NoEscurinho2

Documentário “Paratodos”

O diretor Marcelo Mesquita é fanático por esportes e se surpreendeu com a vitória de Alan Fonteneles nos 200 metros rasos sob Oscar Pistorius, o maior atleta paralímpico da história, e isso trouxe à sua cabeça uma série de questões que ele ficou incomodado por não conseguir responder. Surgiu daí a inspiração e motivação para fazer o documentário “Paratodos”.

alan 3

Através das histórias de Alan e mais 7 atletas, o filme busca conhecer e entender a realidade dessas pessoas sensacionais e mostra que elas podem vir a ser um dos principais produtos de 2016, além de somar esforços para que se repita o sucesso dos jogos paralímpicos de Londres que sensibilizou o país com a campanha “Meet The Super Humans” e lotou os estádios.

O documentário “Paratodos”, investiga os bastidores do esporte de alta performance e discute a inclusão da pessoa com deficiência na sociedade. A produção apresenta grandes nomes da equipe paralímpicabrasileira que supera obstáculos no esporte e na vida, trazendo grande inspiração para o país e o mundo.

“Se você olhar para o que uma pessoa pode fazer em vez do que ela não consegue fazer, a perspectiva muda e perde-se a visão de coitadinho”. (Andrew Parsons, presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro)

O filme estreia dia 2 de julho.

Gleicy Favacho é uma maquiadora com alma de artista. Quando pequena sonhava em descobrir um mundo fantástico através do armário muito antes de se ouvir falar em Nárnia. Essa imaginação a levou a seguir uma profissão onde ela pudesse participar da construção de vários mundos e histórias diferentes, sendo apaixonada por cinema, teatro e outras artes. Claro que, sendo adulta, já mantém um pouco mais os pés no chão, mas sempre olha dentro de um armário ou outro, afinal, vai que… né?

Show Full Content

About Author View Posts

Avatar
Gleicy Favacho

Gleicy Favacho é uma maquiadora com alma de artista. Quando pequena sonhava em descobrir um mundo fantástico através do armário muito antes de se ouvir falar em Nárnia. Essa imaginação a levou a seguir uma profissão onde ela pudesse participar da construção de vários mundos e histórias diferentes, sendo apaixonada por cinema, teatro e outras artes. Claro que, sendo adulta, já mantém um pouco mais os pés no chão, mas sempre olha dentro de um armário ou outro, afinal, vai que… né?

Previous Galeria: Primeira Exposição individual de Pablo Lobato no Rio
Next O 1° curso de Interpretação para Cinema da AIC

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close