Purrkins Pet Shop, onde Mr. Perkins (Christopher Walken) lhe entrega um bichano chamado Bola de Pelos.

Ao descobrir que talvez seu arranha-céu perca lugar para outro em Chicago, Tom vai se encontrar com o mal intencionado Ian (Mark Consuelos), seu funcionário, no alto da torre. Acaba sendo atingido por um raio e despenca de lá de cima, entrando em coma. Descobre, então, que passou a habitar o corpo de Bola de Pelos e que, se vier a morrer, ficará preso para sempre no corpo do gato. Como se não bastasse esse clichê surrado, há outro: é dentro do animal que ele tem que refletir sobre seu comportamento em relação à família e tentar melhorar. Durmamos.

Advertisement. Scroll to continue reading.

Não, não é possível nem mesmo cochilar, porque os eternos miados insuportáveis de Bola de Pelos não permitem. Talvez só os amantes de gatos apreciem este filme. Quem não nutre muita simpatia pelos bichanos irá certamente ficar entediado, apesar de uma ou outra cena engraçada, como a engenhosidade de Bola de Pelos para se servir de uísque e a acidental destruição de um porta-retratos.Jennifer Garner (Lara, a atual mulher de Tom) tem uma certa comicidade mas seu papel não lhe permite alçar grandes voos. Um pouco mais favorecida é Cheryl Hines (Madison, a ex- esposa) e Talitha Bateman (sua filha Nicole). Esta caracteriza bem a futilidade pré-adolescente e suas pequenas maldades, em contraste com a boa menina Rebecca. Malina Weissman também cumpre bem seu papel.

O roteiro é ruim e previsível. Os diálogos são pobres e sem muita criatividade. Ainda que um filme não tenha maiores pretensões artísticas, há que se criar algo além do medíocre. Como se não bastassem as falas tolas, existem momentos em que a história é contada de forma maçante: enquanto Tom permanece em coma, seu filho mais velho, David (Robbie Amell) entra em atrito com Ian, que articula a venda da empresa. Esta parte da trama é um tanto quanto cansativa e talvez seja até mesmo confusa para o público infantil.

É de se estranhar que “Virei um gato” tenha sido dirigido por Barry Sonnenfeld, que assinou sucessos de bilheteria como “A Família Addams” e “Homens de Preto”. A impressão é que todos os envolvidos no filme estavam precisando urgentemente pagar as contas.

 Talvez as melhores coisas  – além da abertura aqui já citada – sejam a estranha loja do Sr. Perkins e o próprio. Ou, quem sabe – perdão pela crueldade – o fato de que a duração não chega a 90 minutos.

Advertisement. Scroll to continue reading.


Neuza Rodrigues

Advertisement. Scroll to continue reading.
Reader Rating1 Vote
9.4
4
Written By

2 Comments

2 Comments

  1. Teresa Cristina Fazolo Freire

    28 de janeiro de 2017 at 20:05

    Parece-me um caso típico de “vergonha alheia”, não? Já senti isso algumas vezes, especialmente em alguns dos últimos filmes do Robert de Niro. A gente fica na dúvida se estão mesmo precisando de grana ou se a produção é de amigos a quem devem algum favor. Ou, quem sabe, se estão apenas curtindo com a cara do espectador. Valeu o alerta!

  2. felipe

    31 de março de 2017 at 21:32

    Gostei muito do que li aqui no seu site.Estou estudando o assunto,Mas quero agradecer por que seu texto foi muito valido. Obrigado 🙂

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode ler...

Geek

Vem chegando a CCXP Worlds 21, mais uma edição virtual da CCXP. E os fãs de séries sempre criam altas expectativas em cima das...

Filmes

De acordo com o site JoBlo, Nicolas Cage foi confirmado como Drácula em “Renfield”, uma comédia extremamente violenta, descrito desta forma pelo próprio estúdio...

Séries/TV

É o Amor: Família Camargo chega em 9 de dezembro A partir de 9 de dezembro, na Netflix, “É o Amor: Família Camargo” vai mexer...

Séries/TV

Netflix apresenta um olhar por trás das câmeras e pôster oficial dos cinco episódios finais de “La Casa de Papel” Para Álvaro Morte, a...

Advertisement