Apesar de “This is Us” ser uma série mais tranquila e para família, não anula o fato de que, às vezes, é preciso uma lavagem de roupa suja entre os entes queridos. Ao longo das duas temporadas, já vimos muitos sermões e discussões entre os membros da família Pearson, porém, nesse episódio de volta de mid season, foi o que todos nós esperávamos que fosse acontecer um dia.

Como a obra é dividida em várias fases da vida dos três irmãos, os telespectadores tentam desenhar uma lógica, em conjunto com a narrativa, para tentar compreender os motivos para que eles sejam tais adultos. Randall (Sterling K. Brown), um pai e marido amoroso, atencioso com seus irmãos. Já Kevin (Justin Hartley) e Kate (Chrissy Metz), carregam ambos até hoje a amargura do passado, seja em relação aos pais ou até aos próprios irmãos.

Na maioria dos capítulos, há espaço para as três épocas desenvolvidas na obra. Geralmente, os problemas na fase adulta são mostrados em paralelo a algum exemplo similar na infância ou adolescência. Contudo, nos últimos três episódios antes do intervalo, Dan Fogelman criou um combo em que dedicou um episódio inteiro para cada um do grupo “Big Three”, formado por Randall, Kevin e Kate.

De início, você não entende o porquê dessa mudança brusca em focar somente em um dos personagens, visto que o lado bom da série é, de fato, saber mesclar todas as histórias ao mesmo tempo. Foram bons episódios, mas realmente ficou sem fazer sentido. Porém, quando “The Fifth Wheel”, episódio onze apareceu, tudo se encaixou e só nos fez reafirmar a grande obra em que estamos viciados.

Não foi por falta de criatividade e, sim, por excesso dela. Para abrir território para a volta e o grande desabafo de Kevin – finalmente – foi necessário expor o lado de cada um desse triângulo fraternal. Após o incidente com a polícia, o ex-Manny foi condenado a se hospedar em uma reabilitação, visto que sua situação com os remédios controlados já estava extremamente grave.

Sendo assim, todos foram convocados por ele e sua terapeuta do local a comparecer para uma sessão em grupo. Com os Pearson, obviamente, foram Toby (Chris Sullivan), Miguel (Jon Huertas) e Beth (Susan Kelechi Watson). Após serem barrados, por não fazerem parte do conflito inicial na vida de Kevin, eles foram afogar as mágoas e desabafaram em um bar próximo. Ou seja, mesmo que não tenham ficado para os ataques dentro da sala com o resto, também tiveram seu momento de glória e puderam colocar para fora todos os pensamentos e angústias.

De volta a sala em que estava acontecendo a agitação, todos dizem o que pensam e o que sentem, principalmente Kevin. É a melhor cena de clímax da série, com toda certeza. Isto porque, com os 28 episódios anteriores, tivemos muitas cenas de choro e de alegria, mas como esta, nenhuma chega aos pés. Foi uma confusão de emoções, em que podemos nos identificar com certos tormentos e, para os que realmente entram no clima da série e tem suas preferências entre eles, consegue ficar do lado do seu queridinho.

Tudo o que a maioria dos fãs indagava sobre a possibilidade de uma resposta vinda da mãe, Rebecca, foi conquistada. Foi uma cena com todas as cores possíveis, visto que houve muito choro, grito e falta de respiração deles e também de quem assistia. Obviamente, como padrão da série, para exemplificar todas as acusações de Kevin, na fase infantil, eles foram viajar nas férias para uma cabana, em que o astro se sentiu deixado de lado e ignorado.

“This is Us” é um show que te faz crescer, te ajuda a solucionar seus problemas e te mostra um novo aspecto sobre a convivência familiar. Todos possuem suas versões de uma mesma história. Então, antes de julgar e achar que o mundo está sendo injusto, assista a obra do canal NBC e aprenda a ser mais humano com os que mais te querem bem.


Apoia-se

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Morg Melo

É da Cidade Sorriso e, sim, sorri de uma ponta a outra olhando para o Rio de Janeiro que, claro, continua lindo. Ama filmes de comédia romântica e suspense, chora em alguns - até porque chora, inclusive, em comercial de TV -, não curte nem um pouco terror e defende com unhas e dentes seus personagens preferidos das suas séries. Geminiana e... isso já diz tudo.

Previous Editora SBS promove seu 18º Encontro de Férias
Next Crítica: O Rei da Polca

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close