“Não entre em Pânico”. Estas são as palavras escritas em letras garrafais na capa do mais completo guia de viagens intergalácticas já descrito em toda a ficção científica: O Guia do Mochileiro das Galáxias”. Um dos símbolos máximos da cultura geek no mundo inteiro, o Guia do Mochileiro das Galáxias é o nome dado à uma série de histórias escritas por Douglas Adams em diversos formatos e imortalizada na clássica “trilogia” de cinco volumes lançada entre 1979 e 1992, a série conta as aventuras improváveis (matematicamente improváveis, muitas vezes) de um grupo de viajantes espaciais composto por Arthur Dent, um inglês muito azarado que se vê, de uma hora pra outra, numa viagem espacial com Ford Prefect, um alienígena colaborador do Guia, residente de um pequeno astro nos arredores de Betelguese, Zaphod Beeblebrox, o semi-primo de duas cabeças de Ford e presidente de toda a galáxia, Trillian, uma terráquea que havia conhecido Arthur no planeta Terra e Marvin, o robô que sofre de depressão profunda.

A história desta, que é considerada uma das grandes obras do universo Nerd, começa de uma forma um tanto quanto incomum. Ela começa com a destruição total do planeta Terra e aniquilação de seus habitantes para a construção de uma rodovia interplanetária que estava prevista para passar justamente por ali e, infelizmente, faz a raça humana ser despejada. Tendo como seus únicos sobreviventes Arthur Dent e Ford Prefect, que nem humano é, mas que estava no planeta fazendo uma pesquisa de campo para o Guia. Na fuga, eles se encontram com Zaphod Beeblebrox e Trillian, que haviam roubado no dia da sua inauguração a nave Coração de Ouro, primeira nave capaz de utilizar para sua navegação um Gerador de Probabilidade Infinita, que socorre os sobreviventes da Terra no espaço sideral. Na trama, os heróis encaram inúmeros desafios e inimigos, como os Vogons, raça de seres tão grotescos, burocráticos e burros, cujo o horror de sua feiura só pode ser comparado à tenebrosidade de suas poesias, conhecidas por ser a 3ª pior do universo. Dentre as aventuras do grupo está a busca para a questão fundamental sobre a vida, o universo e tudo o mais.

O Guia, como é carinhosamente nomeada a obra de Douglas Adams pelos fãs, começou como uma série de rádio de 6 partes transmitida pela BBC em 1978 e seus livros já venderam mais de 20 milhões de exemplares em todo o mundo. Outras adaptações da história contam ainda com uma série de TV nos anos 80, adaptações para os quadrinhos na década de 90 pela DC Comics, uma adaptação para os cinemas em 2005 e inúmeras outras, entre livros, sequências, jogos de videogame, peças de teatro, entre outros, fazendo desta, uma das obras obrigatórias para se entender como o universo Nerd que conhecemos se criou.

O dia do orgulho nerd, celebrado no mundo todo em 25 de maio, também é conhecido como “Dia da Toalha” em homenagem à série, que afirma no Guia do Mochileiro que a toalha é o item mais indispensável de todo mochileiro, podendo ser utilizada como agasalho ao se atravessar as frias luas de Beta de Jagla, pode deitar sobre ela nas reluzentes praias de Santragino V, utilizá-la molhada para um combate corpo-a-corpo ou até mesmo usá-la para se enxugar caso esteja molhado.

Por essas e outras que o Guia do Mochileiro das Galáxias é leitura indispensável de qualquer Nerd/Geek, seja ele das antigas ou da nova geração. Portanto, prepare uma xícara de chá(que é a melhor forma de lidar com formas de vida em planetas desconhecidos), deixe sua toalha a mão, desligue seu sensormático subeta e embarque no universo lúdico e maravilhoso do guia e lembre-se:

Haja o que houver, não entre em Pânico!


Por Yuri de Melo


Sympla

Show Full Content
Previous Crítica (2): Thor – Ragnorok
Next As bolhas (um poema antigo)

Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Close