Disenchantment será uma série inédita do criador Matt Groening. Até o momento, possui 20 episódios aprovados para produção. A temática será mais adulta do que Simpsons, contando a história de um reino de fantasia à beira da ruína. Nele a princesa Beam, uma princesa alcoólatra, seu elfo de companhia, (adivinhem o nome dele? “Elfo”) e seu “demônio pessoal”, Luci (nome escolhido ao acaso qualquer semelhança com  “Um sábado qualquer” é mera coincidência).

Os dez primeiros capítulos estão marcados para ir ao ar dia 17 de agosto na Netflix. Essa semana, as primeiras imagens foram divulgadas [via site Variety]. Os traços característicos de Simpsons e Futurama estão lá, confira:

Este slideshow necessita de JavaScript.

O próprio criador da série, Matt Groening, define sua sinopse assim:

“Disenchantment será sobre vida e morte, amor e sexo, e sobre como se manter rindo em um mundo cheio de sofrimento e idiotas, apesar do que os anciões, feiticeiros e outros idiotas dizem para você”.

A animação já possui uma conta oficial no twitter, que trará em breve mais algumas novidades. Especula-se que talvez no próximo mês apareça um trailer oficial. vamos ficar de olho.

Mara tentar manter a fórmula de sucesso, o elenco traz Abbi Jacobson , no papel da princesa Bean. Abbi é conhecida pela série Broad City e por ouras dublagens de animação como “Bojack Horseman”e “Lego ninjago, o filme”.

Para dar mais graça ainda, Luci será  interpretado pelo comediante Eric André. Eric pode ser visto em séries famosas como “Apartament 23”, “2 broke girls” e “Man seeking woman”. Ele também participou de filmes de comédia e tem seu especial de stand up comedy.

O papel do elfo Elfo, será feito por Nat Faxon. Ele esteve em uma produção recente da Netflix “Amigos da Faculdade” que apesar do bom elenco, não emplacou sucesso.

Lançada em 1989 e atualmente na sua vigésima nona temporada, “Os Simpsons” tem um número extraordinário de fãs, e é uma das séries mais duradouras e de sucesso da história da tv.  Recentemente estabeleceu um novo recorde recorde, se tornando a série (roteirizada) mais longa da história da televisão. Mais alguém achou que o Elfo lembra o Bart Simpson?

“Futurama”, foi lançada dez anos depois em 1999, tem uma fanbase , é até considerada cult mas não teve tanto sucesso quanto suas precursora. Inclusive, a animação chegou a ser cancelada e foi resgatada alguns anos depois.

Nem sempre Matt Groening teve todo esse sucesso. Antes de criar “Os Simpsons”, ele trabalhava como cartunista de um jornalzinho, com uma tirinha chamada “Life in Hell”. O convite para produzir a animação da TV veio por um acaso. A produtora Polly Platt presenteou seu colega James L. Brooks com uma tira de Matt Groening. Brooks adorou o trabalho dele e do produtor Ken Estin também. Daí surgiu a ideia de produzir o desenho que acabou originando “Os Simpsons”.

Matt, antes da fama, teve que buscar trabalho para sobreviver, chegando a limpar mesas de restaurantes, lavar pratos numa casa de repouso, cortar grama e trabalhar como ajudante de pizzaiolo. Ele também atuou como “ghostwriter” (escritos fantasma) para um autor. Um dos sonhos de Groening era se tornar escritor.

Os personagens protagonistas de Simpsons foram inspirados em sua própria família. Os nomes de Homer, Marge, Maggie e Patty são nomes do pai, mãe, irmã e tia de Matt Groening. Ele dubla o barulhinho que Maggie faz com a chupeta. Já a primeira palavra dita pela caçula da família foi dublada por ninguém menos que Elizabeth Taylor.

The Rock Bottom Remainders

Hoje com 64 anos, fã de rock, Matthew Abram Groening toca bateria numa banda chamada “The Rock Bottom Remainder”, e seu nome é creditado como Cowbell Player. A banda inclui outros nomes famosos como o do  famoso escritor Stephen King. para saber mais acesse: rockbottomremainders.com


Apoia-se

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Tathiana Tato

Tem um conhecimento amplo de coisas inúteis, porém divertidas, como saber por que existe aquele ditado. Ama ler, viajar, novidades, conhecer pessoas, comer bem (casou com um chef), ouvir e contar histórias. Foi escoteira e até hoje está sempre alerta.

Previous Crítica: Chronic
Next Resenha: Amar e brincar – Fundamentos esquecidos do humano, de Humberto Maturana e Gerda Verden-Zöller

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close
CLOSE
CLOSE