Poesia. Dannilo Autorino quando escreve, usa da poesia. Seus textos são sensíveis, bonitos, calorosos e falam com qualquer ser humano com sentimentos bons. Eu conheço Dannilo, ou Dan como os amigos mais próximos o chama, há vários anos, e ele é exatamente como escreve em seus textos: amoroso, delicado, uma pessoa maravilhosa.

Quando me mandou o livro confesso que estava em uma correria louca de final de ano, outros projetos, coisas importantes… Mas ai parei e fui ler. Acabei me apaixonado e relendo várias vezes. “Feliz Natal… Que tudo esteja bem” faz parte de algo maravilhoso. Dan nos convida para ser parte do seu mundo encantado e acolhedor. Na entrevista abaixo ele nos conta um pouco sobre como foi desenvolver esse projeto e pra quem ele é escrito.


Marya: De onde surgiu a inspiração para o livro? 

Dannilo: Eu sempre gostei muito do Natal. As casas enfeitadas, as luzes, as cores, a energia que essa época traz. O espírito natalino é muito verdadeiro, é uma época em que todas as pessoas param para se enxergarem, para terem laços humanos. Após o Natal do ano passado eu fiquei com algo dentro de mim, uma pequena chama, mas não sabia o que fazer com ela. Foi só uns seis meses depois que comecei a escrever o livro.

Marya: E como foi o processo de escrever?

Dannilo: Basicamente, eu escrevi todo o livro de uma vez. Claro que fiz algumas mudanças depois, reescrevi certas partes, mas só precisei de uma parte da noite e uma manhã para fazer um primeiro modelo. Usei uma memória que me serviu de link para os três contos.

Marya: Tem experiências suas lá?

Dannilo: Todo livro tem um pouco do autor, qualquer coisa que escrevemos tem algum conteúdo sobre quem o escreve.

Marya: Os desenhos são partes importantes dele. Quem o desenhou? Como foi esse processo?

Dannilo: Leo Pereira fez as ilustrações do livro. Uma amiga indicou o namorado, que era o Leo, e eu vi o portfólio e aprovei. Gostei muito de um desenho e fui falando para ele sobre os que eu queria. Foi um trabalho feito em conjunto, dei uma certa abertura, mas eu também participei bastante. Algumas coisas eu queria ter feito, mas eu gostei do resultado. Dei muitas opiniões, pedi mais luzes na árvore, por exemplo. Demos muito certo.

Marya: Há outros projetos futuros?

Dannilo: Vou lançar um conto sobre a árvore de Natal nas próximas semanas, antes do dia 25, provavelmente, mas ainda estou decidindo o nome. Segue o mesmo universo mágico, tem um pouco de sintonia com o livro.

Marya: Onde podemos comprar os livros?

Dannilo: Lancei na Amazon, Perse, e também tem o livro físico, mas compra pelo site.

(Eu pedi pro Dan que ele pensasse muito seriamente sobre para quem é o livro, sobre por que as pessoas deveriam ler seus contos. Acredito ser importante saber isso. Essa próxima pergunta e a resposta dela foi feita e enviada alguns dias depois do nosso encontro e acredito que ele encontrou um ótimo motivo)

Marya: Por que as pessoas deveriam ler seu livro? O que ele traz de diferente para todos?

Feliz Natal… Que tudo esteja bem traz uma proposta muito corajosa de tentar resgatar o espírito de Natal de dentro das pessoas. Já faz um tempo que tenho percebido que quanto mais os anos vão passando, mais as pessoas têm ficado distante umas das outras, seja por motivos tecnológicos ou por motivos de ter que trabalhar muito e viver pouco. Percebo nos cafés, pessoas se encontrando muito mais para reuniões de trabalho do que para papos agradáveis com amigos.

Ainda antes, eu via o Natal como o dia em que nós deixávamos todos os problemas de corre-corre para trás e nos dedicávamos ao outro e compartilhávamos um pouco de alegria, carinho e presentes, que seria mais uma forma de mostrar que você gosta da pessoa do que uma obrigação consumista. Pois é, perdemos o espírito de natal para muita coisa, e é por causa dessa perda que proponho, nesse livro, trazer de volta o espírito de Natal, aquele que não tem máscaras, consumismo e falta de respeito. É aquele bem simples mesmo, mas muito forte, em que as pessoas possam abrir seus coração e desejar um sincero “Feliz Natal…” e que tudo esteja realmente muito bem! E se não estiver agora, que vai ficar!

O leitor, ao abri-lo, entenderá que apesar de todos os problemas, aqui há uma pausa para um abraço confortável! Você não está sozinho, estou com você e haverá muitos outros como você também, que terá esse livro guardado ao pé de alguma árvore de Natal! Encontraremos todos unidos por essa obra (pelas luzes de natal, como diz na história) um pouco de conforto e esperança de um mundo mais natalino e mágico como a data festiva. O tempo foi apagando o verdadeiro espírito natalino do coração e da memória das pessoas… que tal tentarmos recuperá-lo esse ano?