Enquanto Hollywood não é mais a mesma, a televisão vem desde os anos 90  alcançando status de arte e se torna cada dia mais relevante. Sendo assim, nada mais natural que as narrativas da tela grande tenham migrado de formato. Na lista abaixo, você confere alguns desses casos bem-sucedidos:

Hannibal 

Antes de atormentar a vida de Clarice Starling  em “O Silêncio dos Inocentes”, o psiquiatra canibal Hannibal Lecter tinha feito sua primeira aparição no livro “Dragão Vermelho”, de Thomas Harris. 22 anos depois do longa com Anthony Hopkins, a obra foi para a televisão como o seriado “Hannibal”. Como um prelúdio do livro, a série aborda o relacionamento de Lecter com o agente especial do FBI Will Graham, interpretados por Mads Mikkelsen (foto em destaque) e Hugh Dancy, respectivamente.

Fargo

Uma das pérolas dos irmãos Joel e Ethan Coen, “Fargo – Uma Comédia de Erros” narra o plano frustrado de um gerente de uma revendedora de automóveis, que sequestra a própria esposa na tentativa de conseguir dinheiro. O longa, que levou os Oscars de melhor roteiro e melhor atriz (Frances McDormand) virou uma série de televisão em 2014, no formato de uma antologia. Enquanto a primeira temporada se atém a história dos Coen, a segunda seguiu apenas a premissa: histórias de intriga e assassinato no Minnesota – e todas levam, de um modo ou de outro, para Fargo, a cidade que dá nome ao programa.

Scream

Antes de “O Chamado” surgir, Wes Craven  já tinha ensinado aos adolescentes que atender o telefone pode ser mais perigoso do que parece com os filmes da franquia “Pânico” Depois de atualizado para uma nova geração com “Pânico 4”, o serial killer ghostface caiu nas graças da MTV. Com duas temporadas já exibidas e uma terceira confirmada, “Scream”  acompanha a jovem Emma Duvall, perseguida por um psicopata que se veste como Brandon James, um adolescente  morto 20 anos antes, e responsável por uma chacina na cidade de Lakewood.

Buffy – A Caça Vampiros

Decepcionado porque o piloto da série não mostra a origem da heroína? Bom, você pode assistir ao filme de 1992. Embora não tão inovadora quanto o programa – um dos primeiros da renovação da TV estadunidense – a adaptação é despretensiosa e divertida. O triste mesmo nem é a ausência de Willow, Cornelia ou Angel, mas o fato de que o incêndio no ginásio não entrou no roteiro final.

O Jovem Indiana Jones

Sim, ela existe! E é mais divertida e adorável do que parece. A série, exibida no Brasil pela Globo, surgiu do interesse de George Lucas por formas alternativas de educação. Passada em três tempos diferentes, o programa  acompanha o já idoso arqueólogo relembrando suas viagens na infância e na juventude. Entre as várias figuras histórias que Jones encontra, estão Lawrence da Arábia e Sigmund Freud.  A série é uma pérola para os fãs do personagem, e altamente recomendável para quem gosta de estudar história.


Apoia-se

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Luísa Lacombe

Sua formação é em cinema, e os interesses incluem televisão e quadrinhos. Nas horas vagas, faz tirinhas.

Previous “O diabo veste Prada” chegará aos palcos da Broadway com a volta de Elton John
Next 10 truques de maquiagem que você nunca viu

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close