7 de dezembro de 2019

Com fusão de estilos que vão da música eletrônica ao garage rock, passando pelo trip hop, AB Groovy apresenta um trabalho autoral com marca de originalidade. Praticamente um one man band que se apresenta com músicas que combinam sampler, violão, guitarra, voz e gaita. São cinco discos autoproduzidos e distribuídos de forma independente e mais dois que já estão a caminho. A mescla de estilos que compõe o trabalho do compositor e produtor musical pode ser desfiada entre influências que circulam entre garage rock psicodélico dos anos 60, indie rock, funk, trip hop e rap. Uma fusão de ritmos amarrados pela música eletrônica, mesclando música ambiente, drum and bass, big and broken beats.

O trabalho de AB Groovy traz a marca de lugares. De Barcelona a Manaus, a influência não se sente a partir de obviedades e fachadas. A primeira fase do músico foi em Manaus nos anos 1990, integrando a banda de garage rock Charlie Perfume que pode ser conferida no EP “Não se Esqueça desse Aroma”, gravado em 1996. O disco traz suas primeiras composições, embora quando da gravação desse EP a banda já estivesse com outra formação, pois AB Groovy já não assumia mais guitarra e vocais.

“Cartas do Estrangeiro” e “AB Groovy” foram lançados em 2014 e 2016, mas produzidos simultaneamente alguns anos antes, no período em que morou na Espanha. Nessa época cursou engenharia de som no SAE Institute de Barcelona, o que foi definitivo pra desenvolver a técnica necessária para produzir suas músicas. Os discos trazem a marca da experiência do músico vivendo na Espanha, na margem entre sonhos e revezes.

Sobre a Amazônia, AB Groovy faz um salto mais onírico com fundo realista envolvendo as conexões entre alienígenas e imperialismo na psicodelia instrumental de “Amazon UFO” e “Nasa Aliens Disney Propaganda”, lançados em 2007 e 2016. Parece absurdo? Há quem afirme que na Amazônia repousam reservas de minérios que podem ser usados para fins nucleares, o que teria crescido o olho norte-americano. A floresta também seria palco para testes de novas armas de guerra. Tudo isso de modo tão escondido, camuflado e futurista que os ribeirinhos amazônicos que testemunharam os invasores julgaram ver alienígenas em ataque. As histórias desses OVNIs circulam na Amazônia junto com os radares e satélites usados pela CIA para encontrar os minérios. Uma Amazônia nada fácil de conhecer e que vira música eletrônica dark drum and bass (Amazon UFO) e eletrônica ambiente (Nasa Alien Disney Propaganda).

Para quem está em Manaus, o trabalho de AB Groovy pode ser conferido no espetáculo Paisagens Sintéticas que tem sido apresentado em teatros da cidade. O espetáculo é feito em parceria com o coreógrafo Adam Anjos e sua equipe de bailarinos de dança contemporânea e o artista visual Afrânio Santos, responsável pela edição e montagem de vídeos projetados em tempo real. Para quem está longe, pode buscar no SounCloud ou no facebook “AB Groovy”.

Por Rosana Paiva

Show Full Content
Previous Tempestade de Areia e a poeira das nossas pequenas revoluções
Next E para você, quais foram os melhores filmes do ano?

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

NEXT STORY

Close

Raio

19 de novembro de 2016
Close