Spin-offs, assim como os reboots, têm ganhado mais investimento ao longo dos anos. É a tentativa de resgatar o público e atrair novos fãs para uma determinada série. Alguns derivados fazem tanto sucesso que acabam atraindo até quem não acompanha a série original. Por isso, quem conhece, mas não acompanha a sitcom “The Big Bang Theory”, pode experimentar assistir ao spin-off “Young Sheldon”, que conta a infância do personagem Sheldon Cooper.

A série se passa em 1989, no Texas, onde Sheldon Cooper (Iain Armstrage), um jovem de apenas 9 anos, é extremamente inteligente e bem diferente das crianças da sua idade. Ele é cheio de manias, “tocs” e características peculiares, mas se encontra quando em contato com o mundo nerd. Por sua inteligência, ele começa a frequentar o ensino médio quando ainda criança e a série gira em torno dos dias de sua infância com sua família texana, sua mãe Mary (Zoe Perry), seu pai George (Lance Barber), seu irmão mais velho, George Jr. (Montana Jordan) e sua irmã gêmea Missy (Reagen Revord). Também tem sua avó, Connie, que eles chamam de Meemaw (Annie Potts).

Sheldon Cooper, quando criança interpretado por Iain Armistage, é um personagem peculiar. O sucesso veio por suas características, expressadas desde crianças e retratadas no spin-off de maneira mais profunda, como não gostar de contato físico e não expressar sentimentos, não acreditar em Deus no meio de uma família extremamente católica, ser mais inteligente que seus irmãos e estar em uma família que não sabe direito como lidar com ele. Até seus trajes refletem em seu comportamento, afinal, uma criança de nove anos que vai para aula de blusa social e gravata borboleta acaba chamando atenção. E, a atuação de Iain é uma peça-chave na execução da série. O rapaz, já conhecido por ter feito “Big Little Lies”, encanta a todos com seu jeito meigo apesar do comportamento de seu personagem. Iain vive bem o Sheldon, que na versão adulta é vivida por Jim Parsons. O próprio Jim escolheu Iain para o papel de Sheldon e foi uma escolha bem feita, pois os dois não só se parecem fisicamente como também no jeito de falar e interpretar o personagem.

Zoe Perry, que interpreta a hiper-protetora Mary, também faz um ótimo trabalho, considerando que sua personagem é a única que se esforça para entender o filho, ainda que algumas de suas convicções (como ser ateu) a incomodem. Passando as vontades de seu filho acima de si mesmo, é a mãe que segura a família, principalmente o pai e o irmão mais velho, que se deslocam totalmente perto do caçula. O pai, George, interpretado por Lance Barber, claramente não tem nada a ver com o filho, e muitas vezes se frusta sem saber o que fazer. O irmão, George Jr., também é outro personagem que se sente ofuscado e claramente tem carências emocionais que refletem em seu comportamento. Tirando a irmã gêmea Missy, que apesar de não ter a mesma inteligência do irmão, tem um ótimo senso de humor e gatilho rápido para respostas, e a avó Meemaw, que é a única que sabe jogar o “jogo” de Sheldon, os demais personagens sofrem indiretamente pelo comportamento do protagonista.

Muitas críticas são feitas pela série, como uma constante batalha entre a ciência e a religião. Jim, Parsons que há onze anos vive o personagem em “TBBT”, está por trás da produção da série junto do criador de ambas, Chuck Lorre. Em nenhum momento a série distancia-se do protagonista, pelo contrário, só reforça essas características, então a compreensão dos episódios, que são bem curtinhos, não são difíceis, pois a série apresenta um roteiro leve e sabe alternar entre os momentos cômicos e os momentos dramáticos. Algo que também chama atenção são os nomes dos episódios, sempre três palavras que fazem referência a situações vividas no episódio em questão. Quase no final da temporada, a série investe em trazer a nostalgia através da voz de Zoe Perry cantando “Soft Kitty”, que como explica Sheldon na série original, era a canção que sua mãe cantava para ele quando ele ficava doente.

No mais, “Young Sheldon” é uma série rápida, simples, mas com muita história por trás. É feita para fãs e não fãs e vale pelas risadas, reflexões e, claro, pelas referências nerds! No Brasil, a série é transmitida pela Warner, que também transmite “The Big Bang Theory” e os novos episódios chegarão no dia 18 de Março, à partir das 22h25.

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Júlia Cruz

Acredita ser uma criação do Projeto Leda enquanto espera o Doutor com a sua Tardis. É apaixonada por cachorros, gosta de acender incensos, observar estátuas e tomar café. Descobriu que tudo é passível de crítica e desconstrói os enredos das mais de cem séries que já viu, para os leitores da Woo Magazine.

Previous Os inusitados desfiles da Semana de Moda de Milão 2018
Next Resenha: Histeria, de Katherine Howe

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close